Erí em ação em evento na Ceplac || Foto Águido Ferreira
Tempo de leitura: 4 minutos

O brilhantismo do desempenho profissional de Erí junto às pessoas o credenciou a chefiar a área de relações públicas, planejando e organizando eventos sobre a cadeia produtiva do cacau.

Walmir Rosário

Costumo dizer – constantemente – que as instituições somente sobreviverão se forem maiores do que os homens que a servem – ou dela se servem –, do contrário estão fadadas ao descrédito e ao fechamento. Por outro lado, tenho plena consciência da importância dos homens no desempenho das instituições, desde atuem como motores ao impulsionar as ações. Ou seja, as instituições são as próprias pessoas.

Parece muito confuso e por demais burocrático esse pensamento, mas se torna simples desde que partamos do princípio de que a instituição deve transcender aos indivíduos pela função social que exerce na sociedade. Como dizia Platão, a virtude de um objeto está no seu bom desempenho, portanto, os homens que fazem parte da instituição devem trabalhar pela razão direta da instituição, sua missão e objetivos.

Uma das instituições a que tenho dedicado muita tinta e espaço é a Ceplac, que, como tudo na vida, tem o seu tempo de utilidade, principalmente as governamentais, sujeitas à ideologia e à boa vontade dos governantes da época. Apesar das dificuldades inerentes à administração, dirigentes e funcionários de carreira podem – e até devem – fazer a diferença, como se criassem um ilha às avessas.

Na Ceplac chega a ser difícil nominar esses funcionários abnegados, que se destacam pela dedicação no ambiente de trabalho, mesmo com todas as dificuldades inerentes ao desempenho das atividades. E esse comportamento é próprio da índole de cada um. Existem os que se fingem de “mortos”, ignorando tudo que se passa ao redor; já outros conseguem superar todas as dificuldades para oferecer um trabalho de qualidade.

Como é impossível destacar essa legião de pessoas interessantes, tomo como representante o funcionário Erivaldo Souza (Erí), prestes a completar 44 anos de trabalho, com fôlego e disposição para outro tanto. Erí é um dos funcionários da linha de frente da Ceplac e exerce suas atividades na área de relações públicas na organização de feiras, eventos nacionais e internacionais, além do atendimento aos visitantes à sede na Bahia.

E não pode falhar no desempenho das suas atividades, já que representa a Ceplac, durante anos a maior instituição de pesquisa, extensão e ensino profissionalizante sobre cacau no mundo. E Erivaldo soube aproveitar todas as oportunidades, desde a primeira, quando, em 1978, foi classificado em primeiro lugar num concurso para office boy, exercendo o cargo com maestria.

Mas o cargo era muito pequeno para quem pretendia alçar voos mais altos e ganhar o mundo. Cinco anos se passaram e Erí, um exemplar servidor público, acreditou que era hora de se tornar um comissário de bordo da Varig, atendendo pessoas de todas as nacionalidades. Para tanto, estudou inglês com afinco e se sentia seguro do futuro projeto. Entretanto, seu pedido de demissão foi desconsiderado e uma nova oportunidade apresentada.

Do escritório de extensão de Ilhéus, foi transferido para a sede regional, que abrigava a direção da Bahia e Espírito Santo, e os profissionais que produziam – e ainda produzem – conhecimento científico. Seu conhecimento de inglês tomou novo impulso ao participar de um curso da língua de William Shakespeare, destinado às secretárias e aos pesquisadores. Por merecimento, tornou-se o melhor aluno do curso.

Se brilhava nas atividades profissionais e correlatas, a alma continuava pedindo novos rumos, de preferência num avião da Varig cruzando os continentes. Mais uma vez foi convencido pelos superiores de que seu lugar era na Ceplac. O diretor do Departamento de Extensão lhe fez nova proposta, para que escolhesse o local de sua preferência pelo tempo necessário. E Erí aceitou.

Só que agora não pleiteou uma capital, foi prestar serviço em Lajedão, uma pequena cidadezinha no extremo-sul da Bahia, na divisa com Minas Gerais, também na área de comunicação. Era o responsável pela operação de rádio, onde eram transmitidos os memorandos e outros documentos entre a direção da Ceplac e o pequeno escritório. Oito meses depois, sente a necessidade do aperfeiçoamento profissional e retorna à sede.

Imediatamente ingressa no curso de Letras (com ênfase em inglês) da antiga Fespi, hoje Uesc. Se a academia lhe dava os conhecimentos teóricos, sua nova atividade na Ceplac lhe deu, definitivamente, régua e compasso, com a oportunidade de trabalhar com pesquisadores da Indonésia, Tailândia, Sri Lanka, Índia, Japão, China, Camarões e Nigéria, que estudavam a doença “mal das folhas” da seringueira.

Irrequieto, como sempre, chega a hora de Erí conhecer parte do mundo e Erivaldo requer uma licença e vai conhecer a Suíça, Inglaterra, Itália, França e Israel, adquirindo experiência com a população do velho continente e do oriente médio. Em seguida, retorna ao Brasil, com bem mais conhecimento do idioma inglês, francês e até o hebraico, e passa a receber os visitantes nacionais e internacionais.

O brilhantismo do desempenho profissional de Erí junto às pessoas o credenciou a chefiar a área de relações públicas, planejando e organizando eventos sobre a cadeia produtiva do cacau, no âmbito nacional e internacional. Essa é parte da trajetória de um homem, um profissional, que não pensa em aposentadoria e soube pavimentar o seu caminho com dedicação, inteligência e elegância no trato com as pessoas.

Um gentleman!

Walmir Rosário é jornalista, radialista e advogado.

Deixe aqui seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.