Tempo de leitura: 3 minutos

Cerca de 60 familiares e amigos de Ranitla Scaramussa Bonella viajaram de Eunápolis a Ilhéus, nesta quarta-feira (15), para participar do ato que homenageou a jovem de 23 anos, morta em acidente no último sábado (11). Roberto Bonella e Romênia Scaramussa, pais de Ranitla, e Gabriel Delani, padrasto dela, compareceram ao ato, que ocupou trecho da BA-001 próximo à Faculdade de Ilhéus. Vestindo camisas brancas e empunhando faixas, os manifestantes cobraram justiça.

Gabriel Delani explicou por que a família considerou importante se juntar ao protesto. “[Viemos] pra que não fique na impunidade, pra chamar atenção das autoridades, pra que tenha clamor popular”, disse ao PIMENTA em conversa no local.

Outro objetivo da viagem, segundo ele, é pedir que as testemunhas procurem a Polícia Civil para relatar as circunstâncias do atropelamento. Para Gabriel, a permanência em liberdade do motorista envolvido no acidente, Tharciso Aguiar, oferece perigo à sociedade.

– Isso não pode ficar impune. E se fosse com a família de um de vocês? Se ele ficar à solta, com certeza, vai cometer novamente, porque a impunidade gera consequências. Só Deus sabe a dor que estamos sentindo. A gente faz um apelo [às testemunhas]: por favor, procurem a delegacia para comentarem o que viram de fato. A gente busca justiça, não é vingança.

A família teve acesso à informação de que, no domingo (12), um dia após o acidente, Tharciso Aguiar teria sido visto bebendo num estabelecimento. “O que mais dói é saber que, no outro dia, esse assassino estava na inauguração de um motoclube em Uruçuca, a inauguração do Rota 262. Enquanto enterrávamos a nossa menina, ele estava tomando cachaça em um motoclube. É um assassino frio, não merece estar em convívio com a sociedade”, relatou Gabriel, que se casou com Romênia quando Ranitla tinha 5 anos.

O padrasto de Ranitla disse que a delegada Katiana Amorim, coordenadora da 7ª Coordenadoria Regional de Polícia do Interior (Coorpin) e responsável pela investigação do caso, assegurou à família empenho na condução do inquérito, que tem prazo de 30 dias e, se necessário, poderá ser prorrogado pelo mesmo tempo.

Muda plantada em frente ao prédio onde Ranitla morou || Foto Pimenta

JARDIM RANITLA BONELLA

No ato, a família ganhou uma muda de acácia-amarela para plantar no canteiro da BA-001, em frente ao prédio onde Ranitla morou durante o curso de Odontologia recém-concluído.

Nesse momento, Romênia e Gabriel ajoelharam-se diante da planta, e Roberto se aproximou deles. As pessoas ao redor fizeram uma oração e cantaram Noites Traiçoeiras, do padre Marcelo Rossi. O refrão da música traz mensagem de alento. Ainda se vier noites traiçoeiras, se a cruz pesada for, Cristo estará contigo. O mundo pode até fazer você chorar, mas Deus te quer sorrindo.

O QUE DIZ THARCISO AGUIAR

O empresário Tharciso Aguiar, em nota pública, disse que dirigia em velocidade compatível com a da pista (cujo limite é de 60km/h) quando atropelou Ranitla Bonella. Ele também afirmou que, ao estacionar o carro, fez telefonemas para pedir socorro, mas saiu do local por sentir-se ameaçado pelas pessoas que se dirigiram a ele com ofensas. No texto, também se colocou à disposição da família da vítima e da autoridade policial. Na segunda-feira (13), ele prestou depoimento à Polícia Civil e foi liberado.

Deixe aqui seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.