Chesf é acusada de cometer erros que causaram desastre no sudoeste e sul da Bahia || Foto PMJ
Tempo de leitura: < 1 minuto

O Ministério Público da Bahia criou, nesta sexta-feira (20), uma força-tarefa para investigar as causas e consequências das inundações ocorridas em Jequié, Ipiaú, Ubaitaba, Ubatã e outros município do sul e sudoeste do estado durante as chuvas ocorridas em dezembro de 2022. Os rios de Contas e Jequiezinho transbordaram e alagaram  centenas de imóveis em várias cidades,  causando prejuízos a inúmeros moradores e comerciantes.

A força-tarefa contará com a atuação de oito promotores de Justiça e tem o objetivo de apurar eventuais responsabilidades pelas inundações e a extensão dos danos causados à coletividade e às pessoas atingidas. As inundações deixaram centenas de desabrigados e desalojados em vários municípios.

Integram a força-tarefa os promotores de Justiça Fábio Nunes Guimarães, titular da Promotoria de Justiça Regional Especializada em Meio Ambiente de Jequié; Lissa Aguiar Andrade, Fernanda Lima Cunha e Rafaella Silva Carvalho, que atuam em Ipiaú; Juliana Rocha Sampaio, Lucas Ramos de Vasconcelos, Carlos Alberto Ramacciotti e Otávio de Castro Alla, de Jequié.

Com o temporal de dezembro, cidades como Jequié, Ipiaú, Itacaré e Ubaitaba sofreram mais ainda com as inundações por causa do aumento significativo da vazão da Usina da Pedra, da Companhia Hidrelétrica do São Francisco (Chesf). O Estado da Bahia ajuizou ação judicial pedindo que a companheira seja responsabilizada pelos estragos causados.

Deixe aqui seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.