Roteiros de turismo ativo une esportes à imersão na cultura regional || Fotos Elo Bike & Trips
Tempo de leitura: 4 minutos

Caía a tarde quando a silhueta de ciclistas apareceu, em contraluz, aproximando-se lentamente da Ponta do Mutá, em Barra Grande, no litoral sul da Bahia. Esgotados, desabaram na areia em frente ao famoso Camping Lagosta Azul, onde turistas aguardavam o pôr do sol. Era o verão de 2006, às vésperas da virada do ano, a Península de Maraú estava lotada. Os aventureiros tinham saído de Ilhéus e pedalado mais de 120 km em dois dias. Um deles foi derrubado por uma insolação e precisou de 48h para se recuperar. Mesmo para jovens saudáveis, foi um perrengue daqueles.

A viagem de bicicleta de Ilhéus à Península de Maraú é uma das rotas de passeio da Elo Bike & Trips. Criada em 2019, em Serra Grande, distrito de Uruçuca, a agência promove o cicloturismo no sul da Bahia. “Nosso olhar para o turismo não é local, é regional”, explica ao PIMENTA Juliano Borghi de Mendonça, 40, fundador da empresa. Ao contrário daquele grupo de amigos ilheenses que se aventurou sem planejamento, as viagens da Elo têm outra pegada, mais contemplativa e confortável, assegura o empresário. “Sem perrengue”.

Juliano Borghi: “vi uma história a ser contada”

A Rota Península de Maraú leva oito dias, considerando a chegada e saída para quem não mora no sul do estado e desembarca no Aeroporto Jorge Amado, em Ilhéus, por exemplo. A primeira parada é em Serra Grande e a dormida, em Itacaré. O segundo dia começa com a travessia de balsa na foz do Rio de Contas, seguida por visita guiada à Ecovila Piracanga, com direito a café da manhã. A jornada continua nas piscinas naturais do Cassange. “É uma viagem com calma, cada dia uma atividade”, diz o anfitrião da Elo. A última parada é em Barra Grande.

O ritmo das atividades não exige histórico de atleta, mas, a rota na Península de Maraú é um parque de diversões para quem gosta de esporte. “Tem bike, rafting, mergulho, caminhada, canoa havaiana. É uma viagem multiesportiva para pessoas que não são atletas. As pessoas olham para esse tipo de viagem e pensam que vão pedalar o tempo inteiro. Não, é o contrário. A gente pedala, no máximo, 30 km por dia”, conta Juliano.

ROTA DO CACAU

___

 Eu vi que tinha uma história muito interessante para ser contada, que é essa história do cacau e do chocolate, que pouca gente conhece no Brasil. Contar isso através de vivências ativas, pedalando, é perfeito.

___

A Elo também formatou a Rota do Cacau, de sete dias. “O roteiro começa em Ilhéus. A gente dorme uma noite, as pessoas conhecem a história de Jorge Amado, da cidade, e fazem uma visita guiada ao Centro Histórico”, detalha. A parada seguinte é em Serra Grande, com três dias de visita a fazendas de cacau do entorno, antes de seguir para Itacaré.

Turistas visitam fazenda de cacau no sul da Bahia

O grupo viaja com estrutura de apoio, hospedagem em hotéis e bicicletas fornecidas pela agência. É um mergulho na cultura que, durante um século e meio, foi o principal segmento econômico da formação social do sul da Bahia.

“Eu vi que tinha uma história muito interessante para ser contada, que é essa história do cacau e do chocolate, que pouca gente conhece no Brasil. Contar isso através de vivências ativas, pedalando, é muito incrível, diferente, é perfeito, na real”, resume Juliano, recordando a ideia que deu origem à Elo.

PONTE

Cassange é um dos paraísos na Rota Maraú, que vai de Ilhéus a Barra Grande

Nascido na cidade de São Paulo, Juliano Borghi de Mendonça mora em Serra Grande desde 2013. Formado em Geografia e mestre em Conservação da Biodiversidade e Desenvolvimento Sustentável, já percorreu diversos países da América Latina de bicicleta. Na Elo Bike & Trips, uniu a formação acadêmica e a paixão pelo ciclismo em um empreendimento integrado à vocação territorial do sul da Bahia, com seu reduto da Mata Atlântica, que abriga as riquezas, contradições e identidades da civilização cacaueira.

Com as viagens, a agência aciona uma rede de prestadores de serviço e fornecedores da região. Segundo Juliano, seu trabalho não almeja protagonismo nos destinos turísticos.

– A gente só está no papel de facilitador, de ponte, porque em cada fazenda, em cada projeto que a gente vai, tem os anfitriões locais. Estou há dez anos na Bahia, mas sou paulistano. Estou só fazendo a ponte, recebendo as pessoas, fazendo essa articulação. Mas, quando a gente chega nas fazendas, quem recebe são os trabalhadores, os proprietários. São eles que contam as histórias.

Turista observa paisagem em Serra Grande || Fotos Elo Bike & Trips

A Elo Bike & Trips ganhou mais duas anfitriãs, que organizarão viagens de experiência para pessoas que não pedalam. Um roteiro vai se concentrar em cultura e cacau e outro em imersões na natureza, com práticas de meditação e rodas de conversa com as erveiras, mulheres com saberes tradicionais sobre as diferentes formas de uso da flora regional.

“Vai ter visita à Ecovila de Piracanga, uma série de atividades para as pessoas se conectarem com elas mesmas e também conhecerem a verdadeira identidade do sul da Bahia”, antecipa Juliano. Mas essa é outra história.

Deixe aqui seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *