Tempo de leitura: 6 minutos

O vice-prefeito Enderson dos Santos, Guinho, formalizou o seu rompimento político com o prefeito Augusto Castro (PSD), nesta segunda-feira (18), em carta aberta à população de Itabuna (íntegra abaixo do texto).

Ao longo de 23 parágrafos, Guinho recupera desde o início da sua vida pública, na Câmara de Vereadores, passando pela eleição de 2020, até os eventos que, segundo ele, motivaram a ruptura formalizada hoje.

Pré-candidato a deputado federal pelo União Brasil, Guinho reclama de ter sido isolado dentro do governo, o que o afastou das principais decisões da gestão. Segundo ele, essa realidade destoou do período de campanha, quando os então candidatos eram apresentados como  dupla afinada.

– Porém, logo após a eleição, as coisas ficaram diferentes. Rapidamente, percebi uma profunda mudança de Augusto Castro (então Prefeito eleito) com relação à minha pessoa. A distância e a redução de espaço me mostravam que o “Augusto e Guinho” da campanha ia ficando de lado – escreveu.

Num pot-pourri de críticas ao governo e ao prefeito, Enderson Guinho reclamou dos gastos da Prefeitura com aluguéis; afirmou que a folha do município foi inchada para favorecer as articulações da hoje extinta pré-candidatura de Andrea Castro, primeira-dama e secretária municipal; atribuiu ao prefeito ausência e indisponibilidade no cotidiano da gestão; e revelou episódio em que sentiu destratado, por Augusto, diante de familiares e amigos.

O contexto do episódio, conforme o vice-prefeito, foi o da segunda maior cheia já registrada do Rio Cachoeira, em dezembro de 2021. Morador do Cidadelle, Augusto Castro ficou ilhado em casa durante o Natal, quando as águas do Cachoeira ainda cobriam o condomínio.

Na carta, Guinho afirma que, obedecendo comando constitucional, representou o Governo na ausência do prefeito. Para ele, a sua atitude incomodou Augusto. “Mexeu com alguém que se preocupava mais com o próprio ego do que com a situação causada pela citada catástrofe. De maneira ridícula, o Prefeito Augusto Castro preferiu dirigir suas energias ao sentido de me destratar diante da comunidade e de parentes e amigos que se prontificaram, junto comigo, a levar auxílio aos desabrigados”, disparou.

Clique em leia mais para conferir a íntegra.

CARTA ABERTA À POPULAÇÃO ITABUNENSE

“Tudo tem o seu tempo determinado, e há tempo para todo o propósito debaixo do céu.”
Eclesiastes 3:1.

Caros Amigos e Amigas de Itabuna, hoje, após 19 meses fazendo parte do Poder Executivo, posso sentir a grande diferença existente entre os dois poderes que conheci.

Venho da Casa Legislativa Municipal, onde tive a oportunidade de defender, com muita garra e coragem, os direitos do nosso povo, assim como o desenvolvimento e avanço da nossa cidade. Com um mandato combativo e aprovado pelo povo itabunense, estive sempre à disposição dos mesmos. Como Vereador, estive presente, mantive posições centradas, apoiei boas ideias e fui de encontro ao que visualizava como inadequado. O meu trabalho e minha luta na Câmara de Vereadores me fazia sentir vivo.

Seguindo minha missão, vocação a vida pública e minha intenção de fazer Itabuna crescer, candidatei-me a concorrer ao cargo de Prefeito, porém, após conjuntura partidária, acabei por compor chapa ao lado de Augusto Castro, na condição de Vice-Prefeito. Onde o meu objetivo sempre foi mudar o cenário político de Itabuna, tendo um gestor que nunca havia passado pela cadeira de prefeito.

Lembro do slogan de campanha que nos definia como “a mudança que o povo quer” – frase que trazia a expectativa e o sentimento real de mudança para a maioria das pessoas que nos confiaram mais de 40 mil votos. Minha felicidade era extrema pela vitória alcançada e, claro, pela possibilidade de poder realizar tudo aquilo que prometemos. Afinal, fazer o bem para Itabuna sempre foi um sonho para mim.

Porém, logo após a eleição as coisas ficaram diferentes. Rapidamente percebi uma profunda mudança de Augusto Castro (então Prefeito eleito) com relação à minha pessoa. A distância e a redução de espaço me mostravam que o “Augusto e Guinho” da campanha ia ficando de lado.

Desde o início da gestão, não era mais convidado para reuniões, não era mais chamado para pontuações, opiniões e tudo isso passou a me deixar frustrado, pois sempre tive boas ideias (bastante úteis na Campanha) e elas sequer, eram mais consultadas. Pior ainda, como Augusto normalmente está ausente ou indisponível, passei, desde o início, a ser o “ouvido” para críticas e reclamações de decisões que sequer passaram por mim.

Mesmo com pouco tempo de vida pública, a população já conhecia a minha maneira de trabalhar, sendo contra a tudo o que era errado e lutando pelo bem do nosso povo. Sempre fui totalmente contra o desmembramento da Prefeitura, com elevados aluguéis, onde questionei diversas vezes quando era vereador, e infelizmente as coisas não mudaram, tivemos um aumento, gerando o incrível gasto por volta de R$ 1 milhão anual. O argumento seria a reforma da estrutura da Prefeitura, o que jamais foi iniciada.

Outra situação descabida foi o inchaço da Folha com diversos contratos de profissionais de fora da cidade. Absurdo promovido com a intenção de fortalecer laços políticos que pudessem viabilizar a candidatura da esposa para Deputada Estadual.

Eu queria me mexer. Agir pela minha cidade e pelo meu povo, mas me sentia podado das minhas condições de participação, calado da minha voz dentro da Prefeitura. Cobrei diversas vezes o prefeito sobre ações que melhorariam a vida do nosso povo nas diversas áreas, como saúde, educação, infraestrutura, saneamento básico e transporte. Também lutei pela minha real participação nas decisões do governo, mas não fui atendido nem mesmo por alguns secretários que, estranhamente, parecem ter “super poderes” e eterna proteção do chefe do Executivo.

Mesmo não sendo a minha verdadeira intenção, já que queria ser útil em diversas esferas, deixei-me convencer, pelo Prefeito, a assumir a Secretaria de Esportes. Rebati no primeiro momento, por temer gerir uma pasta sem orçamento e acabar sendo avaliado negativamente (por não conseguir grandes feitos), mas minha vontade de contribuir para a minha cidade era tamanha que aceitei – até para provar que atitudes podem ajudar quando não há grande disponibilidade de recursos. E, mesmo com extremas dificuldades, realizei muitas coisas graças ao comprometimento e competência de uma equipe maravilhosa e ao apoio vindo de empresários regionais. A eles, toda a minha gratidão e respeito.

A ausência do prefeito no município, viajando em busca de apoios pra a candidatura da primeira-dama, aumentaram as fortes cobranças da população, e estas cobranças chegavam (e chegam) diretamente a mim, óbvio, pelo resultado da campanha eleitoral que deixava claro ao povo que governaríamos juntos esta cidade, o que nunca aconteceu.

E foram nos piores momentos da minha vida que pude perceber que nunca fui considerado como membro do governo. A chegada da enchente deixou centenas de itabunenses com suas casas inundadas, inclusive a minha. Mesmo assim, dediquei-me inteiramente, em tempo integral, para que o governo municipal estivesse presente ao lado do nosso povo em meio àquela tragédia, já que nos primeiros dias, o Prefeito se encontrava ilhado.

Porém, a minha atitude de representá-lo, no momento de sua ausência, como a própria constituição determina, mexeu com alguém que se preocupava mais com o próprio ego do que com a situação causada pela citada catástrofe. De maneira ridícula, o Prefeito Augusto Castro preferiu dirigir suas energias ao sentido de me destratar diante da comunidade e de parentes e amigos que se prontificaram junto comigo a levar auxílio aos desabrigados.

Escutar palavras que feriram a minha alma ao mesmo tempo que me fizeram perceber, de verdade, quem é o Sr. Augusto Castro. Pensei em romper totalmente naquele momento, mas, temendo que este fato político atrapalhasse ainda mais o andamento da ajuda aos atingidos pela enchente, decidi que o melhor a se fazer seria esfriar a cabeça e me manter firme no propósito de ajudar a população atingida.

Assim, após o período de maior caos, conversamos francamente e ele se comprometeu em mudar, colocando-me inclusive em condições de participar mais das discussões e sendo inserido nas decisões do governo. No entanto, isso não aconteceu. Passado sete meses da enchente, além de o Prefeito mais uma vez não cumprir com sua palavra, é visível que as prioridades dele continuam sendo distantes do que o povo espera. Com grande reprovação por parte da maioria daqueles que sentiram na pele, os efeitos da maior enchente já vista em nossa cidade.

Sendo aliado político do Governador, o prefeito prometeu junto ao estado, a construção de 1.100 casas que seriam construídas em 2022, mas até o momento nem terreno nós temos ainda. Onde questionamos, onde estão as reais ações por parte do estado, para diminuir a dor do povo? Isso sem falar que comparado ao município de Ilhéus, Itabuna foi praticamente desassistida pelo Governador.

Recentemente pudemos observar um verdadeiro engajamento da Prefeitura em construir a festa do São Pedro, com a missão de ser o maior da Bahia, e talvez tenham conseguido, o que eu gostaria muito de assistir, daqui pra frente, é o mesmo comprometimento, celeridade e engajamento por parte do Prefeito, nas demais questões do município, sobretudo no suporte às famílias ainda sem suas casas, móveis e sem as adequadas condições de vida.

Também desejo uma atenção especial na Educação, onde ainda temos escolas fechadas; na Saúde, onde ainda temos Postos de Saúde em condições ruins; nos Transportes, já que os veículos entregues não possuem a qualidade prometida; dentre outras áreas esquecidas ou pouco priorizadas desde o início de 2021.

É por tudo isso que, neste momento, afirmo a todos que não posso mais ir na contramão de tudo que vejo como certo para Itabuna e para as pessoas que nelas vivem. Não posso permitir, que as pessoas sigam decepcionadas comigo, achando que faço parte ativamente deste governo municipal.

É por tudo isso que, neste momento também afirmo que há um rompimento sim, mas este rompimento não é meu. É um rompimento do Prefeito para com o nosso Plano de Governo, um rompimento comigo e com as promessas de campanha. Um rompimento com as reais necessidades do Povo de Itabuna.

O que me resta é ganhar forças pelo povo que me elegeu como Vice-Prefeito eleito. Seguir honrando cada pessoa que acredita em meu trabalho, porém, com um novo dever: o de denunciar, cada vez mais, cada sinal de irregularidade, irresponsabilidade, incoerência de prioridade ou falta de transparência que venha a acontecer nesta gestão.

Sou Vice-prefeito pelo povo e pelo povo serei o maior dos vigilantes.

Peço a Deus que abençoe a nossa cidade e o nosso povo. Peço também que me dê forças nessa nova caminhada e que oriente o Prefeito para que ele consiga fazer o melhor, cumprindo tudo o que prometeu em nosso exemplar Plano de Governo, sendo de verdade, junto comigo, A MUDANÇA QUE O POVO QUER!

ENDERSON BRUNO DOS SANTOS (GUINHO)

VICE-PREFEITO

Deixe aqui seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.