Tempo de leitura: < 1 minuto

Simplesmente ridícula e possivelmente mal-intencionada a ação de um grupo de advogados gaúchos, que está provocando o Ministério Público Federal a questionar a legalidade da migração de Marina Silva, do PT para o PV.

Essa turma precisa saber – se é que não está apenas fingindo desconhecimento – que o espírito da lei da fidelidade partidária é punir outro tipo de político: aquele que vive mudando de partido, ao sabor das conveniências e de interesses escusos.

Questionar a opção de Marina, uma mulher que dedicou 30 anos de sua vida ao PT, destacando-se como um de seus melhores quadros, não passa de uma idiotice sem tamanho. E gera a suspeita de que tem algum interessado jogando por tabela.

0 resposta

  1. AQUI , EM ITABUNA, TB TINHA UM JUIZ GAUCHO SUBSTITUTO, QUE TAMBÉM , ESTA QUERENDO MUDAR AS LEIS…MANEIRAS DE COMPORTAMENTO…ETC….VAMOS, MANDAR DE VOLTA , AO ESTADO DE ORIGEM. CNJ. NELLE.

  2. A democracia resume-se principalmente no respeito aos direitos dos cidaddãos e cidadãs. Marina Siva é hoje em exemplo de superação. Podemos até discordar de suas ações no campo da política, mas, ela é de verdade, uma pessoa que pensa(pensar para muitos nesse país é pecado), que expressa seus pensamentos com clareza, não é demagoga, que assume abertamente seus pontos de vista. Marina é um oásis no deserto de boas ações. É profundamente lamentável a atitude de um grupo de advogados gaúchos de não quererem respeitar a sua decisão.

  3. Meu caro Ricardo,

    Você sabe, pois é advogado, que neste caso não se leva em consideração o histórico de nenhum político. É igual a jogo do bicho, vale o que está escrito. Lei é Lei. É para ser cumprida. Se existe esta possibilidade de cassar o mandato do político na Lei, qualquer cidadão pode contestar. É a democracia. É o preço que se paga!

  4. o mandato não pertence ao político e sim ao partido,e se o partido permitiu a saída, logo não cabe ação, pois à ação é movida pelo partido.Isso deve ser coisa de quem não tem o que fazer

  5. A saída de MARINA SILVA do PT, depois de longos 30 anos de dedicação a este partido, deve realmente incomodar a quem tem medo do que perdeu.

  6. O PT não é besta. Nessa briga, Marina Silva daria de lavada na direção partidária de um partido que traiu sua ideologa para se manter no governo. E saída de político de um partido por traição à ideologia é legal. Esse caso, exporia a outrora legenda, verdadeira esperança do povo brasiliro em resitência e mudança, a uma vexame ainda maior. Vão ficar caladinhos até mesmo ao perder a eleição.

  7. Nesse caso a infidelidade não foi da Marina e sim do PT. Que esqueceu de todos seus documentos históricos para salvar figuras como Sarney.

Deixe aqui seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.