Tempo de leitura: < 1 minuto

Do Terra Magazine

Falar de Partido dos Trabalhadores com Geddel Vieira Lima suscita opiniões extremas. Do apoio exacerbado ao rompimento total. Ir de um lado desse a outro é como atravessar uma fronteira bem definida. No caso estrito, a da Bahia.

Ministro da Integração Nacional, Geddel se insiste pré-candidato do PMDB na Bahia, contra o governador petista Jaques Wagner. Enquanto isso, costura a aliança das duas legendas nacionalmente.

“Só tenho recebido do presidente Lula e da ministra Dilma demonstrações de carinho, de apreço e estou sendo uma pessoa que tem procurado articular muito o PMDB nacional, quebrar resistências para viabilizar uma apoio forte à ministra Dilma Rousseff”, deixa claro. E Geddel ressalva: “A disputa na Bahia não contamina o projeto nacional. Da nossa parte.”

Leia mais.

0 resposta

  1. Já disse e repetir:Geddel Vieira Limão, não é candidato a governador nem ao Senado, não tem cacife para tanto.Tá chantageando o governo em troca de cargs e Ministérios, de preferência que ele seja um dos ocupantes.

  2. Zelão diz: – Wagner está preocupado com o próprio destino

    Em tudo por tudo, o que preocupa Wagner, é ter deixado a situação com Gedel, ter chegado a esse ponto sem volta. Wagner, assessorado pelo seu cão de guarda ” Rui Costa”, julgou que Lula e Dilma, iria intervir a seu favor, enquadrando o Ministro Gedel.

    De posse das pesquisas, astutamente, Lula, presentiu que uma briga com Gedel, em favor de Wagner, poderia criar embaraços ainda maiores com o PMDB nacionalmente, em detrimento da aliança nacional prol Dilma. Na balança dos interêsses, pesou mais a aceitação a candidatura de Gedel.

Deixe aqui seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.