Tempo de leitura: < 1 minuto

A policial militar Maria Elenilza Madeira Ferreira, lotado no 15º Batalhão da PM em Itabuna, foi presa nesta noite de domingo por cometer os crimes de calúnia e injúria racial, além de desacato e desobediência.

A policial estaria embriagada quando ofendeu várias pessoas em um bar e disse ao agente funerário Paulo Andrade não gostar de negros. “Eu não gosto de nego pobre”.

Maria Elenilza também é acusada de desacato a policiais militares e civis. Enquanto aguardava o delegado de plantão, ela tentou fugir do complexo policial e foi novamente detida pelo tenente Carlos Araújo.

Após prestar depoimento no complexo, Elenilza foi transferida para o 15º BPM, de onde seria levada para Salvador. A Associação de Praças da Polícia Militar (APPM-Itabuna) informou que a sua assessoria jurídica foi acionada para assistir a policial. Informações do blog Xilindró Web.

9 respostas

  1. A justiça deve ser feito. Parabens plea atitude do Tenente.
    Agora na cidade de Una, o prefeito Dejair chamos os policiais de propineiro e não foi preso.

  2. Quero aqui externar minha admiração e respeito pela polícia militar,estava divertindo-me no referido estabelecimento quando aconteceu esse fato triste e inconcebível por se tratar de uma policial.

    Os policiais ALELUIA,NETO E DA MATTA foram extremamente coerentes e super profissionais ao lidar com a situação vexatória e milindrosa.

    A PM em questão estava totalmente desequilibrada,desacatando os policiais militares e as pessoas que se divertiam no bar,chegando inclusive a agredir a proprietária do estabelecimento comercial.A atitude dos colegas de farda dela foi ímpar e necessária em um momento de crise,o qual ela estava envolvida.

    A PM demonstrou ali para mim que existem policias que nós da sociedade podemos e devemos confiar.PARABÉNS ao 15ºBPM!!!!

  3. O problema maior é que ela ofendeu a ela própria, pois na Bahia nenhum de nós é branco, …, quanto a policial rico, …, também acho difícil de encontrar, principalmente com o salário que recebem, …!!!

    Quando curar a cachaça ela dirá: “Depois dessa – soluços – nunca mais eu “bébo”, …!!!

  4. Será que isso foi assim, mesmo?

    Se for verdade, o que dizem, se não tem armação na jogada, é mais um sinal de que a polícia está contaminada pelo terrível vírus chamado anti ética. A postura de muitos policiais não é compatível com o conceito de autoridade do qual estão revestidos. Às vezes não sabem se devem se comportar de um lado ou do outro. Muitos não suportam as injúrias que muitos civis passam; o exercício da tolerância precisa ser praticado até por policiais, numa sociedade cada vez mais arrogante.

    Em todo caso, é preciso cautela, essa moça pode ter sido vítima de alguma substância posta na bebida, por alguém invejoso, despeitado…
    Com a palavra o Serviço de Inteligência da PM, o qual tem a responsabilidade de observar o comportamento dos membros da briosa corporação. A sociedade agradece.

  5. fiquei muito feliz em saber ,que ehm fim a policia militar deu basta a essa praça de penssamentos taum maternais .eu mesma ja fui vitima de racismos por essa mesma policial, fui humilhada, por uma pessoa que nem conhecia por conta de sua embriagueis.
    se ela é alcoolotra ,isso deve ser sim , trabalhado mais nao por uma pessoa que veste uma farda que garante a justiça desse preconceito.

Deixe aqui seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.