Marreco (à esquerda) presta homenagem ao velho amigo Edimar Margotto
Tempo de leitura: 2 minutos

 

Participamos juntos de grandes momentos, principalmente na Igreja Católica, onde fazíamos parte de um grupo de catequese que ministrava cursos para o matrimônio.

 

Adolfo José Gomes (Marreco)

Ontem (17), foi um dia triste. A notícia do falecimento de Edimar me fez lembrar e refletir como a vida é curta.

Parece que foi ontem. Final de 1972 (50 anos) chegava em um OPALA aquele rapaz jovem, magrelo, narigudo, que vinha para substituir na sociedade o nosso Saudoso Epitácio.

Edmar era um sujeito educado, comedido e até meio tímido. Confesso que tinha mais identificação com o Ervino, mas reconhecia em Edimar um sujeito muito competente e extremamente focado no trabalho.

Tivemos um convívio diário (04 anos) como patrão e empregado. Foram momentos inesquecíveis de muita confiança, respeito e compromisso. Aprendi muito com ele sobre disciplina.

Em 1976 deixei a Itadil para buscar novos horizontes, e Edimar sempre foi um grande incentivador. Passamos de Patrão e empregado para amigos.

Participamos juntos de grandes momentos, principalmente na Igreja Católica, onde fazíamos parte de um grupo de catequese que ministrava cursos para o matrimônio.

Lembro um dia que marcou com tristeza todos nós, o falecimento de sua primeira esposa, Terezinha, uma jovem com apenas 29 anos. Como sofreu o coitado.

Edimar se tornou um dos grandes empresários de Itabuna, mas sua maior contribuição com a comunidade foi o período longo que passou como PROVEDOR da Santa Casa de Misericórdia de Itabuna, colocando seu tempo, seu prestÍgio, sua competência a serviço da região cacaueira.

Casou com Dr. Mércia e formou uma bela família (Junior e Nana), meninos que vi crescerem e que darão continuidade ao belo LEGADO do pai.

A vida é assim, como na música TOCANDO EM FRENTE:

“Um dia a gente chega, no outro vai embora, cada um de nós compõe a própria história, e cada ser em si, carrega o dom de ser capaz e de ser feliz”

Vá em paz, Edimar. Você cumpriu com galhardia sua missão e merece viver feliz na ETERNIDADE.

Até um dia, companheiro.

Adolfo José Gomes “Marreco” é empresário.

Deixe aqui seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.