Tempo de leitura: < 1 minuto

A votação do nome da advogada Juliana Burgos para a Procuradoria-Geral do Município é o primeiro grande do prefeito Capitão Azevedo (DEM) na Câmara de Vereadores.
Os humores no legislativo, no entanto, indicam que o nome da advogada será rejeitado. Mais especificamente, por conta da lei antinepotismo, de autoria do vereador Vane do Renascer e do ex-vereador Emanoel Acilino, aprovada pela própria Câmara, na legislatura passada.
A propósito, o relatório sobre a nomeação será entregue na próxima quarta, 18, pelo vereador Milton Cerqueira. O entrave para a confirmação de Juliana é o parentesco com o secretário de Fazenda, Carlos Burgos, pai da advogada.

4 respostas

  1. Sou uma pessoa que ainda acretida neste Blog, portanto sei que vocês são bem informados e se o nome de Juliana Burgus não passar esse não é o motivo.
    O mitivo é o que o Blog não quer revelar que é a falta de interesse de algumas pessoas do executivoque tem interesse de detonar Dr. Carlos Burgus. Pois nesta situação não cabe nepotismo.

  2. Se levarmos em conta os “humores” creio que ela terá problemas, mas os rumores que escuto é que tudo vai acabar como espera o Capitão.

  3. O CERTO MEU AMIGO ANTONIO É A CAMARA REJEITAR O NOME DE JULIANA MESMO.É POR QUE VOCÊ NÃO SABE A QUANTIDADE QUE TEM DA FAMÍLIA BURGOS NA PREFEITURA EMPREGADOS. A INRESPOSABILIDADE DO SENHOR PREFEITO DE QUERER FAZER AS POSSOAS DE BESTA.VAI LEVAR A CAMARA DE VEREADOR REJEITAR O NOME DELA.

Deixe aqui seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.