Tempo de leitura: 2 minutos

O Rio Cachoeira, de passado glorioso e de inglório presente, está às portas da morte.
Assassinado por aqueles que deveriam preservá-lo.

Daniel Thame
Esqueçam os poemas, as canções, os quadros.
Esqueçam os artistas que, cada qual com sua arte, o eternizaram.
Esqueçam o passado.
E, muito provavelmente, esqueçam o futuro.
Porque não há futuro diante de uma morte tantas e tantas vezes anunciada.
O Rio Cachoeira, dos poemas, das canções e dos quadros, agoniza.
O Rio Cachoeira, de passado glorioso e de inglório presente, está às portas da morte.
Assassinado por aqueles que deveriam preservá-lo.
Poemas, canções e quadros podem exaltar belezas, mas não salvam rios.
Não salvaram o Rio Cachoeira.
Porque a salvação do Rio Cachoeira depende de ação, quando o que se verifica na realidade é a completa omissão.
Sobram promessas e escasseiam realizações que possam evitar o fim eminente.
A morte do Rio Cachoeira, tantas vezes anunciada até como maneira de alertar as pessoas, agora parece inexorável.
Porque cada dia que passa é um dia a menos num processo de salvação que não chega nunca.

Mergulhões nadam no rio poluído. "Bolhas" denunciam "qualidade" da água (Foto Zeka/Pimenta).

O Cachoeira hoje é um rio fétido, sujo, quase um insulto à natureza, ela que foi tão generosa a ponto de dar a Itabuna um rio caudaloso, de águas vibrantes, como a cidade que ele viu nascer, um século atrás.
O rio que era orgulho, agora se transformou em vergonha, não por sua própria culpa, por culpa dos que, durante décadas, o maltrataram.
Seu leito tornou-se um canal de esgotos, suas margens transformaram-se em depósito de lixo.
As garças ainda resistem, mas já dividem espaço com os urubus.
O rio vivo é cada vez mais um rio sem vida, triste legado às novas gerações.
A cidade assiste, impassível, a morte de um rio que a viu nascer e crescer.
Como se a morte de um rio fosse um processo natural, inexorável.
Não é.
Porque o que está ocorrendo com o Rio Cachoeira não tem nada de natural.
É um assassinato.
Frio, cruel e desumano.
Salvemos o Cachoeira.
Se é que ainda há tempo para isso…
Daniel Thame é jornalista, blogueiro e autor de Vassoura.

5 respostas

  1. Se liga Alice que esse Wenceslau vai te trair. A principal dobradinha dele foi com Felix Jr; depois foi Luiz Argolo. Ele só dobrou com você na UESC.

  2. Como o Rio não é apenas municipal, mas regional, as autoridades estaduais e federais é que teriam de ter maior responsabilidade – e sensibilidade – e começar um trabalho de saneamnto básico nos diveros municípios, inclusive em Itabuna, assim como um trabalho de conscientização da população, mas ignoram totalmente o tema, …!!!
    O Rio Cachoeira, diferentemente do Tietê, por exemplo, não tem problema com resíduos tóxicos e/ou metais pesados, já que por aqui há muito poucas indústrias. Na verdade, quase nenhuma. A maioria dos resíduos que são jogados no rio são orgânicos, tais como esgoto não tratado, …!!!
    Hoje em dia, com a crise na lavoura cacaueira, até mesmo o excesso de cobre, resultado das pulverizações nos cacauais, não mais existe, …!!!
    O problema não é de difícil solução. Basta vontade política, …!!!
    A propósito, qual dos candidatos eleitos Deputados Estaduais e/ou Federais que “representam” a nossa região falaram nisso durante a campanha, …?!?!?!
    Mas os abestalhados daqui votarem num monte de gente, não foi, …?!?!?!
    O nobre jornalista, autor deste texto tão romântico, será que votou em alguém? Será que esse alguém estaria comprometido (a) com a revitalização do Rio Cachoeira, …?!?!?!
    Se tivesse alguém falando nisso em campanha, certamente eu votaria também, não anularia o meu voto para Deputado, em protesto contra os inoperantes de sempre, os Copa do Mundo, os forasteiros que sempre aparecem nas épocas eleitorais, …!!!
    Meu voto na Marina, para Presidente, foi justamente por causa da perocupação dela com o meio ambiente, …!!!
    Então, o povo daqui irá continuar na mesma situação que se encontra, ou pior, …!!!
    A maioria dos políticos só se lembram daqui qando vêm pedir votos, mais nada, …!!!
    Sendo assim, ficamos com o romantismo bobo de alguns nefelibatas, além de uma situação de impermeabilidade, insensibilidade e refratarismo de muitos outros, …!!!
    De concreto mesmo, nada se faz, …!!!
    O grande problema aqui da região é a falta de consciência – e de educação – das pessoas, assim como a falta de auto estima, que nos leva à vala comum da mediocridade, …!!!
    COISA TRISTE, …!!!

  3. Comentários do Sr. Sérgio é vazio e inócuo. Pessoa da direita só defende a direita. Ele que deve ter votado em Azevedo, ACM Neto, César Borges, Serra etc, etc…nunca vai elogiar ninguém do outro lado.
    Rapaz, o Rio Cachoeira é regional, mas a pressão maior de contribuições por despejos de esgoto é em Itabuna. Matéria orgânica em excesso num rio que pede socorro, claro ue vai acabar de matar, pois existe uma competição entre bactérias, peixes, plantas por oxigênio o que acaba complicando mais a vida do rio. Quem deveria cuidar do Rio é justamente as cidades por onde ele passa com responsabilidade maior para Itabuna. Para onde vão nossas taxas de esgotos? O sr. sabe Sr. Sérgio? Vá à prefeitura e pergunte aos seus correligionários para ver se eles tem uma resposta concreta. Estamos todos ansiosos por esta resposta. Aí o sr. vem no blog ou em qualquer outro canal de divulgação e fale para o povo, ok?

  4. A Poluição é o câncer do rio, a população são as células cancerígenas, e a preservação do rio pode ser a quimioterapia, o que pode resolver, mas não é garantido se o câncer estiver em estagio final.

  5. a construção de um interceptor de esgoto ao longo de todo o rio (trecho de itabuna) ja aliviaria muito o sofrimento do RIO..
    na ponta final do interceptor, seria feito uma estação de tratamento de esgoto..
    Isso seria uma obra para competência da EMASA executar com recursos do Ministerio das cidades..desde que se apresente um projeto viável..
    o grosso do esgoto é produzido em itabuna..então itabuna poderia tomar a iniciativa..
    seu prefeito..entregue a EMASA para o estado que eles tem mais condições de gerir a coisa publica do que vocês..

Deixe aqui seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.