Tempo de leitura: < 1 minuto

De acordo com a 6ª Coordenadoria de Polícia do Interior (Corpin), cuja sede fica em Itabuna, foram registrados no ano passado em sua área de abrangência (a sede e mais uns 20 municípios sulbaianos), nada menos que 128 assassinatos.
Mas esse não é o dado mais estarrecedor sobre a carnificina produzida pelo que os repórteres policiais acostumaram-se a chamar de “mundo do crime”.
O que realmente assusta na estatística é que, das 128 mortes, 118 tiveram relação direta com o tráfico de drogas.
Esses números, que foram divulgados hoje pelo repórter Oziel Aragão, no Panorama 640 (Difusora AM), confirmam o ponto a que chega a ação destrutiva do tráfico que, de delito isolado, há muito tempo se tornou a raiz de outros crimes, principalmente homicídios.

2 respostas

  1. É o Projeto Governamental: PRIMEIRO EMPREGO em parceria forte com o Governo Jacques Wagner. Primeiro emprego na periferia é aviãozinho do Tráfico. Onde não atua o Poder Oficial atua o paralelo. A vítima se transforma em algoz e os efeitos em causa. Depois aprsentamos os cadáveres nos programas sensacionalistas para aplacar a Sede da Sociedade.Cito o Jacques pois moro na Bahia, mas estendo aos demais sacripantas do poder.

  2. está descrito ai nas estatisticas que 118 das 128 mortes esta relacionada ao tráfico.Pelo amor de Deus vamos acabar com isso,todos sabemos onde estão os traficantes,porquê não denucia-los e os policiais porquê não os prende,será que teremos que nos trancar em nossas casas e deixar a marginalidade e a policia corrupta fazer o que quer com a cidade,sabemos que há policiais limpos,por favor senhores eliminem isso em nossa cidade,ajudem-nos,itabuna é tão linda e ainda pode se reestruturar mas com a droga como vai qual empresário ira por sua empresa nas mãos de marginais?
    Vamos raciocinar juntos,por favor…
    sem mais RCO

Deixe aqui seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.