Tempo de leitura: 2 minutos

Da extensa lista das peculiaridades brasileiras, três itens se destacam: o samba, a jabuticaba e o PMDB. Seu amor pelo dinheiro público – o nosso dinheiro, para ser mais exato – é tão grande, tão magnético, tão irresistível que o PMDB abdicou de almejar a Presidência da República, a aspiração última de qualquer partido político, para vender seu apoio a outras siglas e, assim, continuar a fazer negócios nos ministérios e demais repartições federais.
Festa com dinheiro público não é uma novidade nem tampouco é prerrogativa dos peemedebistas. O senador gaúcho Pedro Simon, do PMDB, um nome de respeito da agremiação, reagiu à entrevista de seu colega Jarbas Vasconcellos à VEJA, com a explicação de que a corrupção transformou a política em uma “geleia geral” da qual pouquíssimos escapam sejam eles de que partido forem.
Nessa geleia, porém, o PMDB se destaca pela constância de método e pela durabilidade. O partido é para a corrupção na política o que a “inflação inercial” foi para a economia até o advento do Plano Real – ou seja, a força condutora e perpetuadora das malfeitorias de um regime ao seguinte, de um governante a seu sucessor, sejam quais forem suas cores ideológicas. Nas palavras do senador pernambucano Jarbas Vasconcelos, “boa parte do PMDB quer mesmo é corrupção” e “a maioria de seus quadros se move por manipulação de licitações e contratações dirigidas”.
Não se trata de percepção ou impressão, mas de uma constatação feita por um político com 43 anos de vida pública, fundador da agremiação e conhecedor de suas entranhas. Diante da bomba, o que fez a cúpula do PMDB?
Limitou-se a lançar uma nota em que diz que não daria maior atenção a Jarbas Vasconcelos “em razão da generalidade das alegações”, para depois recolher-se em silêncio, na esperança de que a explosão perca força na quarta-feira de cinzas. Ninguém ousou assinar o texto. Individualmente, houve alguns simulacros de protesto, a maioria enviesado com cobranças por nomes, fatos e provas da corrupção. Como se não coubesse ao próprio PMDB realizar uma investigação interna.
Dos 27 presidentes regionais do PMDB, 17 tem problemas com a justiça. O deputado Jader Barbalho, por exemplo, é o mandachuva do partido no Pará e um dos chefões nacionais da legenda. O parlamentar foi preso em 2002, acusado de desviar 2 bilhões de reais dos cofres públicos. Dono de apenas um automóvel no início da carreira, Jader também fez fortuna enquanto se revezava entre um cargo e outro da administração federal.
O PMDB é apenas o caso mais espetacular da corrupção que impregna o mundo político brasileiro. Nenhuma agremiação, absolutamente nenhuma, pode ser considerada uma vestal no trato com o dinheiro público. Se a situação chegou a esse ponto de degradação, isso se deve, principalmente, à secular impunidade que viceja no país.
Leia a reportagem completa em VEJA desta semana (na íntegra somente para assinantes).

5 respostas

  1. A propósito, de quem foi a responsabilidade, “ou irresponsabilidade” da “farra dos Prefeitos” com a Dilma e o Lula, com direito a foto-montagem e tudo o mais, em Brasília, …?!?!?!
    De quem foi a “responsabilidade” de envolver 11 ministérios na “farra”, …?!?!?!
    De quem foi a “reponsabilidade” de dizer que custou pouco mais de 200 mil Reais aos cofres públicos, quando, na verdade, beirou os 2 milhões de Reais, além de fazer campanha antes do prazo legal, o que é proibido por lei, …?!?!?!
    Não estou defendendo o PMDB que, como todos sabemos – “negocia” quaisquer coisas e com todo tipo de gente – mas querendo dizer que: “Quem se mistura com porcos, farelos come”, …!!!

  2. Esta semana o Sr. Secretário de Saúde chegou as pressas num posto de saúde nossa cidade fazendo uma rápida e movimentada reunião avisando que o MP estaria visitando aquele estabelecimento, a correria foi grande, corre dali, core daqui, médicos foram chegando pacientes que se encontrvam ali para fazer reivindicação foram orientados a iren para hospital de base e tudo parecia tranquilo quando MP baizou por lá.Na hora quis dencunciar a tamnha farsa que ali estava ocorrendo,mas acabei temendo algo de ruim me acontecer.
    Pois é!Está acontecendo isto na saúde de Itabuna.

  3. Onde está a coragem das pessoas em denunciar, de verdade, o que está errado?
    São justamente atitudes como essas – quem cala, consente – de covardia e omissão que fazem com que tudo fique sempre igual, …!!!
    Aí será sempre “uma palavra contra a outra”, o fato vira especulação, e quem deu para trás ficará sempre sem razão, pagando, e carregando, “o ônus da dúvida”. Será que foi realmente verdade, …?!?!?!
    Tem que ser tal qual quando nos sentimos mal. “Enfiamos o dedo na guela” e seja lá o que Deus quiser. Que alivia, alivia, …!!!

Deixe aqui seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.