Tempo de leitura: 2 minutos

EXCLUSIVO

Área será transformada em complexo de lazer (foto Ed Ferreira)

O Ibama ainda não concluiu o relatório sobre um possível crime ambiental na fazenda Modusvivendi Participações Ltda, em Uruçuca (BA). Foi o que nos afirmou, por telefone, o chefe do escritório do órgão em Ilhéus, Fernando Curi.
Na última sexta, 16, o presidente do Ibama, Abelardo Bayma (confira aqui), se apressou e deu a investigação como concluída e afirmou que não teria havido irregularidades na fazenda.
A propriedade de 80 hectares, no litoral de Uruçuca, pertence ao empresário e candidato a vice-presidente da República, Guilherme Leal (PV).
O dono da Natura Cosméticos foi denunciado por ter cometido suposto crime ambiental na fazenda localizada no litoral sul-baiano.
O Pimenta conversou há pouco com o chefe do escritório do Ibama em Ilhéus (BA). Segundo Fernando Curi, o caso ainda está sob avaliação. “Temos procedimentos técnicos e estes ainda não foram concluídos. Vamos avaliar documentos, fazer verificações”, enumerou.
PAISAGEM MODIFICADA
Vice de Marina, Guilherme é acusado de crime ambiental em Uruçuca.

A análise não se prende aos documentos apresentados pelo dono da Natura Cosméticos há menos de uma semana. Os relatórios das vistorias do Ibama na fazenda também serão levados em conta. O documento apontava “edificações e outras instalações que alteraram a paisagem natural em área de Mata Atlântica”.
De acordo com o chefe do Ibama, há “muita coisa para ser analisada” e a previsão é de que o relatório dizendo se houve ou não crime ambiental na fazenda estará pronto “até a próxima semana”.
Perguntando se já não havia elementos que comprovariam a existência ou não de crime, Fernando Curi foi objetivo. “Só depois que [a análise] estiver pronta”.
ÁREA DE RESTINGA AFETADA
Nesta obra em Uruçuca, o empresário Guilherme Leal é acusado de promover desmatamento em Área de Proteção Permanente (APP) e executar edificações sem os respectivos Estudo e Relatório de Impacto Ambiental (EIA-Rima), exigidos para obras em áreas superiores a 50 hectares.
De acordo com o projeto, Leal pretende construir na área que fica entre o balneário de Serra Grande (Uruçuca) um luxuosíssimo condomínio residencial e área de entretenimento.
O dono da Natura teria iniciado as obras sem autorização do Ibama. Ele alega que a obteve do Governo do Estado e da prefeitura de Uruçuca. A prefeitura nega que tenha concedido licença ambiental.
O PV utilizou, ainda na sexta-feira, 16, a informação “errônea” do presidente do Ibama. No site do partido ao qual o empresário é filiado, publicou-se que o candidato a vice-presidente não havia cometido irregularidade (confira aqui). A presidenciável Marina Silva afirmava que a denúncia tinha o objetivo de “tisnar” (manchar) o seu vice.

7 respostas

  1. E OS AMBIENTALISTAS QUE FAZIAM
    MANIFESTAÇÃO TODOS OS DIAS?
    ESTE TAL GUILHERME LEAL
    É DA MESMA LAIA QUE ESSES
    AMBIENTALISTAS DE ARAQUE.

  2. Rapaz isto é que podemos chamar de uma barrigada em rede.
    O presidente do Ibama deve ter surtado, como pode dar uma declaração destas sem a conclusão dos relatórios.Creio que este cara deva ter sofrido uma tremenda pressão politica, mais esqueceram de combinar com o IBAMA de Ilhéus, escritório responsavel pelas analises. Este é o nosso universo politico.

  3. Estou ‘apopletica’ com a inclusão da palavra ‘tisnar’ no vernáculo político contemporâneo, gerando uma hermenêutica prolixa nos entendimentos radicais, da filosofia excêntrica dos esdrúxulos apaziguadores da mata fechada em glóbulos brancos dos silvicolas…….ufa.
    Cansei dona Marina, dá um tempo.

  4. queria ver a cara do blogueiro Gusmão. qual será proxima defesa que fará em favor do empresario? com certeza desqualificar os profissionais de sua terra

  5. Gostaria que o pimenta informasse em que pé está o laudo do Ibama.
    E seja lá qual for o veredicto, o vice do PV já está tisnado.

Deixe aqui seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.