Suspeito foi autuado em flagrante na 6ª Coorpin
Tempo de leitura: < 1 minuto

Um homem foi preso em flagrante, neste domingo (7), em Itabuna, acusado de tentativa de estupro contra a enteada de 14 anos. A mãe da adolescente denunciou o suposto crime, que teria ocorrido na casa da família, localizada na Rua Evaristo de Andrade, no Conceição.

A mãe da garota estranhou o comportamento do companheiro e acionou a Polícia Militar. A mulher também pediu ajuda a vizinhos, que detiveram o homem até a chegada dos policiais.

O suspeito foi levado para a sede da 6ª Coordenadoria Regional de Polícia do Interior (Coorpin), antes de ser transferido para o Conjunto Penal de Itabuna, onde deverá ser submetido a audiência de custódia.

Após as investigações, caso seja denunciado formalmente pelo Ministério Público do Estado da Bahia (MP-BA), ele poderá ser condenado a até 14 anos de prisão.

Orlando Cardoso, um exemplo sempre lembrado
Tempo de leitura: 4 minutos

 

Orlando legislou por dois mandatos de 6 anos e se tornou um vereador conceituado nos 12 anos em que passou no legislativo. Não barganhou votos, não negociou favores, mas se empenhou nas reivindicações da população.

 

Walmir Rosário

Se o sucesso do narrador esportivo Orlando Cardoso multiplicava a cada dia, assim que passou a criar e apresentar programas de músicas e variedades, então, crescia exponencialmente. E a cada vitória da magnífica Seleção de Itabuna no Campeonato Intermunicipal seu prestígio aumentava, em função do seu amor pela equipe e forma apaixonada de transmitir as partidas e apresentar os programas.

Orlando Cardoso não apenas narrava o caminho percorrido pela bola e os jogadores, ele sabia transmitir emoção ao ouvinte, sentimento que se tornava comoção com os gols marcados pelos craques que comandavam o ataque do selecionado itabunense. Nos programas de músicas e variedades não era diferente, pois sabia tocar o coração, o fundo da alma dos ouvintes, com palavras de conforto, carinho e alegria.

Comunicador de palavra fácil (não confundir com Luiz Mendes, o comentarista da palavra fácil), não precisava empolar o texto, engrossar a voz, forçar o grave. Bastava falar ao ouvinte como fazia em sua vida normal, manter sua identidade. E assim tocava uma música, contava uma piada, mandava um alô com bastante intimidade ao amigo. Com isso ganhou cadeira cativa nas residências, nas empresas, onde quer que estivesse o ouvinte.

E Orlando Cardoso passou a ser um membro das famílias, e não raro recebia convites para almoços, aniversários, festas em geral. E passou a visitar essas pessoas com mais frequência, como retribuição ao carinho que era tratado. Certa feita, ao visitar uma pequena comunidade na área rural, foi recebido por quase toda a população, que fazia questão de ver pessoalmente o amigo que chegava diariamente pelas ondas do rádio.

Sua popularidade era tamanha que era tratado nas ruas com os bordões que utilizava. Em vez do tradicional bom dia, era cumprimentado de forma carinhosa: “É gol itabunense, torcida grapiúna”, ou “O barbante estufou, o escore mudou”. Foi aconselhado a postular uma vaga na câmara municipal, pois teria mais condições de solucionar os problemas da comunidade, muito deles reivindicados pelo rádio.

E Orlando Cardoso aceitou o encargo, mas pautou sua campanha de forma diametralmente oposta aos outros candidatos, sem as costumeiras promessas de fazer e acontecer, como se fosse o guardião do cofre municipal. De maneira singela, dizia não prometer nada, a não ser o empenho político, pois como nunca tinha sido vereador, não sabia com precisão o que poderia realizar, cumprir as promessas.

Os parcos recursos da campanha se destinaram à confecção de santinhos, dentre outras pequenas despesas inerentes. O sucesso e a confiança obtida no rádio foi transmitida à campanha vitoriosa. Legislou por dois mandatos de 6 anos e se tornou um vereador conceituado nos 12 anos em que passou no legislativo. Não barganhou votos, não negociou favores, mas se empenhou nas reivindicações da população.

Enquanto exerceu os mandatos continuou narrando partidas de futebol, apresentando seu programa radiofônico com a mesma desenvoltura de antes, distinguindo e separando as obrigações assumidas com os ouvintes e eleitores. E fazia questão de revelar sua conduta antes de depois de eleito, com a mesma seriedade que sempre pautou sua vida. Continuou sendo o Orlando Cardoso alegre, festeiro, atencioso de sempre.

Certa feita o vereador Orlando Cardoso foi procurado por uma pessoa do bairro da Conceição, onde morava e mora, solicitando seus préstimos no legislativo para propor um projeto de lei de mudança de nome de rua. Coisa simples, um parente – também amigo de Orlando e com prestígio no bairro – teria morrido e poderia ser homenageado emprestando seu nome na rua em que morou por muitos anos.

Sem querer desagradar a pessoa, o vereador Orlando Cardoso agradeceu e disse que se sentia honrado pela sua escolha e com toda a sinceridade que Deus lhe deu, propôs uma simples condição. Como a rua já homenageava outra pessoa, ele sugeriu que a proponente elaborasse um abaixo-assinado subscrito por todos os moradores endossando a mudança do nome da rua, que ele apresentaria o projeto.

Dois dias depois foi procurado pela mesma pessoa, que agradeceu a atenção do vereador e pediu que não desse andamento à proposição, pois na primeira casa em que ela teria visitado era justamente a da família do atual homenageado. E mais, teria tratado a proponente com aspereza e prometeu ir às vias de fato caso houvesse a mudança no nome da daquela rua. E não se falou mais nisso.

Nas votações de projetos importantes a Câmara de Vereadores se transformava num fervedouro, com a movimentação de políticos dos mais variados partidos e bancadas, representantes do Executivo cabalando votos para a aprovação ou rejeição. Na maioria das vezes com vantagens eleitoreiras. Nessas ocasiões, o vereador Orlando Cardoso ouvia a todos com atenção e manifestava seu voto de acordo com a importância do projeto e sua consciência, sem qualquer alarde.

Ao deixar a política continuou exercendo seu trabalho diário na apresentação de seu programa, a gravação de publicidade e a divulgação por meio de carro de som, gozando do mesmo respeito de antes. Até hoje, sempre que no meio político ou na comunicação alguém tece comentários sobre o comportamento dos vereadores, seu nome é lembrado como um exemplo a ser seguido.

Walmir Rosário é radialista, jornalista, advogado e autor de Os grandes craques que vi jogar: Nos estádios e campos de Itabuna e Canavieiras, disponível na Amazon.

Tempo de leitura: < 1 minuto

Um acidente envolvendo uma motocicleta, no início da Avenida Firmino Alves, nas proximidades da praça Olinto Leone, na região central de Itabuna, resultou na morte de um homem, nesta quinta-feira (8). De acordo com testemunhas, o comerciário Rafael Ribeiro, morador do bairro Conceição, perdeu o controle do veículo, subiu no meio-fio e só parou no guarda-corpo (grade de proteção) do Rio Cachoeira, em frente ao edifício Atlanta Center.

Rafael Ribeiro chegou a ser socorrido por uma equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu 192) e levado para o Hospital de Base Luís Eduardo Magalhães, mas não resistiu aos ferimentos. Nas redes sociais, familiares e amigos lamentaram o falecimento rapaz, que deixa filhos pequenos. Ainda não foram divulgadas informações sobre o velório, local e horário de sepultamento.

Vazamento foi causado por obstrução da rede, segundo Emasa
Tempo de leitura: < 1 minuto

A Empresa Municipal de Águas e Saneamento (Emasa) desobstruiu, nesta quinta-feira (23), trecho da rede de esgotamento sanitário na Rua João Teles, no Bairro Conceição, em Itabuna. A rede estava assoreada, causando extravasamento dos resíduos e prejudicando moradores, comerciantes e transeuntes.

Segundo o coordenador de Manutenção de Redes de Esgoto da Emasa, Ailson Sousa, a rede é muito antiga e profunda, o que dificultou a execução dos serviços. “Nosso pessoal teve bastante trabalho para efetivar o reparo dessa rede e eliminar o extravasamento do esgoto. Fizemos a substituição da manilha cerâmica por tubo de 150 milímetros ocre, que tem maior durabilidade e resistência”, explicou.

Ailson ressaltou que as constantes chuvas e o uso incorreto da rede de esgotamento sanitário, com o descarte irregular de resíduos sólidos, contribuem para o entupimento e o extravasamento das redes de esgoto. Ele enfatizou que materiais como óleo de cozinha e sólidos (fraldas descartáveis, absorventes, papel higiênico, etc.) não devem ser jogados no vaso sanitário.

Funcionários da Emasa trabalham na Rua Bela Vista, no Conceição
Tempo de leitura: < 1 minuto

Nesta segunda-feira (16), a Empresa Municipal de Águas e Saneamento (Emasa) conseguiu eliminar vazamento não aparente na rede de distribuição de água da Rua Bela Vista, no Bairro Conceição, em Itabuna, sem prejudicar o abastecimento da população.

Segundo o gerente de Distribuição de Águas da Emasa, Moisés Ferreira, a rede tem 160 milímetros de diâmetro e é muito antiga. Por isso, foi preciso fazer uma adaptação na tubulação para resolver o problema.

“O Bairro Conceição tem uma das redes mais antigas da cidade, com um tipo de tubulação que o mercado não mais disponibiliza. Quando acontece o rompimento de uma dessas redes de distribuição, temos que usar a criatividade e até improvisar para solucionar o problema”, explicou o gerente. “Todo o bairro foi abastecido, dentro do cronograma preestabelecido por nossa gerência”, concluiu.

Tempo de leitura: 4 minutos

 

Era capaz de passar o dia inteiro pelos campos, jogando seguidos babas ou nas rodas de bobo. Nem via o tempo passar. Só saía mesmo quando tinha um mandado para fazer e ganhar um troco.

 

Walmir Rosário

Por volta de 1963 apareceu no bairro da Conceição, em Itabuna, um jovem, ainda adolescente, que começou chamar a atenção pela sua intimidade com a bola. Em poucos dias, já estava aclimatado com os desportistas e era um dos primeiros a ser escolhido para os babas em todos os campinhos que chegava. Não tinha medo de zagueiros e zombava das pancadas que eles davam com dribles desconcertantes, deixando-os caídos ao chão enquanto partia para cruzar a bola ou entrar na área e fazer o gol.

Garoto acanhado no meio social – talvez pela sua pequena condição social – se transformava num gigante quando o assunto era futebol. Seu nome: João Calça Frouxa, apelido que trouxe de sua terra natal, Buerarema, ou Macuco, como ainda chamávamos – por força de hábito – o recém-emancipado distrito de Itabuna. Passou a ser convidado para os babas e as partidas dos times mais importantes do bairro da Conceição.

Fora de campo, fazia bicos para comerciantes, fazendo a entrega de mercadorias e das compras na feira para as donas de casa. Se especializou em mandados. Quando não estava nos afazeres ou nos campos de pelada, era visto tomando banho no rio Cachoeira e pescando. Devidamente ambientado, não queria saber de outra vida, já que conseguia todas as regalias que sua vida de menino pobre em Buerarema não podia lhe oferecer.

Enquanto ganhava desenvoltura junto à população, principalmente às pessoas ligadas ao futebol, pouca intimidade tinha com as letras, pois nunca foi afeito a livros, cadernos e lápis. Gostava mesmo era de driblar os adversários, desmoralizá-los – no bom sentido. Nos dias em que estava inspirado, mandava fazer fila e saía costurando a torto e a direito, não poupando nem mesmo o goleiro adversário, aplicando meias-luas, banhos de cuias (chapéus), até jogar a bola no gol.

Desde Buerarema que não frequentava a escola. “Era ‘rude’ pra essas coisas da cabeça”, diziam frequentemente, enquanto o elogiavam na arte do futebol. Era capaz de passar o dia inteiro pelos campos, jogando seguidos babas ou nas rodas de bobo. Nem via o tempo passar. Só saía mesmo quando tinha um mandado para fazer e ganhar um troco. Seu traje, invariavelmente, era uma camisa de algodão cru e um calção de estopa ou mesclinha, que ia até o joelho.

No bairro da Conceição, João Calça Frouxa morava com uma irmã no alto da rua Bela Vista, até que despertou a curiosidade de um parceiro de “baba”, Carlos Guimarães, o Caroba, que descobriu a condição de analfabeto do amigo. Com muita paciência, Caroba pegava na mão de Calça Frouxa para ensiná-lo a escrever, após um trecho de leitura. Até que ele conseguiu “desenhar” o seu nome: João Cantídio dos Santos, até então desconhecido de todos.

Quem lembra bem de João Calça Frouxa nas peladas é Raul Vilas Boas, goleiro estiloso que gostava de imitar as “pontes” praticadas pelo goleiro do Flamengo, Marcial. “João Calça Frouxa era um ponta-direita habilidoso, que driblava bem, jogava em direção ao gol, jogava muito. Era considerado um novo Garrincha, pois driblava bem e ia pra cima, com velocidade. Dava um tapa na bola pela direita e quando o lateral virava ele já estava na cara do gol.

Quem o levou para a equipe do Botafogo juvenil do bairro da Conceição foi o técnico Zito Baú, que o considerava como um dos melhores ponteiros do Botafogo, em toda a sua história. A exemplo de outro ponta-direita, o consagrado Mané Garrincha, João Calça Frouxa pouca importância dava aos bens materiais. Afinal, se sentia o máximo ao fazer os adversários de “gato e sapato” e ainda tinha sua fonte de renda garantida para as farras com mandados que fazia no bairro.

No livro “A bela assustada”, o jornalista e escritor Antônio Lopes dedica uma crônica – O anjo com a calça frouxa – ao ilustre personagem. Lá pelas tantas, ele cita o entusiasmo do médico Vilfredo dos Santos Lessa ao ver as diabruras do jovem futebolista:

– Digam-me! Digam-me! De que planeta evadiu-se aquele menino endemoniado e com a calça frouxa? Foi o suficiente. O chiste do médico teve o poder de batizar Joãozinho, que por ser Joãozinho sem nome, passou a chamar-se Joãozinho Calça Frouxa. E nem precisou de certidão lavrada no cartório de Raymundo Santana Fontes, ou água benta de batismo em missa do Padre Granja, para essa escolha cair no gosto da população –.

Na mesma crônica, João Calça Frouxa – ainda menino – é chamado por Abel, zagueiro direito do lendário Bahia de Itajuípe, que não gostava de marcá-lo: “Era o Capeta”. E Antônio Lopes lamenta que o craque não teve a oportunidade de transportar sua arte de Buerarema para o Maracanã, dali até os grandes estádios (hoje, sei lá os motivos, chamados “arena”) do Japão, Inglaterra, Oropa, França e Bahia, de onde, para virar o jogador do século, era apenas um passo (ou um passe).

Não deu tempo! O delírio das torcidas com as firulas e o assanhamento de João Calça Frouxa nos campos de futebol teve vida curta. Enlouqueceu cedo. Lembro que, mesmo nessa condição, continuou a trabalhar nos mandados, conversando sozinho, xingando a mãe da garotada que mexia com ele. Certa feita, tomou uma queda e passou meses com um aparelho de aço espetado no braço, sem os devidos cuidados higiênicos. Uma lástima!

Uma das estórias contadas sobre os motivos que o deixaram abilolado (como chamavam à época) era a de um amor não correspondido por uma bonita moça normalista, filha de um pequeno cacauicultor, que preferiu continuar os estudos a se dedicar ao namoro. Teria sido a gota d’água na cabeça do ponta-direita do Botafogo de Rodrigo Antônio Figueiredo, que nunca mais driblou seus adversários e, ainda por cima, tomou um elástico no amor.

Anos depois, esquecido por estar sumido da torcida e amigos, morre num asilo João Cantídio dos Santos. João Calça Frouxa torna-se apenas uma lembrança dos amantes do futebol atrevido, endiabrado, moleque, do menino habilidoso de Buerarema, que poderia ter encantado o mundo. O tinhoso ponta-direita que prometia ser um segundo Garricha teve seus últimos dias no estilo de Heleno de Freitas, outro grande craque do Botafogo carioca.

Feliz no jogo, infeliz no amor!

Walmir Rosário é radialista, jornalista e advogado.

Tempo de leitura: 3 minutos

Que o despojamento e os ensinamentos de José de Oliveira Santana – Zito Baú, nome em que era mais conhecido – sirvam de exemplo às novas gerações, para que possam analisar como um paradigma a ser seguido.

 

Walmir Rosário

A ninguém é dado ao direito de desconhecer as mudanças em nossas vidas, por mais que possamos rejeitá-las, pois, na esmagadora maioria das vezes, elas não dependem ou ocorrem da nossa finita vontade. As que não nos dizem respeito, apenas acompanhamos pela leitura dos meios de comunicação; outras, as que nos atingem, sejam no plano físico ou espiritual, nos regozijamos ou choramos. É da vida.

E é justamente quando essa mudança extingue a vida que não nos conformamos, embora tenhamos plena consciência de que nada poderemos fazer para mudar o evento morte, restando, no entanto, consolar a família e os amigos com orações. E foi justamente o que fizemos nesta quarta-feira (31), na celebração da Santa Missa de 7º Dia em homenagem à alma do amigo José de Oliveira Santana, na Igreja de N. S. da Conceição, em Itabuna.

José Oliveira Santana, mais conhecido como Zito Baú (pela estrutura avantajada do seu corpo), faleceu na quinta-feira (25 de março), após ter sido internado para se submeter a uma cirurgia cardíaca. Infelizmente, pelo que soubemos, o internamento lhe trouxe consequências desastrosas, por ter sido infectado pelo terrível vírus e ser acometido pela Covid-19. Triste partida.

Não sei se é dado ao direito de algum filho de Deus escolher quando partirá para a eternidade, mas acredito que foi em data imprópria, pelos simples motivos de não ter se despedido da grande legião de amigos, bem como comemorar seu aniversário. E faltavam poucos dias para a efeméride, já que no dia 14 de abril próximo Zito completaria 82 anos de vida, e bem vivida, para ser mais claro.

Aos que não tiveram a felicidade de conhecê-lo ou desfrutar de sua amizade, Zito Baú era uma daquelas pessoas que Deus colocou no mundo para fazer o bem – sem olhar a quem, da forma mais indistinta possível. Foi assim na sua infância, adolescência, continuando quando adulto até o seu desaparecimento, não havendo registro algum de uma pessoa desafeta ou ex-amigo.

De fala fácil, sabia ser o amigo, o conselheiro. Somente ele sabia subir o tom de voz na medida certa ao repreender um amigo, sem deixar qualquer mágoa, ao contrário, solidificando a amizade. E procedia de maneira simples – como ele – nos campos de futebol (baba, pelada), ao expor sua filosofia de que não bastava ao garoto ser um grande craque e sim um cidadão. Chorava quando algum deles desvirtuava.

E assim, desde os meados dos anos 1950 – quando o conheci – gastava seu tempo a praça (jardim) dos Capuchinhos aconselhando a garotada a estudar para jogar nos seus times de baba ou no Botafogo juvenil do bairro da Conceição, do qual era técnico. E para convencer os futuros craques, rádio de pilha no ouvido, se inteirava das resenhas dos grandes centros futebolísticos como Rio de Janeiro, São Paulo, Salvador, Ilhéus e Itabuna.

Ali mesmo na pracinha reunia a garotada no comecinho da noite para incentivá-los a jogar o bom futebol, ter um bom comportamento na escola e na sociedade, ter uma boa e rendosa profissão. E ele fazia os comparativos com os famosos jogadores de futebol do Brasil, citando muitos dos quais abandonavam os estudos em troca de uma carreira curta e às vezes desagradáveis.

No time de Zito Baú, aos jogadores não bastavam saber defender, construir, atacar e fazer gols. Eles tinham que saber driblar as adversidades da vida, aprender a construir uma vida sólida. Muitos dos que não gostavam desses conselhos e, mesmo que buscassem espaço em outros times, não deixavam de escutar o conselheiro Zito Baú e continuavam amigos para o resto da vida.

E o mesmo exemplo que pregava aos outros praticava consigo mesmo. Estudou com afinco para ser aprovado no concurso da Ceplac, onde se aposentou, e continuou sua carreira acadêmica, diplomando-se em Direito, seguindo a advocacia. Com todos os afazeres profissionais, Zito nunca deixou de viver sua vida no pacato bairro da Conceição, cercado de amigos.

Ele deixou como um dos seus exemplos bem-sucedidos aos pretendentes a craques: No Botafogo juvenil – onde era o treinador – aconselhava a garotada a estudar para fazer concursos, a exemplo do Banco do Brasil, um sonho para uma carreira de sucesso. E o primeiro a ser aprovado no concurso foi Sinval, que se tornou um exemplo a ser citado por Zito, tanto assim que em seguida Raul Vilas Boas e outros tantos foram aprovados.

Que o despojamento e os ensinamentos de José de Oliveira Santana – Zito Baú, nome em que era mais conhecido – sirvam de exemplo às novas gerações, para que possam analisar como um paradigma a ser seguido. Por ora, nos resta dar um adeus ao amigo, orientador, conselheiro, psicólogo, advogado, e dizer que os que aqui ficaram continuarão sentido muito a sua falta. Até mais!

Walmir Rosário é radialista, jornalista e advogado.

Tempo de leitura: < 1 minuto


Este buraco no meio da Rua José Bonifácio, no Conceição, Itabuna, foi aberto pela Empresa Municipal de Água e Saneamento (Emasa) no início de maio para conserto na rede de abastecimento. O vazamento foi contido, não há mais desperdício d´água, mas a empresa não recompôs o calçamento da rua, deixando para trás um buraco de mais de metro de fundura.