Mega-Sena da Virada tem cinco ganhadores
Tempo de leitura: < 1 minuto

O prêmio de mais de meio bilhão de reais da Mega-Sena da Virada será dividido por cinco ganhadores. Os sortudos são apostadores de Florestal (MG), Arroio do Sal (RS), Santos e São José da Bela Vista (SP), além de uma aposta feita pela internet. Eles faturaram exatos R$ 541.969.966,29, o maior prêmio da história das loterias da Caixa.

Cada aposta embolsará 108.393.993,26. As dezenas sorteadas há pouco foram: 04, 05, 10, 34, 58 e 59. Desde sua 1ª edição, em 2009, a Mega da Virada, com o sorteio de hoje, já premiou 116 apostas que tentaram a sorte e acertaram as seis dezenas milionárias.

Na edição deste sábado (31), houve novidade. O número de dezenas escolhidas subiu de, no máximo, 15 para até 20. Com isso, na 14ª edição do concurso mais esperado do ano, os apostadores tiveram mais opções para fazer suas combinações numéricas e torcer para acertar as seis dezenas sorteadas. O valor de uma aposta simples da Mega-Sena, com seis números, é de R$ 4,50.

Fábio Lago interpreta o Coronel Tibúrcio em "O cangaceiro do futuro" || Foto Divulgação
Tempo de leitura: < 1 minuto

O ator ilheense Fábio Lago interpreta o antagonista Coronel Tibúrcio na série O cangaceiro do futuro, que estreou nesta semana na Netflix. A história se passa no sertão nordestino e conta a saga do motoboy Virguley (Edmilson Filho), que viaja no tempo após bater a cabeça e volta ao ano de 1927.

No humorístico, Virguley é confundido com o Capitão Virgulino, Lampião. Ele resolve se passar pelo Rei do Cangaço e é acolhido pela jovem Mariá (Chandelly Braz), filha de um cangaceiro morto pela volante, como era chamada a guarnição militar que perseguia os cangaceiros. Tudo vai bem até o Coronel desconfiar da farsa.

O elenco da série conta ainda com Evaldo Macarrão (Frei Menino), Valéria Vitoriano (Zulmira), Dudu Azevedo (Rufino), Haroldo Guimarães (Loquedau) e outros atores e atrizes que despontaram na cena nacional após os filmes Cine Holliúdy 1 e 2. Todos os sete capítulos da primeira temporada já estão disponíveis na plataforma de streaming.

BA-654 terá novo trecho asfaltado || Foto PMI
Tempo de leitura: < 1 minuto

O Governo da Bahia publicou no Diário Oficial do Estado o resultado do processo licitatório do asfaltamento do trecho da BA-654 que liga Taboquinhas a Vila Maria, na zona rural de Itacaré. De acordo com a Prefeitura, serão 5,30 quilômetros de pista nova. O serviço será tocado pela Comtech Engenharia Ltda e foi orçado em R$ 8.555.238,70.

Além dos moradores de Taboquinhas e da Vila Maria, a obra beneficiará a população de Vila Esperança, Água Fria e Rua de Palha, além do turismo. “É uma espera de décadas da população. Ver a felicidade no rosto do povo é a coisa mais gratificante para mim. Agradeço a todas as lideranças políticas que uniram forças para essa conquista e ao Governo do Estado, por todos os investimentos voltados ao desenvolvimento da nossa região e pela parceria em várias frentes de trabalho dentro do nosso município”, declarou o prefeito Antônio Damasceno, Tonho de Anízio (PT).

Responsável pela indicação da obra, o deputado estadual Rosemberg Pinto (PT), líder do Governo na Assembleia Legislativa, também celebrou. “Essa é mais uma conquista do povo itacareense”, disse.

Bento 16 faleceu neste sábado (31)
Tempo de leitura: < 1 minuto

O papa emérito Bento 16 faleceu neste sábado (31), aos 95 anos, em seus aposentos no Vaticano. A informação foi confirmada pelo estado católico, mas a causa da morte ainda não é conhecida.

A saúde do santo padre já estava combalida há tempos e foi uma das razões de sua saída do comando da Igreja Católica, em 11 de fevereiro de 2013. Ele foi o primeiro papa a renunciar em quase 600 anos, desde Gregório 12, que deixou o papado em 1415.

Nascido Joseph Aloisius Ratzinger, em Marktl, na região alemã da Baviera, o cardial era bispo de Roma, em 2005, quando foi escolhido para suceder o papa João Paulo 2º na liderança da Igreja.

Após deixar o cargo, Bento 16 recolheu-se em um mosteiro do Vaticano, de onde saiu poucas vezes para cerimônias públicas, como a Missa de Canonização de seu antecessor, em abril de 2014.

Réveillon na Praia da Costa, em Canavieiras || Foto Walmir Rosário/Arquivo
Tempo de leitura: 4 minutos

Cá pra nós, não sei qual o defeito de minhas vestes, que além de não atrair o vil metal aos meus bolsos, ainda me deixam desprovidos dos valorosos reais, haja vista os altos preços cobrados nessas festas.

Walmir Rosário

Todo fim de ano me embaraço com o dilema da escolha da roupa que vestirei no Réveillon, seja num evento externo, que merece uma apresentação de razoável para cima, ou em casa, quando não chega a tanto, mas nem por isso tampouco. Pra começo de conversa, não sou daqueles que sabe a combinação ideal das peças de roupas, como os desenhos verticais e horizontais, as cores dissonantes, e por aí afora.

É sempre assim! Por mais que tente, não consigo me conscientizar suficientemente sobre a harmonia de cores e tons, muito menos as mais apropriadas para cada ocasião. É uma lástima! Mas nem me incomodo, embora não possa dizer o mesmo em relação ao que pensa a minha mulher, sempre a dar pitacos sobre o caimento e as disparidades. Não adianta, não consigo fazer essas aulas entrarem em minha cabeça.

Se hoje incorro, constantemente, nos mesmos erros, com um guarda-roupas pra lá de sóbrio, imaginem no século passado, a partir das décadas de 1960/70 e mais um pouco, com as roupas extravagantes que ditavam a moda. Ainda lembro das camisas estampadas, nas quais as cores fortes formavam desenhos de caracóis e outras figuras fractais, bastantes chamativas.

As calças bocas de sino do mais legítimo brim americano índigo, das marcas Levi’s, Lee, ou as nacionais, mais modestas, a exemplo da far-west da Alpargatas, Topeka ou Calhambeque. Sempre mudávamos o visual usando as calças coloridas, imitando os grandes artistas do Rock internacional ou da Jovem Guarda brasileira. Uma noitada ou uma domingueira nos clubes mereciam trajes escolhidos com esmero.

Com o tempo, os ditadores internacionais da moda entraram num clima de relax e nos fizeram mudar o guarda-roupa, com tons mais amenos, no máximo, tons sobre tons, o que perdura até hoje, guardadas as devidas proporções. Mas então volto a me complicar com as vestimentas para o dia e para a noite, os eventos sóbrios e os alegres, os complementos como os blêizeres.

Confesso que acho muito complicado se apresentar nesses eventos do dia a dia, quanto mais nos temáticos. E o pior de tudo é ser visto por um colunista social desafeto de redação ou de outros imbróglios corriqueiros. No dia seguinte estará estampada na página assinada pelo dito cujo, com as comparações maldosas sobre o meu modo brega de me vestir numa apresentação da sociedade. Ninguém merece!

Juro, pelo que há de mais sagrado neste mundo e além, que essa preocupação não é coisa de minha cabeça, pois garanto que existe há décadas e foi até cantada nos anos 50 do século passado em diante. Ainda lembro do grande cantor Miltinho, que interpretava sambas e boleros, muitos dos quais de Noel Rosa, entre eles, Com que roupa, de sucesso garantido em todo o Brasil.

Na voz estridente, porém afinada e modulada, Miltinho cantava e encantava. “…Pois esta vida não está sopa/ E eu pergunto: Com que roupa?/ Com que roupa que eu vou/ Pro samba que você me convidou?/ Com que roupa que eu vou/ Pro samba que você me convidou?”. E olhe que o excelente compositor Noel Rosa se vestia nos trinques: terno e gravata borboleta, isso para frequentar os cafés e cabarés cariocas.

Como se não bastasse, em 1967, o cantor e compositor Wilson Simonal, no seu álbum Alegria, Alegria, trouxe a canção Vesti azul, garantindo que se deu bem ao aceitar o conselho de um broto para que vestisse azul: “Dizendo que eu devia vestir azul/ Que azul é cor do céu e seu olhar também/ Então o seu pedido me incentivou/. Vesti Azul!/ (Popopopó!)/ Minha sorte então mudou/ (Popopopopó!).

Do meu singelo conhecimento, não posso garantir o que disse Simonal, mas o certo é que azul é a cor mais utilizada no mundo, mas nem por isso é a cor predileta das festas de Réveillon. Pelo que tenho visto, se vestir de branco pode trazer a paz por um ano inteiro, já os trajes nas cores dourada e amarela é batata! Garante muito dinheiro no bolso, além de paz de espírito no ano seguinte.

Cá pra nós, não sei qual o defeito de minhas vestes, que além de não atrair o vil metal aos meus bolsos, ainda me deixam desprovidos dos valorosos reais, haja vista os altos preços cobrados nessas festas. Daí que já decidi ficar em casa na passagem de 2022 para 2023, num evento bastante módico, com comes e bebes relativos ao meu baixo poder aquisitivo, mas com promessas de melhoras no ano vindouro.

Se tento economizar nas comidas e bebidas, minha mulher já decretou: “Com roupa usada, nem pensar!” e receitou minha passada numa boa loja para organizar meus trajes, dignos de um promissor Réveillon. Na lista, camisa, bermuda, meias e tênis novos, nas cores amarela, branca e azul, respectivamente. Pelo que li num site de modos e etiqueta de comportamento, não basta simplesmente seguir os manuais, mas, sobretudo, ter fé, confiança, pensar positivo.

No ano que vem informo se funcionou.

Walmir Rosário é radialista, jornalista e advogado.