Jurimar, Walter Maron, Walmir Rosário e o professor Dourado, na posse de Lopes no Sinjorba
Tempo de leitura: 3 minutos

Assim que me viu, abriu um largo sorriso e disse que nunca esperou assumir o cargo de prefeito de Itabuna, até por não ser afeito às questões políticas.

Walmir Rosário 

Nos anos 1986/87/88 eu trabalhava na Divisão de Comunicação da Ceplac, a conceituada Dicom, que passava por uma das suas muitas crises, com o orçamento sempre contingenciado, apesar do descobrimento da vassoura de bruxa no Sul da Bahia. Sem recursos, reduziu o horário de expediente para meio turno, o que facilitou nosso segundo emprego em assessorias e veículos de comunicação de Itabuna.

Eu dividia meu trabalho entre a Ceplac e a Assessoria de Comunicação da Prefeitura de Itabuna, quando fui procurado por um amigo e colega ceplaqueano, o engenheiro agrônomo Jurimar Rebouças Dantas, para uma conversa. É que ele tinha sido convidado, pela segunda vez, para assumir a Secretaria Municipal da Agricultura e queria informações para decidir se aceitaria o cargo.

Nossa conversa foi bem positiva e disse que o cargo seria talhado para ele e, se não se acostumasse com o comportamento político, voltaria à função de extensionista, sem qualquer prejuízo. Analisou tudo com serenidade e me respondeu com sinceridade: “É, já fui convidado para o cargo pela segunda vez e, caso não aceite, daqui pra frente não serei convidado nem para participar de enterros”.

Tomou posse e se tornou secretário da Agricultura. Rígido no trabalho, todos os dias conversávamos sobre a melhor maneira de agir, fazendo com que tivesse jogo de cintura. Com isso, ganhou notoriedade como bom executivo e, em seguida, ganha nova oportunidade com a saída do secretário da Administração, Cláudio Macedo, assumindo interinamente esta secretaria. E foi ficando na interinidade enquanto o prefeito Ubaldo Dantas conversava com os grupos políticos sobre um profissional competente para assumir a administração da prefeitura.

Nisso, Ubaldo Dantas viaja para a Alemanha a convite de um organismo internacional, para participar de um evento com prefeitos de vários estados do Brasil. A Câmara concede a licença para a viagem e o vice-prefeito Jairo Muniz assume, mais uma vez, o cargo de prefeito. Aproveitando a viagem à Europa, Ubaldo resolve visitar outros países vizinhos, a exemplo da França, onde permaneceu mais dias.

Retorna a Itabuna e recebe um novo convite de evento internacional. Desta vez, no Uruguai, para debater sobre o uso da água, esgoto, saneamento básico e resíduos sólidos. De pronto aceitou, formalizou a licença para a viagem e aí acontece o inesperado. Seu vice-prefeito não poderia assumir, pois era candidato declarado a prefeito de Itabuna, criando um sério imbróglio.

Não teria problema, bastava transmitir o cargo ao presidente da Câmara, o professor Everaldo Cardoso. Quem disse? Ele era candidato à reeleição e se desculpou, dizendo que não estaria bem de saúde. Seguindo a Lei Orgânica de Itabuna, bastaria convocar o vice-presidente da Câmara Municipal. Nova encrenca. O vereador Filemon Brandão, também candidato, apresentou um atestado de saúde e se eximiu de assumir a Prefeitura.

Foi um Deus nos acuda e o primeiro escalão passou a analisar leis antigas e precedentes. Dona Naomi Mangabeira e outros funcionários já tinham assumido a Prefeitura quando não existia a figura de vice-prefeito. Então, ventilou-se dar o cargo a José Conrado, já de certa idade, desistiram; o secretário mais velho, Laércio Pinho Lima, do Planejamento, se encontrava em viagem.

Após tantas idas e vindas, o secretariado chega a consenso e resolve indicar o secretário da Administração para assumir o cargo de prefeito interino. Um simples telefonema traz Jurimar Rebouças Dantas de volta de casa para a Prefeitura. Ainda assustado com tudo que lhe passaram, assina o livro de posse, acertam os primeiros passos e retorna para casa. Nisso, continuamos a comemoração.

Às 7 da manhã, quando cheguei à Prefeitura para pegar uns documentos, Garrinchinha, o ascensorista, me informa: “Dr. Jurimar, o novo prefeito, já está lá no gabinete”. Chego ao quinto andar, pego os documentos em minha sala, caminho mais uns 20 metros e abro a porta do gabinete do prefeito. Lá estava Jurimar, atentamente conferindo documentos que precisavam assinaturas.

Assim que me viu, abriu um largo sorriso e disse que nunca esperou assumir o cargo de prefeito de Itabuna, até por não ser afeito às questões políticas. Lembrei-lhe quando conversamos sobre a possibilidade de ele aceitar o cargo de secretário da Agricultura e sua rápida ascensão, responsável por duas secretarias e agora, ainda por cima, prefeito interino. Para não perder a embocadura, falou:

“Quando o cavalo passa selado, temos que montar, do contrário, nunca mais”.

Walmir Rosário é radialista, jornalista e advogado.

Deixe aqui seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.