Tempo de leitura: 3 minutos

Daniel Thame | danielthame@gmail.com

Para quem já teve o carro roubado, a casa arrombada, o celular levado de assalto, um filho ameaçado por traficantes ou, pior, um parente ou amigo brutalmente assassinado a resposta para a pergunta acima, que deve causar ojeriza aos defensores dos direitos humanos, é: sim!

Não é de se estranhar, portanto, que em meio ao foguetório junino e às comemorações da suada vitória do Brasil sobre os EUA pela Copa das Confederações, em alguns bairros da periferia de Itabuna a pirotecnia somou-se a euforia pela eliminação de alguns bandidos que aterrorizavam moradores, mortos em confronto com a polícia.

Deve ser mesmo um alívio para quem convive com a violência, respeitando a “lei do silêncio”, submetidos a um mal disfarçado toque de recolher e reclusos em suas residências enquanto os bandidos transitam e barbarizam livremente; saber que marginais foram eliminados pela polícia ou mesmo tombaram na guerra sangrenta entre eles próprios.

A periferia de Itabuna vive uma guerra sangrenta, potencializada pelo tráfico e consumo de drogas (uma coisa está atrelada a outra) e ampliada pela ausência dos serviços públicos, que faz da criminalidade o único caminho para dezenas, centenas de jovens.

Uma violência que, até pela necessidade de expansão, rompe os limites periféricos e chega ao centro da cidade, na forma de assaltos, arrombamentos e roubos de veículos. A cadeia produtiva do crime, que é se que pode chamar assim, não obedece a limites sociais ou geográficos.

Está em todas as partes. Aterroriza a todos, sem distinção.
A morte em série de marginais, como ocorreu neste final de semana em Itabuna, com cinco homicídios ligados aparentemente ao mundo do crime, passa a sensação de que a polícia está agindo com o necessário rigor e que tem que ser assim mesmo. Reforça-se aqui a tese do “bandido bom é bandido morto”.

Quando a violência excede todos os níveis do suportável, não se pode esperar mesmo que a policia trate com afagos e salamaleques bandidos que não hesitam em matar.

Mas, a questão não é tão simplória assim, como se matando em larga escala resolvesse o problema da violência. Está mais do que provado que não resolve. Violência gera violência, que gera mais violência, que gera ainda mais violência, num moto continuo banhando em sangue e dor.

Melhor seria se tivéssemos um sistema de segurança pública que efetivamente garantisse a segurança da população, com prevenção no lugar de repressão.

Melhor ainda seria se crianças, adolescentes e jovens tivessem acesso à educação, esporte e trabalho, oferecendo outra oportunidade de vida.

Em suma, matar a violência no gene, para depois não ter que matar gente.

Ninguém nasce bandido. E, é forçoso dizer, que muitos descambam para a criminalidade por conta de bandidos de alto calibre, que saqueiam os cofres públicos e desviam recursos que seriam destinados a quem precisa.

A resposta (ou a ausência dela) para a pergunta que abre esse texto talvez esteja na foto abaixo, de autoria de Oziel Aragão, publicada no Diário da Bahia.

A dor de um pai que chora diante da morte inevitável do filho, algoz e vitima dessa violência insana, fala mais do que mil palavras.

É a dor de todos aqueles que ainda acreditam (ou sonham?) com uma cidade menos violenta e onde não seja necessário chorar tantas e tantas mortes, sejam as vítimas anjos ou demônios.

Do Blog do Thame

0 resposta

  1. Insisto em questionar onde está a familia?
    Qual é a responsabilidade dos pais?

    Lembro-me de um antigo personagem de Jô Soares que citava uma frase:
    “È culpa do governo”
    não acredito nisso. com certeza o nosso egoismo (manifestado de diversas formas) é o verdadeiro culpado do caos em que vivemos.

  2. Uma coisa é certa: a origem miserável não dá a ninguém o direito de roubar e matar outras pessoas. Entretanto, as origens da violência estão bem mais fincadas na questão social do que se imagina popularmente, o que torna difícil a missão de distribuir melhor a renda entre os moradores de cidades, dos Estados e do País, bem como oferecer aos jovens políticas públicas de inclusão através do esporte e da educação alternativas ao mundo do crime no qual muita gente entra e do qual só poucas saem pra contar a história.

  3. CONCORDO QUE BANDIDO BOM É BANDIDO MORTO. MAS ME DIZ UMA COISA.!!!!! ENTÃO QUEM VAI GOVERNAR O PAÍS OS ESTADOS E OS MUNICÍPIOS. ??????

  4. o grande problema e que nossos governantes não admitem que estamos em estado de gurrilha urbana, o tráfico está tomando conta dos nossos jovens não temos condições de encarcera-los e recupera-los, são presos e quando retornam se tornam mais perversos, com isso vidas são ceifadas, a própria polícia não aguenta mais, prender e soltar marginais, nossos políticos (99% deles são corruptos venais e não se incomadam com a marginalidade
    muitas vezes até a protegem, quando não fazem parte diretamente
    a eliminação dos marginais está se tornando um mal necessário pq eles estão proliferando como ratos.

  5. A Situaçao da violência no Brasil realmente é muito grave!Na realidade os nosso governantes nao se preocuparam com o mais importante de um País,
    !Uma polícia preventiva e técnica e agindo com inteligência, acredito ser bem mais eficiente do que usar somente a violência.E quanto ao choro do pai , nenhum filho para um pai deixa de ser filho porque é marginal. É a velha história : Educaçao é a única soluçao!

  6. A QUESTÃO É SIMPLES….SOCIAL!!! POIS QUEM TEM POSSES NO “BRASIL” NADA ACONTECE, POIS A LEI DE 1940 LHES DÁ LIBERTADE PARA ISSO.

  7. na verdade a familia esta muito mudada nos ultimos tempos
    os filhos não respeitam mas os pais ,os pais não impõe mas
    autoridade nos filhos, falta de interesse dos governos resultam nisso que estamos veno em nossa cidade e em todo em nosso pais .
    Fé em Deus eé o que esta faltando em nossa cidade.

  8. O ponto fulcral da escalada da violência em nossa terra grapiúna é a falta de políticas públicas voltadas aos anseios da comunidade.Hoje pedimos,imploramos por mais policiais nas ruas,ficamos aliviados ao vermos jovens tombarem em confronto com a polícia(não que o policial deva morrer,não é isso).Mas salutar é indagarmos aos homens públicos dessa terra mãe cacaueira,sobre as questões sociais que nos afligem direta(quando alguém da nossa família sofre alguma lesão em seu direito como atendimento a saúde,educação,segurança)ou indiretamente(quando vemos o futuro de nossa sociedade tansformarem-se em estatísticas policiais).Cabe semente a nós mudarmos tal posição.Vejo as associações de bairros como uma extensão dos grupos políticos,Deputados,Prefeitos e Vereadores disputam o apoio de pessoas que deveriam compulsoriamente nos representar.As associações é o elo entre determinados locais da cidade e os dirigentes públicos,devem(ou deveriam)informar as mazelas sofridas pela sociedade e perquirir por resultados.Outro tópico básico é a igreja,seja ela qual for a denominação ou ideologia religiosa,a família é o alicerce de qualquer sociedade politizada,e observo que as famílias estão distantes da igreja,assim como a igreja está distante das famílias.O comprometimento religioso hoje está facultado as crianças,deve-se orientá-las e não deixar ao livre arbítrio.A educação fadada ao fracasso,se desfaz nas diretrizes eleitoreiras disfarçadas de estatísticas com percentuais acima da média(o que não correspode a realidade),pois vemos a dificuldade do jovem transpor o vestibular oferecido pelas universidades públicas.Somos pais libertários em extremidade,reflexo da nossa criação castrense,devemos nos reavaliarmos como pais e não atribuirmos competência exclusiva de EDUCAR,não no sentido intelectual,essa parte pertence as escolas,mas no sentido amigo,companheiro,dirigente,orientador e responsáveis pelos nossos filhos.

  9. Concordo plenamente com o comentário 7, a família é a base de tudo…Além disso, os salários de policiais e professores contribuem p/ esse caos social que vivemos hoje…

  10. A dificuldade de ser um ser humano moderno, de obedecer as tendencias mais avançadas da vida, é dificil, pra ser mais exato é impossivel. Quando os nossos pais, ou avós, era crinaças, os seus pais e tratavam com seriedade, com rispidez, se você iria namorar com uma menina, tinha que se sentar em um sofá, com o pai e a mãe no outro e pra melhorar com um cachorrinho no meio. Hoje tudo é diferente, se um pai é autoritario com um filho, se o trata desta maneira, ele é tratado com antiguado, como uma pessoa não moderna, se você bater em um filho, porque fez algo errado, ja vem logo as pessoas maldar e dizer que o pai esta espancando uma criança, se um bandido vai pra cadeia, o policial não pode fazer nada, porque tem uma porcaria chamada DIREITOS HUMANOS que vai lá pra cadeia, porque o policial não pode bater na criancinha que esta lá preso, pois, é um anjinho que matou, que roubou, que estuprou. Mais esta culpa não é so minha, essa culpa é nossa, pois sempre é facil dizer que os politicos estão roubando, não dão segurança, não dão saude, não dão escola, para as crianças, mais e nós o que estamos fazendo pra que isso ocorra? Estamos recebendo dinheiro pra poder ir votar, é isso que é o melhor, ja que eles roubam de lá eu quero o meu aqui. E com isso acontece mais e mais pais chorando pelo seu filho que o trafico esta ganhando a cada dia, e a cada dia os nossos jovens estão morreno. Ja sofri com vizinho morto pelo trafico, ja sofri com uma arma apontada na minha cabeça e na cabeça do meu amigo no nosso trabalho sendo assaltado por esses bandidos, e hoje sofro com essa foto, sofro com esse pai, sofro com você Nona, meu primo, pai do menino Italo, morto pelo trafico, mais que deu a sua educação, que tem uma vida com CRISTO muito forte, mais que infelizmente perdeu o seu filho para o trafico. Que isso sirva e lição, não so pra minha familia, mais pra sua também, é facil você ser a pedra para quebrar uma vidraça, o dificil é você se torna a vidraça e não ser atingido pela pedra. FORÇA SEMPRE EM CRISTO JESUS, E QUE DEUS NOS ABENÇOE A PODERMOS CRIAR OS NOSSOS FILHOS COM SEGURANÇA, RESPEITO E O PRINCIPAL COM AMOR, QUE É O QUE ESTA FALTANDO NAS PESSOAS.

  11. o Brasil ainda paga por não ter um sistema de reabilitação dos excluidos e marginalizados da nação que vao lotando estes presídios, ao contrário dos EUA e de outros países que tem solução para estes…
    sendo esta, a unica forma de um bandido deixar de ser bandido…
    com a MORTE!
    apaga,
    tira os orgãos,doa e bota a fila pra andar.
    não é bonito, não é justo mas por hora é assim que tem que ser…

  12. Depende muito do ponto de vista de cada um, uma mãe ou pai ou filho sempre acha que um bandido é bom, gente boa etal… mas se bandido bom é bandido morto que tal começarmos pelo congresso nacional(com letra minúscula mesmo), lá só tem bandido.

Deixe aqui seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.