Tempo de leitura: < 1 minuto

A Polícia Federal prendeu na tarde desta quinta-feira, 3, no Aeroporto de Ilhéus, a irmã de Rosivaldo Ferreira da Silva, o “Cacique Babau”. De acordo com o Xilindró Web, Glicéria Barbosa da Silva foi detida assim que desembarcou no local. Segundo a polícia, ela é acusada de ter participado, juntamente com o irmão, de invasões de propriedades e tentativas de homicídio na zona rural de Buerarema.

Babau foi preso no dia 10 de março e ficou alguns dias na carceragem da Delegacia da Polícia Federal em Ilhéus. Em seguida, foi transferido para a Superintendência da PF em Salvador e se encontra desde o dia 16 de abril na penitenciária federal de Mossoró-RN.

Outro irmão do cacique, conhecido como “Gil”, também está preso.

Tempo de leitura: 6 minutos

Leandro Afonso | www.ohomemsemnome.blogspot.com

Há quem diga que ele não passa de um pastiche deslumbrado com a Nouvelle Vague, que viu apenas os filmes “certos” dos diretores “certos”, que não passa de um cinéfilo de butique. Mas tudo de “ruim” que dizem de Christophe Honoré (Em Paris, Canções de Amor) não faz sentido se seus filmes me comunicam algo à maneira dele: um emaranhado de referências e misturas inevitáveis que não o impedem de, na medida do possível e do impossível, soar único. Como em A Bela Junie (La belle personne – França, 2008), provavelmente seu melhor filme.

Adaptação livre do romance A Princesa de Cléves, de Madame de La Fayette, passado no século XVI, é transposto para a contemporaneidade com Junie recém-chegada em colégio após a morte de sua mãe. Gestos, olhares, sinais, mal entendidos, tudo remete a um caráter perigosamente dúbio do amor. Mais que investir na sensualidade (bem), Honoré mostra o agridoce das relações. E entre o ônus e o bônus, ele consegue momentos brilhantes, como a leitura de poema na aula de italiano, a revelação do “segredo” de Junie, e a corrida musicada em Paris.

Pode-se dizer, com boa dose de razão, que o filme pouco traz de novo do bom cinema francês, ou pelo menos do que de melhor foi feito por Truffaut (provável maior influência), Godard, Rohmer, Chabrol e tantos outros – com o adendo de que, diferente daqueles, Honoré não revoluciona nada. Faz todo sentido. E como se não bastasse Honoré lembrar tanto a Nouvelle Vague, Louis Garrel parece nova versão de Jean-Pierre Léaud (principal parceiro de Truffaut) e Léa Seydoux lembra demais Anna Karina (musa de Godard e símbolo da Nouvelle Vague).

Mas não dá pra dizer que A Bela Junie não tem nada de genuíno. A escolha de parte de suas trilhas sonoras contribuem para encontrar uma certa americanização em Honoré (sem julgamento de qualidade), mas também talvez ajude seus filmes a funcionarem de maneira independente em um conjunto tão forte, diante do qual ele demonstra não só admiração como uma quase reverência: um tipo de cinema francês [por mais que ele tenha se desligado um pouco dele no seu filme seguinte, o Não Minha Filha, Você Não Irá Dançar (2009)].

Para completar, é impossível não notar o talento de Garrel e Seydoux – que em mais de uma vez lembra Anna Karina especificamente em Viver a Vida (1963), de Godard. O que é um duplo elogio, pela atriz e pela atuação ali, que se transforma em triplo, pela própria Seydoux independente da lembrança.

Ou seja, se eles não fazem nada, como às vezes aparentemente acontece, já são interessantes e expressivos o suficiente. E se o prazer de Honoré ao filmar Paris não nos atinge mais com tanta força, é provável que isso seja menos culpa dele que da época em que ele nasceu – cerca de 40 anos depois da maioria da Nouvelle Vague. Ele se dedica com imenso e perceptível carinho aos seus personagens e a um híbrido (de gêneros e de referências) que (embora momento musical não tenha fluência ideal) fascina mais que incomoda.

Revisto em DVDRip – Salvador, maio de 2010.

A Bela Junie (La belle personne – França, 2008)
Direção: Christophe Honoré
Elenco: Louis Garrel, Léa Seydoux, Grégoire Leprince-Rinquet, Esteban Carvajal-Alegria, Simon Truxillo
Duração: 93 minutos

8mm

O Maldito Ladrão de Memórias

[Aviso importante: quando não amigo, pelo menos conheço a maioria esmagadora dos participantes de O Maldito Ladrão de Memórias (2009), de Roberto Cotta, feito para conclusão do curso de Rádio e TV na Uesc e presente no Festival de Cannes desse ano – mostra Short Film Corner, não competitiva dedicada a curtas de jovens diretores. Uma coisa é criticar quem nunca me disse um oi, outra coisa é bater em quem você conhece, com quem existe uma relação a ser potencialmente abalada.

Como existia aqui, perguntei a Roberto se ele teria alguma objeção em ver seu filme criticado. A resposta, mesmo já esperada, me agradou. Com relação aos atores (maioria também de amigos e conhecidos), entendam, a crítica a vocês é pelo que vocês não são. Também já atuei sem ser ator, ou pelo menos antes de fazer teatro, e os vídeos até hoje estão na Uesc para quem quiser ver – e rir. Faz parte. Seja como for, o fato de o filme me levar a escrever sobre ele já diz alguma coisa. O Maldito… ainda percorre circuito de festivais, antes de ser (no segundo semestre) disponibilizado na internet.]

O Maldito Ladrão de Memórias (2009), de Roberto Cotta, é um belo exercício de direção. Do início ao fim, ele é o filme de um diretor – e não há dúvidas de que é o que temos um aqui. Alguém que faz o filme que quer, um filme de gênero sem aparência alguma de concessão acadêmica (e por vezes necessária), e do jeito que quer: em preto e branco, com câmera no tripé, poucos cortes e muitos xingamentos. Porque assim é Gomide (Roberto Pazos), personagem-narrador que busca o Dr. K (Antônio Xavier), o ladrão de memórias.

É notável a elegância com que Cotta trabalha o visual. Elegância essa que vem não dos personagens, mas do esmero ao enquadrar e editar, a trabalhar apenas com cortes secos e fades, a trabalhar com plano e contra-plano, além de cuidadosa decupagem. A fotografia é um deleite, e a mise-en-scène tem momentos tão brilhantes que contrastam com outros que, devido ao seu inevitável baixo orçamento, nos dão a certeza de um vídeo pouco abastado. No entanto, em meio às mudanças de plano, talvez para evitar um piloto automático ou pela questão de falta de câmeras, Cotta escolhe enquadramentos tão heterodoxos que chamam mais atenção para o lugar inesperado onde a câmera está do que ajudem a dar o ritmo esperado por ela (o que nos remete aos malabarismos de David Fincher em início de carreira).

No que tange as atuações, se por um lado chega a ser covarde atacar performances de não atores tão declarados, por outro é inevitável perceber uma certa falta de sintonia dentro de uma coerência. Se Gomide e Parombau (cujo sotaque parece tirado de Ó Paí Ó) estão completamente acima do tom, na mesma frequência, e o detetive tenta não comprometer, o Dr. K é o extremo oposto do que somos levados a imaginar – e dos pontos baixos do filme. É criada toda uma expectativa diante de personagem pintado como genial e repulsivo, absurdamente interessante, mas quando ele entra em cena, é medroso e pálido: não dá pra ver nele alguém sequer capaz de roubar galinhas, quanto mais memórias.

Com relação à estrutura, o domínio dela está ali. Por mais que partes de alguns diálogos se juntem às atuações em combinações pouco felizes, o roteiro enquanto forma narrativa mostra que alguém com tino para aquilo rabiscou o papel. Mesmo que os últimos cinco minutos, em tradicional reviravolta do gênero onde “nem todos são o que parece” e pessoas sem escrúpulos se dão bem, passem de um magnífico embaralhamento a um final que talvez se explique demais.

Quando assisti à última cena (e ao belo chamamento dos presentes no leilão, que pode abrir portas para trocentas metáforas referentes ao cinema e ao ato de fazê-lo), pensei “o que aconteceu”? Sem a narração que vem a seguir, talvez houvesse mais sutileza e menos didatismo, o que seria mais coerente com o caráter tão altivo quanto o que de melhor existe no resto do filme. Que mostra o talento e o interesse do autor pelo cinema e pelo gênero, ambos tratados, sempre que possível, com o carinho que merecem. E quando Cotta peca também pelo carinho, é com excesso: nesse ponto, não dá para achar ruim.

Ps: A trilha sonora de Thiago Ferreira sabe ser útil, ao complementar e potencializar a atmosfera, e brilhante, no final. E o elogio não é porque ele fez a trilha de meu documentário, mas sim porque as pessoas que ouvem o que ele faz, e do que é capaz, percebem isso. (Com mérito também para Cotta que soube domar e guiar o menino.)

Ps2: Ao invés de ver o making-of, preferi rever o filme. Por mais que ainda esteja ansioso para assisti-lo, como análise, acho mais justo dar outra oportunidade à execução.

Filmes da semana

1.    O Espírito da Colméia (1973), de Victor Erice (DVDRip) (***)
2.    Ferrão da Morte (1990), de Kôhei Oguri (sala Walter da Silveira) (**)
3.    A Bela Junie (2008), de Christophe Honoré (DVDRip) (***1/2)
4.    Pecados do Meu Pai (2009), de Nicolas Entel (Cinema da Ufba) (**1/2)
Curta:
5.    O Maldito Ladrão de Memórias (2009), de Roberto Cotta (DVD) (***)

______________

Leandro Afonso é comunicólogo, blogueiro e diretor do documentário “Do goleiro ao ponta esquerda”.

Tempo de leitura: < 1 minuto

Atração que  começou a ser apresentada há poucos dias, na Rádio Nacional de Itabuna, o programa Patrulha Geral vai rapidamente se firmando no horário das 16h30min às 18h, considerado nobre no rádio itabunense. Sob o comando de Fábio Roberto, o Patrulha tem participação de Rosivaldo Pinheiro e um conteúdo recheado, com noticiário policial, política, interesse público e muitos outros assuntos.

Nesta quinta-feira, um dos temas oolocados em pauta pelo apresentador foram os repasses federais para municípios sul-baianos neste início de junho. Itabuna, por exemplo, recebeu nos dias 1º e 2 de junho, transferências que totalizaram R$ 2.169.834,03.  Já os cofres públicos ilheenses foram abastecidos com R$ 1.781.726,28, conforme apurou o olho vivo do Patrulha Geral.

Tempo de leitura: < 1 minuto

O loteamento Monte Líbano, em Itabuna, continua esquecido pelo governo municipal. Moradores que investiram ali, alguns há mais de 20 anos, na esperança de que o poder público chegaria com a infraestrutura, estão cada vez mais decepcionados e sem esperança. O maior problema está na precariedade dos acessos, por conta de buracos que aumentam cada vez mais em tamanho e quantidade.

Para não mentir, é preciso reconhecer que a Prefeitura (aliás, a Emasa, o que dá no mesmo) fez algo por ali recentemente. Abriu enorme buraco num terreno baldio, que tem funcionado muito bem para preservar espécies como a do Aedes aegypti.

No local, que fica na divisa entre o Monte Líbano e o bairro Castália, moradores apelidaram a cratera de “Piscinão do Capitão”.

Piscinão do Capitão compõe a paisagem na entrada do Monte Líbano (foto Pimenta na Muqueca)

Tempo de leitura: < 1 minuto

Como fazem todos os anos, católicos itabunenses cobriram a Avenida Nações Unidas com um enorme tapete feito de serragem, apresentando motivos religiosos.Essa tradição é a forma como os fiéis marcam o Corpus Christi, o que ocorre da mesma forma em diversas cidades brasileiras e portuguesas.

O Corpus Christi significa para os católicos a presença substancial de Cristo na eucaristia. É celebrado todos os anos, na primeira quinta-feira após a festa da Santíssima Trindade.

Pessoas de todas as idades ajudam a compor o mosaico
Objetos reaproveitados, como tampinhas de garrafa, são usados pelos fiéis (fotos Pimenta na Muqueca)

Tempo de leitura: < 1 minuto

Às 22h25min de ontem, este blog informou sobre o cancelamento do voo 3661, que iria de Salvador para São Paulo, com escala em Ilhéus. Pois bem: depois de mandar os passageiros para o check-in, onde deveriam organizar seu traslado para algum hotel, a TAM mudou tudo (de novo).

Enquanto muitos passageiros já se encontravam no check-in e outros faziam protesto nas imediações dos portões de embarque do aeroporto Luís Eduardo Magalhães, uma funcionária chegou esbaforida avisando que havia sido finalmente providenciado outro avião. Já passava das 23 horas e esse novo voo, num A-320 (outro era um 319), sairia à 00h20min, o que de fato ocorreu.

O avião (aí já era o voo 9360) aterrissou na Ilha de Comandatuba à 1 hora da madrugada (os passageiros iniciaram essa jornada às 13h52min de ontem, horário da saída do 3661), de onde parte dos ocupantes foram levados para Ilhéus, num ônibus. Os demais seguiram para Guarulhos.

De Salvador até Comandatuba, os passageiros da TAM enfrentaram mais de 12 horas de idas e vindas, que produziram um clima de stress. Muitos afirmaram que iriam processar a companhia aérea, embora a maioria reconhecesse que as decisões tomadas pelo piloto do 3661 foram as mais corretas.

O maior problema, segundo o jornalista Ricardo Ribeiro, um dos passageiros do voo, foi a falta de clareza nas informações que eram transmitidas. “O piloto foi muito consciente, quando afirmou que sabia da importância dos compromissos de cada passageiro, mas sua maior preocupação era com a vida de cada um”, diz Ribeiro.

Por outro lado, o jornalista critica a empresa, por ter submetido os passageiros a uma “sessão de tortura”, fazendo-os enfrentar filas que não resolviam nada e mudando a todo momento as orientações.

Tempo de leitura: 2 minutos

Li o comentário no blog acerca do erro que o Ministro Dias Toffoli diz que eu cometi, ao entrar com o habeas corpus no Supremo em favor de Thadeu Silva Oliveira, em razão de os tribunais inferiores (TJBA e STJ) não terem ainda examinado o mérito da questão, o que haveria, na visão do Ministro, “dupla supressão de instância”.

Não cometi qualquer erro.

Se buscar a reparação de lesão ao direito de liberdade na Suprema Corte Brasileira,  com fundamento nos princípios constitucionais da inafastabilidade da jurisdição (art. 5º, XXXV) e da exigência de imediato relaxamento da prisão ilegal (art. 5º, LXV),  configura “erro”, em face de decisões manifestamente ilegais proferidas por órgãos jurisdicionais inferiores (juiz da Vara do Júri de Ilhéus, Desembargador do TJBA e Ministra do STJ), francamente, continuarei errando….

Se eu estou errado a buscar a liberdade do cidadão em face de uma prisão flagrantemente ilegal, também, cometeram o mesmo erro os Ministros Ricardo Lewandowsky (HC 91468), Gilmar Mendes (HC 90157) e  Marco Aurélio (HC 96744) e Celso de Mello (HC 86.634), que, em medidas idênticas, cassaram decisões manifestamente ilegais proferidas pelas instâncias inferiores. A propósito, vale lembrar que o STF  soltou os ilustres réus Paulo Maluf e o seu filho, Flávio Maluf, em caso similar, ou seja, deferiu habeas corpus, antes que o seu mérito fosse examinado pelas instâncias inferiores (vide HC 86.864-9, Rel. Min. Carlos Veloso, j. 04.11.2005).

Como o pleito de cassação da prisão manifestamente ilegal decretada contra Thadeu S. Oliveira, além do amparo constitucional, tem fundamento na própria jurisprudência dominante do STF, que não admite prisão preventiva com base apenas na gravidade do crime e no clamor público (fundamento da prisão preventiva do meu cliente), ajuizei, no dia 28.05.2010,  recurso (agravo regimental) contra a decisão do Ministro Dias Toffoli para a 1ª Turma do STF, com o desiderato de cassar a aludida decisão. …

Djalma Eutímio