Verificação da pastilha é recomendada a cada 15 mil ou 20 mil km rodados, sugere Ícaro || Foto OVivo
Tempo de leitura: 3 minutos

As pastilhas de freio são peças que trabalham em “parceria” com os discos de freio, e esses têm a função de diminuir a velocidade ou parar um veículo. A atenção principal deverá ser voltada às pastilhas. Os condutores e/ou proprietários de carros devem ter maior perícia sobre essas peças até mais que os próprios mecânicos nas respectivas manutenções, pois elas são itens de desgaste de uso. Ou seja, se você não usa, elas não acabam.

As pastilhas de freio são feitas de resinas, fibras sintéticas e partículas metálicas. Elas se desgastam de acordo à fricção aplicada aos discos – e o seu volume material vai diminuindo.

Abaixo veja a ilustração de uma pastilha nova e uma usada até o fim de sua vida útil:

Pastilhas novas, acima, e em ponto de substituição, abaixo || Foto MixAut

Quando a pastilha chega ao seu ponto de troca, o atrito com os discos apresenta um som “anormal” é perceptível para qualquer pessoa, bastando conhecer o som “tradicional” da frenagem do seu veículo. É importante que se faça a troca imediata para que não gerem ranhuras excessivas nos discos, e tenha que trocá-los também, pois, quando trocadas as pastilhas corretamente, os discos têm prolongamento em sua vida útil.

Em alguns carros, a exemplo do Chevrolet Ônix, as pastilhas vêm com um pino de aço que irá apontar em direção ao disco. À medida em que ela perde volume, esse pino vai ficando mais próximo dos discos, até que ambos cheguem ao ponto de se tocar. Esse encontro fará um barulho “ensurdecedor”. E aí, até criança de colo vai te avisar que chegou a hora de substituir esse componente.

Mas qual a quilometragem indicada para efetuar a troca das pastilhas?

Não existe quilometragem correta para efetuar a troca. Tudo depende do quanto os freios são usados.

Em carros equipados com câmbio automático, as pastilhas tendem a durar menos do que em carros com câmbio manual, pois as pastilhas sofrem atrito tanto na saída quanto na frenagem/parada. Mas, retifico, as pastilhas se desgastam de acordo ao uso e a sua durabilidade depende de motorista para motorista.

Caso você não tenha segurança sobre o estado atual das pastilhas de freio do seu carro, leve-o até um mecânico, para que ele lhe dê uma noção aproximada da durabilidade, avaliando o seu tipo de rodagem e sua média de quilometragem por período. Eu indico aos meus clientes que seja feita uma verificação a cada 15 mil ou 20 mil km rodados. Dessa forma, você terá sempre a segurança de que está rodando com um conjunto de freio apto e eficiente e, também, haverá a prevenção de gastos financeiros desnecessários.

É importante salientar que o interessante é sempre fazer o uso de peças de marcas originais, pois, além de ter maior custo/benefício, por aumentar a vida útil, e o item se agregar ao sistema de frenagem com perfeição, você estará investindo em maior segurança para você e sua família.

Ícaro Mota é consultor automotivo e diretor da I´CAR. A coluna é publicada às sextas-feiras.

Clique e confira o Instagram da I´Car.

Deixe aqui seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.