MPE INVESTIGARÁ ESCÂNDALO DA MERENDA EM ILHÉUS

Tempo de leitura: 2 minutos

O Ministério Público Estadual recebeu denúncia do Conselho de Alimentação Escolar (CAE) de Ilhéus e investigará a prefeitura pela compra de R$ 660 mil em alimentos para as escolas da rede municipal. Até agora, a grande maioria das unidades de ensino do município está sem merenda.
A prefeitura emitiu nota de esclarecimento e também um release em que atribui caráter político à denúncia e diz que todas as compras feitas em dezembro foram consumidas até o dia 6 de janeiro, “quando as últimas unidades escolares (sic) encerram o seu ano letivo, não existindo nenhum pagamento com recursos orçamentários do ano anterior”.
Por telefone, o Pimenta conversou há pouco com a presidente do Conselho de Alimentação Escolar, Jaciara Silva Santos. Ela se tornou conhecida pelo rigor no comando do conselho. São atribuídas ao seu desempenho como presidente do conselho as ameaças de morte que sofreu no ano passado.
Pimenta – A senhora viu o conteúdo da nota emitida pela prefeitura?
Jaciara Silva – Li. Não quero ficar batendo boca sobre esse assunto. O prefeito (Newton Lima) e o secretário (de educação, Sebastião Maciel) que se expliquem judicialmente.
Pimenta – O caso já está na Justiça?
Jaciara Silva – Na Justiça e no Ministério Público Estadual, para onde encaminhamos a denúncia. Eles acusam o conselho de estar fazendo política. O que há é um conselho que fiscaliza e que existe pra denunciar os desmandos do governo.
Pimenta – O secretário diz que o comprado em dezembro foi consumido até o dia 6 de janeiro…
Jaciara Silva – … Foram compras volumosas feitas entre os dias 26 e 31 de dezembro. Pouquíssimas escolas encerraram o ano em janeiro. Como iriam consumir os R$ 234 mil de merenda em poucos dias? O valor foi exorbitante.
Pimenta – E qual a situação das escolas, a merenda já chegou?
Jaciara Silva – A grande maioria das escolas continua sem (merenda).
Pimenta – O secretário diz que se houvesse irregularidade o conselho poderia ter denunciado em fevereiro, quando os auditores do MEC estiveram na cidade.
Jaciara Silva – Os auditores estiveram aqui para analisar as contas da merenda relativas a 2007. O parecer de 2008 ainda será votado, analisado, como poderíamos discutir sobre ele? O secretário (Sebastião Maciel) está muito equivocado.

Tempo de leitura: < 1 minuto
.

O presidente da Bahiapesca, Isaac Albagli, se revela um dos maiores entusiastas da lei que regulamenta as Zonas de Processamento de Exportação (ZPEs). O dirigente teve participação ativa no projeto de instalação de uma ZPE em Ilhéus nos idos de 1990. A ZPE não veio naquele momento, mas pode tornar-se realidade agora.
Por quase três anos, Albagli presidiu uma companhia municipal de administração de zona de exportação, a Cimaze. Uma rápida passadinha no site do Tribunal de Contas dos Municípios (TCM) revela que as suas contas no período em que comandou o negócio foram rejeitadas por duas vezes (1991 e 1992) e aprovada sem ressalvas em uma oportunidade (1990). Para conferir, clique aqui.

Tempo de leitura: < 1 minuto

Everton Brito Leal morreu hoje de madrugada após ser queimado por um homem ainda não identificado. O crime ocorreu no bairro São Caetano, na casa da vítima. O local, segundo testemunhas, era ponto de encontro de usuários de drogas.
O criminoso jogou gasolina no corpo de Everton e depois ateou fogo no corpo do suposto usuário de drogas que tinha 35 anos. A vítima morreu na madrugada desta quarta-feira, no Hospital de Base Luís Eduardo Magalhães. As informações são da TV Santa Cruz.

Tempo de leitura: < 1 minuto

O governo estadual adotou a transparência ao máximo na divulgação do contrato que possibilita a aquisição de 229 viaturas para a Polícia Civil. Item por item, o governo divulgou quanto será gasto na locação das viatuas, o nome da empresa, o valor do contrato e o aditivo de 25%.
O contrato firmado com a Realiza Transportes e Locação de Veículos Ltda terá duração de dois anos e representará custo de R$ 14.697.600,00 aos cofres estaduais.  Foi celebrado aditivo com percentual de 25% do valor inicial referente à licitação, feita na modalidade pregão eletrônico (nº 14/2008).
A transparência, no caso, é típica de gato escaldado. Há pouco mais de um mês, o ex-comandante da PM, Jorge Ribeiro Santana, foi preso quando recebia propina de R$ 26 mil. Santana é acusado de facilitar a vitória de uma empresa do grupo Júlio Simões para a locação de 201 viaturas para a polícia militar baiana.

Tempo de leitura: < 1 minuto

Nos bastidores da política ilheense, é dado como certo que o deputado federal Raymundo Veloso (PMDB) não será candidato à reeleição em 2010. Ele deve sair da disputa para apoiar o filho, Márcio Veloso, a deputado estadual. Márcio fará dobradinha com o pré-candidatíssimo a deputado federal Lúcio Vieira Lima, presidente estadual do PMDB.

Tempo de leitura: < 1 minuto

Um locutor viveu maus-bocados ontem à noite, em Ilhéus, simplesmente porque reclamou da demora de um coletivo.
Depois de ficar uma hora de molho no ponto de ônibus, o cidadão viu chegar o “buzu” que o levaria do centro ao bairro Nelson Costa. Além dele, havia muitas outras pessoas à espera do mesmo veículo, inclusive idosos.
Depois de esperar que os passageiros mais velhos embarcassem, o locutor entrou no ônibus e se dirigiu ao motorista, em termos educados, afirmando que a situação do transporte coletivo em Ilhéus está bastante deficiente.
Foi a conta. O “motô” ficou nervoso, reclamou de uma série de problemas que atormentam sua vida, filha hospitalizada, salário baixo e não sei o que mais, e que não estava ali para ouvir queixa de Seu Ninguém.
O passageiro contemporizou. Disse que a queixa não era dirigida ao motorista, mas ao sistema de transporte da cidade, mas nada do homem se acalmar. Pelo contrário, ele ficava cada vez mais nervoso e acabou foi chamando a polícia, que chegou com uma agilidade inusitada, constrangendo o queixoso. A ele restou apenas a solidariedade dos demais passageiros, igualmente indignados.

Tempo de leitura: < 1 minuto

O blog OAB NA BOA, produzido pelo delegado Alex Miranda, faz uma análise sobre a polêmica em torno da nomeação da advogada Juliana Burgos para a Procuradoria-Geral do Município de Itabuna.
Observa o blogueiro jurídico que a nomeação para o cargo de procurador, de acordo com o artigo 85 da Lei Orgânica do Município, constitui-se em ato administrativo composto. Ou seja, o prefeito nomeia, mas depende do aval do legislativo.
O blog considera “temerário” o entendimento de que o artigo 85 é inconstitucional.

Tempo de leitura: < 1 minuto

O governador da Bahia, Jaques Wagner, foi entrevistado hoje no programa Jornal da Manhã (Rede Bahia). Entre outros assuntos, ele falou sobre a situação do aeroporto Jorge Amado, de Ilhéus, que mesmo depois de remover obstáculos apontados pela Anac, não será mais liberado para operar com voos de grande porte.
Wagner foi claro. Quando perguntado sobre a situação do Jorge Amado, ele respondeu que o caso será resolvido com a construção de um novo aeroporto. O futuro terminal, como se sabe, ficará na rodovia Ilhéus – Itacaré, dentro do Complexo Porto Sul.
Segundo o governador, a verba já está “comprometida”. Somente na construção do aeroporto, ele informou que serão investidos R$ 200 milhões.

Tempo de leitura: < 1 minuto

A polícia anunciou há pouco mais de uma hora a liberação dos dois últimos reféns do assalto a uma agência bancária em Gandu, no sul da Bahia. O assalto ocorreu logo nas primeiras horas de hoje. A agência do Banco do Brasil fica na sede da prefeitura do município. Houve tiroteio na fuga dos assaltantes e um policial militar foi atingido de raspão na cabeça.
Na fuga, a quadrilha levou seis reféns. Quatro deles foram liberados no início da noite em Wenceslau Guimarães e os dois últimos, em Apuarema. A ação ousada começou na noite de ontem, quando os funcionários do Banco do Brasil no município foram rendidos numa “república” utlizada como dormitório. A polícia ainda continua a caçada aos bandidos. As informações são do Bahia Online.

Tempo de leitura: < 1 minuto

Este blogueiro conversou há pouco com uma odontóloga que atende em unidade básica de saúde de Itabuna, e ela confessou: não está comparecendo ao serviço, da mesma forma que outros colegas seus. Não se trata de preguiça nem descaso, mas simplesmente da falta de material de trabalho nos postos, o que torna impossível o atendimento aos pacientes.
A odontóloga garante que só não copiou a atitude indecente de assinar a folha de ponto de forma “pré-datada”, como fizeram aqueles médicos da unidade básica de saúde do bairro Califórnia.

Tempo de leitura: 2 minutos

ricardo4Ricardo Ribeiro
ricardoribeiro@pimentanamuqueca.com.br
Vira e mexe tem alguma faculdade privada realizando mutirão contra a dengue nos bairros de Itabuna, caminhada de conscientização pela Avenida do Cinquentenário e até ensinando as pessoas a capturar mosquito Aedes aegypti. Todas as ações são válidas e louváveis, mas, exatamente por se tratar de instituições particulares, esse trabalho acaba chamando atenção para a dormência da única escola superior pública existente na região.
 A ausente Uesc continua sendo predominantemente uma instituição intramuros, voltada para dentro e de costas para a comunidade onde está inserida. Tem mais olhos para a cintilante “torre platinada”, como gosta de chamar o Eduardo Anunciação, do que para o lado de fora. Nem mesmo o bairro do Salobrinho, ali ao lado, consegue sentir uma lufada do ar universitário.
 A Uesc é meio ilheense, meio itabunense, mas a verdade é que a universidade parece sem raízes nem apego ao solo onde está plantada. Onde estão os projetos de extensão? Onde está a preocupação de formar pessoas capazes de pensar um pouco mais na sociedade, no coletivo, em vez de somente ver o diploma como um instrumento caça-níqueis.
 O tom pode ser duro, mas é um desabafo diante da omissão e do silêncio ensurdecedor da platinada e adormecida Uesc, que possui, entre tantos cursos, dois na área de saúde. Mas, lamentavelmente, parece estar fincada em algum lugar encantado, onde não existe uma epidemia de dengue como esta que já matou doze itabunenses este ano.
 Dedicar-se à formação do conhecimento também significa estar afinado com a comunidade, atento aos seus problemas, colaborando na busca de soluções. Mas é triste que a nossa única instituição de ensino superior pública não pense dessa forma e tenha se tornado uma universidade hermética, insensível e que acaba por deixar de cumprir sua esperada e necessária função social.
 Especificamente com relação à epidemia de dengue que assola o sul da Bahia, e de maneira cruel e mais violenta Itabuna, é preciso saber qual a contribuição da Uesc para enfrentar a situação. Alguma campanha, qualquer tipo de mobilização? Nada. Por enquanto, quem compareceu à linha de frente foram mesmo as instituições privadas. A Uesc caiu picada pela mosca do sono, a tsé-tsé.
Ricardo Ribeiro é um dos blogueiros do Pimenta e ex-aluno da Uesc.

Tempo de leitura: 2 minutos

.Wenceslau fala de má-fé do Governo
Wenceslau fala em má-fé do Governo

O vereador Wenceslau Júnior (PCdoB) não tem dúvidas de que a indicação de Juliana Burgos para a procuradoria-geral do município só na Justiça, caso o Executivo consiga provar a inconstitucionalidade do artigo 85 da Lei Orgânica Municipal de Itabuna (Lomi). Esse artigo submete a aprovação do nome do procurador-geral do município à Câmara Municipal, o que agora é contestado pelo prefeito (veja nota). O vereador falou ao Pimenta sobre o assunto:
Pimenta – Como o senhor vê essa atitude do Executivo, de tentar aprovar o nome da advogada Juliana Burgos à revelia da Câmara?
Wenceslau – Primeiro eu vejo má-fé do prefeito nessa questão. No momento em que ele mandou ofício retirando o nome de Juliana Burgos, deu a entender que apresentaria outro. Agora aparecem as informações de que ele vai tentar o nome dela via justiça.
Pimenta – O senhor acredita que essa ação direta de inconstitucionalidade contra o artigo 85 da Lomi passa na justiça?
Wenceslau – Se passa, é difícil dizer. O que temos certeza é que o nome dela não passa na Câmara. Se for aprovado, só mesmo na justiça. E acredito até que essa insistência seja ruim para ela, como profissional.
Pimenta – O senhor viu desrespeito do Executivo ao Legislativo nesse caso?
Wenceslau – Houve, sim, uma afronta. E houve também má-fé. Precisamos construir uma relação de respeito entre os poderes, pelo bem do cidadão.

Tempo de leitura: < 1 minuto

Chegou a ser festejado por este blogueiro o retorno dos jornalistas Marco Wense e Eduardo Anunciação à internet, em um endereço no Blogger. Hoje, Wense entrou em contato para denunciar que a página apresentada como se fosse produzida pela dupla é uma farsa.
Alguém usou indevidamente os nomes dos dois articulistas políticos e criou o blog, que é atualizado religiosamente com os mesmos textos que Eduardo publica em sua coluna no Diário do Sul.
Talvez seja algum fã…

Tempo de leitura: < 1 minuto

Tem muita gente achando que a Prefeitura de Itabuna terá que reproduzir o milagre da multiplicação dos peixes para atender a todos que desejam manter a tradição da Semana Santa, mas estão com o bolso despreparado. Dezessete mil quilos, calcula-se, não dá nem para o tiragosto.
Segundo fonte do governo, a estratégia para dividir irmanamente o pescado foi elaborada na Secretaria de Desenvolvimento Social, que pediu ajuda aos presidentes de associações de moradores e outras lideranças das comunidades. Coube-lhes indicar os agraciados, dentro do critério de “comunidade vulnerável”.
A mesma fonte afirma que os vereadores da bancada governista podem até querer, mas não vão receber nenhum peixe para fazer a média com suas bases. Aliás, quem desejar fazê-lo terá que coçar o próprio bolso.
O vereador Gerson Nascimento (PV) já tinha afirmado que estava fora da peixada. Ruy Machado (PRP) comentou que dispensaria a corvina da viúva, pois seus eleitores merecem bacalhau norueguês…
Eles que esperem…

Tempo de leitura: < 1 minuto

Fechou o tempo em Itapé. A presidente da Câmara de Vereadores denunciou dois colegas por tentativa de chantagem e o caso ameaça terminar em comissão de inquérito para investigar o imbróglio. Como em quase toda confusão na política, esta envolve bufunfa.
Tiara Alves tem apenas 21 anos e preside o legislativo do pequeno município sulbaiano. No final de semana, ela denunciou os primeiros secretários Ericlisson Menezes, o Lico Menezes, e Sônia Monteiro. Eles teriam exigido um ca$calho mensal para assinar cheques e liberar os pagamentos dos credores da Câmara.
Água, luz, telefone, pequenas compras… quem forneceu à Câmara espera desde fevereiro pelo pagamento. Tiara atribui a culpa pelos atrasos aos maus-colegas. Ontem, o caso foi analisado durante sessão na Casa. Tiara diz que a ‘prensa’ começou porque decidiu apoiar o prefeito eleito em 29 de março, o Jackson Rezende, em detrimento da vereadora ‘Luza’ Miranda.
Luza é a prefeita em exercício de Itapé. E foi eleita presidente da Câmara, em 1º de janeiro. A condição a guindou ao cargo de prefeita temporária. As cenas dos próximos capítulos podem ser quentes. Tiara diz estar disposta a levar a denúncia às “últimas consequências”. Do outro lado, Lico e Soninha estão calados. Pelo menos, por enquanto.