Presidente Raymundo Filho atribui resultado à austeridade da gestão da Emasa
Tempo de leitura: < 1 minuto

O Tribunal de Contas dos Municípios da Bahia (TCM-BA) aprovou as contas de 2021 da Empresa Municipal de Águas e Saneamento de Itabuna (Emasa). O julgamento coube à 2ª Câmara da Corte, que deu votação unânime a favor da prestação. Para o conselheiro Fernando Vita, relator do processo, a prestação de contas da Emassa correspondeu às demandas de informações e documentos feitas pelo Tribunal.

Já o advogado Jeffiton Ramos, que representou a Emasa no julgamento, afirmou que o investimento de R$ 17 milhões na primeira etapa do projeto Mais Água para a Cidade, com recursos próprios, é prova de que a gestão da empresa pública é austera e focada na resolução de problemas estruturais dos serviços de abastecimento de água e tratamento de esgoto.

O presidente da Emasa, Raymundo Mendes Filho, endossou a avaliação de Jeffiton. “Desde que assumimos a direção da Emasa, adotamos a austeridade como linha de trabalho. O que proporcionou honrar compromissos junto aos colaboradores e fornecedores e dar condições para investimentos”, disse o gestor, nesta quarta-feira (21), ao comentar a decisão do TCM.

Deixe aqui seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.