Tempo de leitura: < 1 minuto

Mistério completa dois meses.
Dois meses de mistério.

A polícia civil ainda não concluiu as investigações sobre a morte da professora Railuciene de Castro Nery, morta no dia 25 de janeiro, em sua residência, no Alto Mirante, bairro de Itabuna. Até agora, a polícia acredita na hipótese de que o assassino da professora tenha sido o esposo, Everaldo Marques de Souza.
Ele teria sido o autor do disparo que atingiu a professora na boca. O crime, investigado pela delegada Sione Porto, até agora não foi elucidado. Familiares e amigos de Railuciene farão uma caminhada exigindo justiça e a punição do autor do assassinato.
A passeata será realizada no dia 25, dois meses após o crime. A concentração está marcada para as 14h, no Jardim do Ó.

11 respostas

  1. Como eu creio que muitos Advogados (as) são comentaristas, além do Ricardo, um dos precurssores do próprio blog, que também é Advogado, será que alguém poderia me tirar uma dúvida:
    Quantos e quais são os casos não elucidados até o momento aqui em Itabuna (pelo menos os de grande repercussão), …?!?!?!
    Na mesma linha deste, isto é, assassinatos, …!!!

  2. Quem sou eu pra julgar alguém, inclusive sem provas. Mas, PARECE, que esse caso está “estampado”.
    Tomara que o tempo tenha servido para a polícia civil, e que encontre o mentor o quanto antes!

  3. Espero que com essa mobilização que vão fazer a forvor da morte da professora possa adiatar esse porcesso, porque a cada dia que passa mais e mais mulheres estão sendo mortas por homens que se acham no poder de matar, como podemos citar o caso de Lucialvo Cordeiro Alexandrino que matou a golpes de pé de cabra na cabeça e varias escoreações a mulher em sua propria residêcia e ate hj nada foi feito, ao contrario ele trabalha numas daquelas barracas de canelô como se nada tivesse acontecido, como a sociedade de Itabuna pode deixar monstro como esse a solta e mais como se nada tivesse acontecido.Eita povo com memória curta!!

  4. É lamentável que tragédias como essa sejam repetidas,diariamente,sem que nenhuma providência seja tomada.A justiça brasileira prima pela morisidade,quando não ‘esquece’ e arquiva processos tão ‘banais’…
    E viva o país da impunidade!

  5. Precismos sim de punição mas com provas concretas, conhecia a vitima era uma pessoa extremamente especial, conheço também o viúvo e não acredito que ele tenha feito isso… Mas so a justiça pode revelar, a final a policia ainda não abriu espaço para outro tipo de investigações, e pelo o que acompanho apenas tem ele como suspeito, no velorio e no sepultamento de Ci, o que pude mais ouvir era sobre as ameaças que ela vinha sofrendo… caso que na minha opnião também deveria ser investigado. Afinal quem ganha ou esta ganhando com a morte dela? o esposo?
    Que a justiça de Dues seja feita.
    E que o Senhor possa amparar todos os familiares, amigos e o esposo, pois ate que se prove ao contrario ele é inocente.
    Carlos Muniz

  6. A violencia em itabuna continua a cada diam precisamos dar um basta com muita fé.
    Ela uma ótima professora, cheguei a conhecer o esposo e conheço também os familiares. Sei que isso tem dedo de outra coisa, não acredito que ele tenha matado ela, mesmo porque os dois queria um filho.
    Isso tem dedo POLITICO, INVEJA ou ate mesmo interesse dela morta para que outras pessoas podessem se beneficiar, cabe a policia investigat.
    Acredito em Deus e creio que tudo será esclarecido.

  7. Uma investigação não pode perder-se nos caminhos que investigadores considerem fáceis. A Polícia, no caso do assassinato da professora Railuciene, torceu o leme para buscar provar ter sido, o marido, autor material, ou intelectual, do homicídio. Esqueceu-se (ou quis esquecer-se) de procurar a causa, o motivo, que poderia tê-lo levado à prática do ato. Se não havia motivo, evidentemente não terá, o Everaldo, cometido o crime. Ná notícias de que a professora Railuciene vinha recebendo ameaças por telefone. Ela fizera – ao qua parece qinda quando solteira – um seguro de vida, estipulando um sobrinho como beneficiário e o pai do menor tomou conhecimento do fato. E se Railuciene tiver manifestado a intenção de alterar o nome do beneficiário daquele seguro, pensando no futuro do filho que estava gerando? Seria, ou não, motivo para alguém matá-la ou mandar matá-la, a fim de beneficiar-se com a indenização do seguro? Ninguém pensou nesta hipótese?

  8. eu sou irmã da vitima alexsandra alves bastos que lucialvo matou e até hoje nada foi feito eu não acredito na justiça de itabuna moro em teixeira e um caso desse já teria sido solucionado há muito tempo

  9. Sou estudante de letras da UNEB e fiquei chocada com o caso nunca vi tanta crueldade e frieza de quem fez. Eu não conhecia a vitima mas o fato de ser professora e estar gravida mim deixou profudamente abalada, quando vi uma foto dela com sapatinho do filho fiquei mim pergutando meu Deus que foi o monstro que teve a caragem de cometer uma barbaridade dessa? È lamentavel que nada foi feito o autor do crime tem que pagar vai pagar o mais cedo ou mais tarde. Sempre uso uma frase que diz o seguinte” Deus e bom mas é justo”.

  10. • Vamira Rodrigues Sodre disse:
    O seu comentário está aguardando moderação.
    26 26UTC setembro às 17:19
    Sou estudante de letras da UNEB e fiquei chocada com o caso nunca vi tanta crueldade e frieza de quem fez. Eu não conhecia a vitima, mas o fato de ser professora e estar grávida mim deixou profundamente abalada, quando vi uma foto dela com sapatinho do filho fiquei mim perguntando meu Deus que foi o monstro que teve a coragem de cometer uma barbaridade dessa? È lamentável que nada foi feito o autor do crime tem que pagar vai pagar o mais cedo ou mais tarde. Sempre uso uma frase que diz o seguinte” Deus é bom mas é justo”.

Deixe aqui seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.