Tempo de leitura: 2 minutos

Ibama confirma crime ambiental em propriedade

Ibama constata crime ambiental na fazenda do dona da Natura (foto Ed Ferreira)

O rastro de devastação ilegal (Foto Ed Ferreira).

O empresário e candidato a vice-presidente do Brasil, Guilherme Leal, além de ter sido denunciado por crime ambiental no sul da Bahia, terá de se explicar ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Ele omitiu da declaração de bens entregue à Justiça Eleitoral na última segunda-feira, 5, uma propriedade localizada em Uruçuca (BA).
A fazenda foi vistoriada na quinta passada (dia 1º) pelo Ibama e foram constatadas várias irregularidades. O empresário é candidato a vice-presidente do Brasil pelo Partido Verde (PV). A propriedade foi objeto de nota aqui no Pimenta, no último sábado (relembre clicando aqui).
Nesta quinta, 8, o caso é alvo de matérias e notas na Folha de São Paulo (confira) e no blog Radar Online, da revista Veja (leia aqui). Para o fotógrafo Ed Ferreira, autor das imagens que ilustram esta nota, “o que agrava a situação é que a obra está sendo realizada num ponto bem próximo à barra dos rios Tijuípe e Tijuipinho, que agora estão ameaçados.
Guilherme Leal é um dos principais opositores ao projeto de construção do Complexo Intermodal Porto Sul, que será implantado na zona norte de Ilhéus. O complexo contará com porto, aeroporto e ferrovia, num investimento estimado em R$ 6 bilhões.

10 respostas

  1. Já percebi que para o Pimenta, “devastação nos olhos dos outros é refresco” Defendem cegamente o Porto Sul, falando tanto em progresso e criminalizando os ambientalistas, e nesse caso do vice da Marina Silva só faltam vestir uma camisa do Greenpeace, e ir protestar na área. Confuso isso!
    Da Redação: “Jonas”, o blog falou de um desmatamento ilegal, sem autorização do Ibama e sem observância aos seus impactos. É isso.

  2. A traíra se juntou ao farsante:Marina Silva e Guilherme Leal. Isso é para os ingênuos acordarem antes de embarcarem na mentira romântica dos “defensores da natureza”.
    Marina Silva já faz parte da galeria dos entreguistas que a nação precisa expurgar. Dilma Rousseff neles, meu povo!

  3. A redação: E desde quando uma imensa área a ser devastada sem a conclusão em tempo previsto por lei do EIA/RIMA pode ser considerada uma devastação legal? o que é o caso do Porto Sul.
    Antes de qualquer coisa quero deixar claro que não acho correto a devastação feita nas propriedades do Sr. Guilherme Leal. Porém não acho que pelo fato de um projeto ser de origem governamental (com todas as chances de ser empurrado pela barriga)e que tende a gerar empregos (mesmo que não sejam tantos quanto antes prometidos, mas impulsionará a economia regional) tenha que ser considerado legal pelo simples fato de que as autoridades públicas tapam os olhos para as irregularidades no projeto.

  4. Votar em quem pelo amor de Deus?
    Ambientalista esse individuo? Capitalista como eu e 99% da populção!
    Se faltar dinheiro esses ai vendem até a mãe!

  5. Cadê os “ambientalistas” que se manifestem, a situação é a mesma, pois a area desmatada é superior a reto area do porto sul, ou será que só existem para boicotar o porto?

  6. enquanto isso em Serra Grande está havendo invasões em diversas áreas, favelas a vontade sendo criadas, esgoto ao ceu aberto e etc; tudo por conta do pau e ninguém reclama nem vai tirar foto. Além do desmatamento um alto grau de poluição e inclusive os invasores na grande maioria tem casa já na vila, estão somente tirando proveito da situação. no meu ver isso não passa de intriga de politicagem, esse cidadão aí tem feito muito pela vila.
    na estrada estão desmatando aos olhos de todo mundo na beira da pista para implatação de posto de combustível, cadê a imprensa?

  7. A Marina Silva vai ter de procurar outro lugar para pedir voto. Na nossa região, ela dificilmente seria dissociada do candidato a vice que derruba árvores para montar a mansão dos sonhos e depois vem arrotar que devemos abrir mão do projeto do Porto Sul. Como diz o ditado, “diz-me com quem andas e te direi quem és”.

Deixe aqui seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.