Tempo de leitura: < 1 minuto
Trecho tem sinalização ruim e muitos buracos (Foto Pimenta/Arquivo).

A imprudência dos motoristas e a precária sinalização na BR-415, trecho Ilhéus-Itabuna, tem sido apontados como principais causas de acidentes neste trecho da rodovia, entre os mercadões de atacado e o viaduto da entrada de Itabuna. Na segunda, 2, o Peugeot JMK-2051 e a caminhonete Ranger NZL-7343, dirigida pelo funcionário público estadual Raul Villas Boas, colidiram no trecho dos supermercados Makro e Atacadão. Além do susto, os motoristas nada sofreram.

Segundo o funcionário público, a motorista que ia à sua frente na pista deu sinal de conversão à esquerda para se dirigir a um dos atacadões em vez de ir ao acostamento à direita e fazer o contorno. O choque, diz ele, foi inevitável e causou danos materiais.

Além de não obedecer à sinalização, alguns condutores sinalizam a conversão que pretendem fazer, sem observar se outros veículos vêm atrás, o que acaba em choques e abalroamentos. Em sua opinião, o Derba deveria colocar quebra-molas no local para diminuir o numero de acidentes.

O chefe da Residência do Derba, Fernando Sanches, não foi encontrado para falar sobre o assunto. De acordo com a assessoria, Fernando está em viagem a Salvador. O trecho em frente aos atacadões é cheio de buracos e o mato está avançado sobre a pista.

11 respostas

  1. Acidente de trânsito, o grande mal que pode ser evitado

    No mundo segundo a OMS, os acidentes de trânsito são a maior causa de morte entre as pessoas de 10 a 24 anos. Pelo menos 1,2 milhões de pessoas perdem a vida todos os anos nas rodovias e estradas mundo afora.

    Os países em desenvolvimento provocam 400 vezes mais mortes que o terrorismo. Matam quatro vezes mais que as guerras e os conflitos.

    Na Colômbia em 43 anos de guerra civil morreram 32 mil e em Cuba, Fidel Castro com o regime Castrista em 49 anos de poder mandou matar 17.000.O número de acidentes de trânsito no Brasil é alarmante. Segundo as estatísticas, morre por ano vítima desse mal, mais pessoas do que os 40.000 americanos que morreram durante os dez anos de guerra no Vietnã.

    No Brasil morreram em um só ano (2010) 40.610 pessoas em acidentes. O que nos deixa em uma situação bastante triste, é o fato de que os acidentes ocorrem, em sua maioria, por falhas humanas, principalmente nos finais de semana prolongado e durante as férias escolares quando aumenta o número de motoristas inexperientes nas rodovias.

    Rotina infeliz dos imprudentes que não sabem o que é comemorar datas festivas ou passear com a família. Proporcionalmente à população, o trânsito, no Brasil, é 90% mais perigoso que nos Estados Unidos e cinco vezes mais perigoso que na Inglaterra ou no Japão. É prioridade e é possível reduzir os números de vítimas. Cada pessoa deve participar dessa redução adotando comportamentos diferentes dos que predominam atualmente.

    Segundo o Ministério da Saúde, os acidentes e violências representam importante problema de saúde pública, que atinge países do mundo inteiro. O Brasil, nas últimas décadas, foi, aos poucos, colocando-se entre os campeões mundiais de acidentes de trânsito.

    Estudos feitos no País têm demonstrado que a violência no trânsito não se restringe aos grandes centros urbanos, sendo também identificada em cidades de médio porte como importantes causas de morbimortalidade. Apesar disso, ainda são poucos os estudos no que se refere à morbidade dos acidentes de trânsito.

    Acidente de Trânsito no Brasil

    No ano de 2007, dados assustadores da Polícia Rodoviária Federal revelaram que 85% dos condutores de veículos envolvidos em acidentes de trânsito eram do sexo masculino com tempo de habilitação entre 5 a 9 anos e que se encontravam dirigindo entre 00:15 a 01:00h, apresentando sintomas de embriaguês. Cerca de 25% das vítimas fatais apresentavam sinais de álcool no sangue. Os fatores que contribuíram para essa triste realidade são apontados como sendo os seguintes:

    velocidade além da permitida;

    distância curta entre os veículos;

    não obediência à sinalização;

    ultrapassagens mal realizadas;

    sono;

    uso de drogas e bebidas alcoólicas.

    Quanto ao tipo de acidente de trânsito com maior ocorrência foi constatada a “colisão na traseira”. 65% das ocorrências foram registradas com o “tempo bom” , 55% em plena luz do dia, 70% em pistas simples, 70% na reta. O mais triste e vergonhoso é que mais de 90% dos acidentes tiveram como causa principal a falha humana.

    O número de acidentes causados pela imprudência dos motoristas, batendo na traseira do veículo que vai a frente é tão grande que a jurisprudência considera quem bate atrás como culpado. A mídia está repleta de depoimentos de motoristas causadores de acidentes que afirmam que os freios de seu veículo não funcionaram a tempo de evitá-lo.

    Através desses dados, algumas providencias poderiam ser tomadas para se tentar diminuir esse quadro. Acreditamos que o caminho correto poderia ser através de uma melhor educação.

    Nos países onde o índice de educação é elevado o número de acidentes de trânsito é reduzido.

    Na América Latina, o Brasil é o campeão em acidentes de trânsito envolvendo caminhões o que só tende a se agravar com o crescimento econômico. A frota nacional de veículos em 2009 ultrapassou os 31 milhões e a malha rodoviária, onde predomina o tipo de pista simples, continua a mesma há décadas.

    Os caminhões representam apenas cerca de 5% da frota mas, participam de 33% dos acidentes. Estão envolvidos em 8.500 mortes (2.500 motoristas) e 110 mil acidentes por ano com um custo de 7,7 bilhões ano (IPEA).

    O aumento dos acidentes com caminhões está relacionado à frota velha (transportadores autônomos), falta de norma para controle de tempo de direção e descanso dos motoristas, excesso de peso nos veículos utilizados no transporte de cargas, falta de balanças nas rodovias e estradas sem condições de uso.

    Em São Paulo, (2010) os acidentes com caminhões são cada vez mais comuns. Só no Estado são dois por dia. Entre as causas esta o grande tempo ao volante, a falta de sinalização e o excesso de velocidade. Acreditamos que uma boa dose de treinamento reduziria esse índice.

    Os custos anuais com os acidentes de trânsito no Brasil de acordo com o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada – IPEA, em 2007 ultrapassaram R$ 30 bilhões.

    A morte de uma pessoa em acidente de trânsito custa em média R$ 291,00.

    O trânsito brasileiro tem deixado por ano aproximadamente 50.000 mortos, 100 mil pessoas com deficiências temporárias ou permanentes e 500 mil feridos.

    Não queira fazer parte desta estatística, seja prudente no trânsito.

    Mortes no trânsito têm alta de 25% em 9 anos.

    Em 2002, 32 mil morreram no trânsito. Em 2010, foram 40,6 mil mortes.

    Levantamento do Ministério da Saúde, com base em dados do Sistema de Informações de Mortalidade (SIM), mostra que o Brasil registrou no ano de 2010 40.610 vítimas fatais no trânsito, um aumento de quase 25% em relação ao registrado nove anos antes, em 2002, quando 32.753 morreram.

    Entre as regiões do país, o maior percentual de aumento na quantidade de óbitos foi registrado no Norte (53%), seguido do Nordeste (48%), Centro-oeste (22%), Sul (17%), e Sudeste (10%).

    De acordo com o Ministro Alexandre Padilha os estados que conseguiram apertar a fiscalização e impedir que qualquer pessoa alcoolizada pudesse dirigir conseguiram reduzir os acidentes.

    Motocicletas

    Do total de mortes no trânsito no ano de 2010, 25% delas foram ocasionadas por acidentes de moto. Em nove anos, a quantidade de mortes por motociclistas quase triplicou, alcançando 10.134 mortes no ano de 2010, ante os 3.744 mortes em 2002. Esses números revelam que o país vive uma verdadeira epidemia de lesões e mortes no trânsito.

    Os resultados do índice de acidentes com motos são preocupantes. Em nove anos, houve crescimento de 214% no número de mortes no Sudeste, 165% no Nordeste e 158% Centro-oeste. Sudeste é a região mais alarmante, respondendo por 14.214 vítimas fatais em 2010. Depois aparece o Nordeste com 11.233 mortes, seguido pelo Sul, respondendo por 7.548 mortes. O Norte é a região mais pacífica no trânsito, com 3.340 vítimas fatais.

    Conceito de Acidente de Trânsito

    Acidente de trânsito é conceituado como todo acontecimento desastroso, casual ou não, tendo como conseqüências danos físicos ou materiais, envolvendo veículos, pessoas e ou animais nas vias públicas.

    A Classificação dos acidentes de trânsito quanto às conseqüências pode ser:

    Simples – Sem vítimas ou com danos de pequena importância.

    Graves – Com vítimas ou com danos de grande monta.

    Os Tipos de acidentes de trânsito de acordo com as características da ocorrência são:

    Colisão = frontal, traseira, lateral no mesmo sentido, lateral no sentido oposto, transversal;

    Atropelamento = de pedestre, de animal;

    Tombamento;

    Capotamento;

    Outros.

    Causas mais comuns em Acidentes de Trânsito

    O erro humano, em todo mundo, é responsável por mais de 90% dos acidentes de trânsito registrados, ceifando muitas vidas. Porém, os números brasileiros são alarmantes e disparam na frente de qualquer país do mundo.

    O estado emocional também pode retardar os reflexos e o tempo de reação de um motorista. O indivíduo que traz para o volante suas preocupações decorrentes do dia-a-dia, poderá alterar muito seu tempo de reação, principalmente em função do baixo nível de concentração na atividade de dirigir.

    Pessoas imaturas também constituem um grupo de grande propensão para sofrerem acidentes no trânsito, uma vez que sua necessidade de auto-afirmação faz com que ajam impulsivamente, agridam e/ou desrespeitem os direitos e a vida dos demais. Esse tipo de comportamento é altamente difundido no trânsito brasileiro.

    Principais imprudências determinantes de acidentes de trânsito fatais no Brasil, por ordem de incidências:

    velocidade excessiva;

    dirigir sob efeito de álcool;

    distância insuficiente em relação ao veículo dianteiro;

    desrespeito à sinalização.

    Principais causas de acidentes de trânsito e como evitá-los de acordo com cada tipo:

    Colisão: acidente em que há impacto entre dois veículos em movimento, podendo ser:

    Colisão frontal: ocorre quando dois veículos transitam em sentidos opostos e na mesma direção.

    Causas principais:

    ultrapassagens mal realizadas;

    velocidade acima da permitida;

    falta de atenção;

    desobediência à sinalização;

    uso de bebidas ou drogas.

    Como evitar:

    na dúvida não ultrapassar;

    respeitar os limites de velocidade, principalmente nas curvas para evitar que a força centrífuga arraste seu veículo para a faixa de trânsito do sentido oposto;

    obedecer a sinalização;

    dirigir com atenção;

    não beber e não usar de drogas.

    Colisão na traseira: ocorre quando dois veículos transitam no mesmo sentido e o de trás vai de encontro ao outro.

    Causas principais:

    ausência da distância de segurança;

    velocidade acima da permitida;

    falta de atenção;

    desobediência à sinalização;

    uso de bebidas ou drogas.

    Como evitar:

    mantenha sempre uma distância segura, obedecendo a regra dos segundos – 51-52-53;

    obedecer a sinalização;

    dirigir com atenção;

    respeitar os limites de velocidade;

    não beber e não usar drogas.

    Colisão lateral mesmo sentido: ocorre quando os veículos em movimento transitam no mesmo sentido e no momento da ultrapassagem (ou passagem) sofrem o impacto nas laterais.

    Causas principais:

    ausência da distância de segurança (lateral);

    ultrapassagens mal realizadas;

    desobediência à sinalização;

    falta de atenção;

    uso de bebidas ou drogas.

    Como evitar:

    manter distância de segurança respeitando a distância lateral;

    ultrapassar com segurança;

    obedecer sinalização;

    dirigir com atenção;

    não beber e não usar drogas.

    Colisão lateral sentido oposto: ocorre quando os veículos transitam em sentidos opostos e ao se cruzarem há o impacto lateralmente.

    Causas principais:

    ultrapassagens mal realizadas;

    curvas mal realizadas;

    desobediência à sinalização;

    velocidade acima da permitida;

    veículo fora de sua faixa própria;

    uso de bebidas ou drogas.

    Como evitar:

    na dúvida, não ultrapassar;

    obedecer os limites de velocidade, principalmente nas curvas;

    obedecer a sinalização;

    manter o veículo na faixa própria;

    não beber e não usar drogas.

    Colisão transversal: ocorre quando dois veículos transitam em sentidos que se cruzem.

    Causas principais:

    desobediência à sinalização;

    falta de atenção;

    operação de cruzamento sem atenção;

    velocidade acima da permitida;

    uso de drogas e bebidas.

    Como evitar:

    obedecer a sinalização;

    dirigir com atenção;

    ao se aproximar do cruzamento tirar o pé do acelerador e colocá-lo sobre o pedal de freio, olhar para os dois lados para efetuar o cruzamento com segurança;

    reduzir a velocidade;

    não beber e não usar drogas.

    Colisão com objeto fixo: acidente que se caracteriza pelo impacto de um veículo em movimento contra qualquer objeto fixo (árvore, poste) ou em um veículo parada ou estacionado.

    Causas principais:

    falta de atenção;

    desobediência à sinalização;

    velocidade acima da permitida;

    sono;

    uso de drogas e bebidas.

    Como evitar:

    dirigir com atenção;

    respeitar a sinalização;

    obedecer os limites de velocidade;

    descansar antes de cada viagem;

    não usar drogas e não beber.

    Atropelamento: acidente em que um veículo em movimento vai de encontro a uma ou mais pessoas ou um ou mais animais atingindo-os causando-lhes o óbito, lesões graves ou não.

    Atropelamento de pedestre: acidente em que uma ou mais pessoas são atingidas por um veículo em movimento.

    Causas principais:

    velocidade não compatível com a segurança;

    falta de atenção;

    desobediência à sinalização;

    não atravessar a via em local seguro;

    uso de drogas e bebidas.

    Como evitar:

    obedecer a sinalização;

    dirigir com atenção;

    trafegar com velocidade compatível com o local;

    atravessar avia na faixa própria ou pela passarela;

    não usar drogas e não beber.

    Atropelamento de animal: acidente em que um ou mais animais são atingidos por um veículo em movimento.

    Causas principais:

    velocidade acima da permitida;

    falta de atenção;

    desobediência à sinalização;

    uso de drogas e bebidas.

    Como evitar:

    obedecer os limites de velocidade;

    dirigir com atenção;

    obedecer a sinalização;

    ao avistar animais na via, reduzir a velocidade e passar pelos mesmos lentamente. Nunca usar a buzina para afugentá-los.

    não usar drogas e não beber.

    Tombamento: acidente em que um veículo em movimento declina sobre um dos seus lados, imobilizando-se.

    Causas principais:

    velocidade acima da permitida;

    desobediência à sinalização;

    falta de atenção;

    pneus sem condições de uso;

    carga alta e mal arrumada;

    sono;

    uso de drogas e bebidas.

    Como evitar:

    trafegar em velocidade compatível com o local;

    obedecer a sinalização;

    dirigir com atenção;

    usar pneus em boas condições;

    transportar carga na altura regulamentar e bem acondicionada;

    descansar antes de cada viagem;

    não usar drogas e não beber.

    Capotamento: acidente em que o veículo em movimento gira em torno do seus eixo longitudinal chegando a tocar com o teto no solo imobilizando-se em qualquer posição.

    Causas principais:

    velocidade acima da permitida;

    desobediência à sinalização;

    falta de atenção;

    carga mal acondicionada;

    pneus sem condições de uso;

    uso de drogas e bebidas.

    Como evitar:

    trafegar em velocidade compatível;

    obedecer a sinalização;

    dirigir com atenção;

    transportar carga arrumada e na altura regulamentar;

    usar pneus em boas condições;

    não usar drogas e não beber.

    Outros: são os demais tipos de acidente que não se caracterizam com nenhum dos apresentados Como exemplos: incêndio, saída de pista.

    Nota:

    Em algumas rodovias existem curvas que apresentam inclinação com queda para o lado que se faz a manobra. Essa característica é chamada de “super elevação” e funciona como uma força centrípeta tendo como objetivo fazer o equilíbrio do veículo não permitindo que a força centrífuga arraste-o para fora do eixo da via evitando que sofra um acidente. Além disso, muitas destas rodovias são sinalizadas com placas de advertência ou de regulamentação advertindo sobre o perigo ou limitando a velocidade segura para o local. Além destas, existem outras com mensagens educativas do tipo: “Quem obedece a sinalização evita acidentes”. Mesmo assim, muitos motoristas não acreditam e acabam se envolvendo em acidentes e sofrendo sérias conseqüências causando tristeza e dor para seus familiares e de muitos outros inocentes.

    Obedecer a sinalização é viajar com segurança e conseqüentemente evitar acidentes de trânsito. Por isso, podemos afirmar:

    Acidente de trânsito é um grande mal que pode ser evitado, só depende de nós.

  2. MANCHETE:

    O ACIDENTE OCORREU POR CAUSA DO TEMPO CHUVOSO. VERDADE OU MENTIRA?

    MENTIRA.

    O ACIDENTE OCORREU PORQUÊ O CONDUTOR EXERCEU VELOCIDADE COMO SE ESTIVESSE NO TEMPO BOM (SEM CHUVA).

    O TRECHO DE ILHÉUS/ITABUNA HÁ POUCOS LOCAIS DE EULTRAPASSAGEM.

  3. QUEM É HABILITADO SABE DISSO, EXEMPLO NA CURVA NÃ HÁ NECESSIDADE DE PLACA

    Art. 220. Deixar de reduzir a velocidade do veículo de forma compatível com a segurança do trânsito:

    I – quando se aproximar de passeatas, aglomerações, cortejos, préstitos e desfiles:

    Infração – gravíssima;

    Penalidade – multa;

    II – nos locais onde o trânsito esteja sendo controlado pelo agente da autoridade de trânsito, mediante sinais sonoros ou gestos;

    III – ao aproximar-se da guia da calçada (meio-fio) ou acostamento;

    IV – ao aproximar-se de ou passar por interseção não sinalizada;

    V – nas vias rurais cuja faixa de domínio não esteja cercada;

    VI – nos trechos em curva de pequeno raio;

    VII – ao aproximar-se de locais sinalizados com advertência de obras ou trabalhadores na pista;

    VIII – sob chuva, neblina, cerração ou ventos fortes;

    IX – quando houver má visibilidade;

    X – quando o pavimento se apresentar escorregadio, defeituoso ou avariado;

    XI – à aproximação de animais na pista;

    XII – em declive;

    XIII – ao ultrapassar ciclista:

    Infração – grave;

    Penalidade – multa;

    XIV – nas proximidades de escolas, hospitais, estações de embarque e desembarque de passageiros ou onde haja intensa movimentação de pedestres:

    Infração – gravíssima;

    Penalidade – multa.

    NESSES CASOS É INFRAÇÃO DE TRÂNSITO

  4. Os acidentes podem ser não evitáveis e evitáveis.

    O acidente não evitável é um acontecimento casual, fortuito, imprevisível em que ninguém tem culpa. Os envolvidos são vítimas porque nada puderam fazer. São acidentes não evitáveis: um vendaval que destrói árvores, um raio que atinge uma casa.

    O acidente evitável é um acontecimento causal, isto é, consequência de várias causas que poderiam ter sido evitadas por atitudes defensivas. São atos ilícitos, podendo chegar aos crimes e às contravenções.Os envolvidos são culpados e não vítimas, tendo que responder por seus atos perante a lei. A maioria dos acidentes de trânsito são acidentes evitáveis porque sempre há alguém que deixou de fazer alguma coisa para evitar que acontecessem: desrespeitou a sinalização, não cuidou do veículo, transgrediu normas.

    Por exemplo:
    Art. 203. Ultrapassar pela contramão outro veículo:

    I- nas curvas, aclives e declives, sem visibilidade suficiente; II – nas faixas de pedestres; III – nas pontes, viadutos ou túneis; IV – parado em fila junto a sinais luminosos, porteiras, cancelas, cruzamentos ou qualquer outro impedimento à livre circulação; V – onde houver marcação longitudinal de divisão de fluxos opostos do tipo linha dupla contínua ou simples contínua amarela:
    Infração: gravíssima;
    Penalidade: multa.

  5. Na verdade, dentre outras coisas, já seria necessário, irrefutável, a duplicação a rodovia, …!!!

    Com a chegada de novos empreendimentos, Escola Técnica Federal, expnsão (criação de novos cursos) na UESC, conjunto habitacional, loteamento, apartamentos, e por aí vai, além dos três atacadões – um em construção – o aumento natural das populações de Ilhéus e Itabuna, a estrada já está obsoleta, ultrapassada, …, virou uma roleta russa, …!!!

    Juntando tudo isso à falta de educação das pessoas, dos condutores de veículos, só pioram as coisas, …!!!

    Mas a culpa maior é dos políticos, dos Deputados, pois a verba para a duplicação da referida rodovia acabou de ser cortada, mas ninguém se manifestou a esse respeito, mas todos eles querem os votos dos bestas, inclusive para Prefeito, …!!!

    Nem uma passeata foi organizada em Ilhéus e/ou Itabuna, para protestar a respeito da decisão, …!!!

    Alguns clubes de serviço (Rotary, Lions, edentre outros) se limitaram a distribuir alguns adesivos para carros, masis nada, comprovando, mais uma vez, o conformismo e a inoperância desse povo, …!!!

    Em pior situação ficou Ilhéus, pois mais de 90% do trecho em questão, da referida rodovia, está no município vizinho, em território ilheense, …, mas eles estão numa usura tremenda, sem querer liberar parte alguma do território para Itabuna, …!!!

    Eita, Povo Gabriela, …!!!

  6. Não precisa ir muito longe… estamos atrasados e com líderes fracos… bastava um viaduto.

    Isso é comum em estados do sul e sudeste….

  7. O Município de Ilhéus e o Derba são os responsáveis por todos esses acidentes, porque não exigiram das empresas que façam rotatórias? A entrada da Ceplac, tem uma mini rotatória que resolve satisfatoriamente. Quebra-molas é coisa de rua estreita e de cidade pequena.

    Os quebra-molas servem apenas para deixar o trãnsito muito lento e não assegura a mínima segurança, pois “pilotos” apressados ultrapassam pela contramão, o que torna a via mais perigosa.

  8. Nossa! Parabéns, Antonio Filho! Grande e utilissima exposição didática!

    Nesse Planeta Brasil, onde as pessoas adqirem bens para mostrar aos outros seu “poder”, o pagamento da conta é altissimo. Montadoras de veículos, empresas de crédito e governo, só querem vender, vender, sem se preocupar com a educação de quem vai utilizar os veículos e sobretudo com os prejuízos financeiros, emocionais e físicos causados pelos acidentes.

    A população nem atenta para as vagas dos hospitais roubadas pela violência no trânsito, só quer bradar. A Previdência cria mecanismos para não conceder aposentadoria a quem tem direito, mas não se incomoda de conceder pensão vitalícia aos estropiados do trânsito, sem pestanejar. Está na hora de criar parceria com as montadoras para manter serviços previdenciários, ao invés de onerar a população.

  9. PERFEITO CARO SERGIO GOMES, AÍ ME APARECEM ARGUMENTOS EM EXAUSTÃO PRA DIZER ALGO TÃO SIMPLES: PRECISA-SE NA 415 DE VIADUTO, DUPLICAÇÃO ETC…. ESQUECEM PROPOSITALMENTE DE TOCAR NA ESSENCIA DO QUE VEM CAUSANDO OS ACIDENTES…. CLARO NADA JUSTIFICA IMPRUDENCIA NO TRANSITO MAS AINDA MANTER UMA ESTRADA DE 50 ANOS ATRAS…..POR FAVOR!!!!!!! WAGNER TA´AÍ NA MOLEZA E OS ABESTALHADOS NADA RECLAMAM, GERALDO VENDA DE EMENDAS TÁ PREOCUPADO EM CAIXA PRA SUA CAMPANHA…… E PRA ELE QUANTO PIOR MELHOR PARA JUSTIFICAR OS DESGOVERNOS DE ADVERSARIOS SEUS…E O POVO QUE DELEGOU-LHE PODERES TANTO A WAGNER E GERALDO….. NADAAAAAAAA CONDIÇÕES MÍNIMAS DE TRANSITOS NÃO EXISTEM NAS ESTRADAS DO SUL DA BAHIIIIIIA.
    A EDUCAÇÃO E SEGURANÇA OUTRO DESCALABRO…….. AS ELEIÇOES MUNICIPAIS ESTÃO AÍ… VAMOS VER… QUERO VER SE VÃO VOTAR NOS CANDIDATOS DO PT.. A REGIÃO SUL BAHIA DEVE DAR UM RESPOSTA AO PTISMO INOPERANTE….. AQUI EM ITABUNA VOTAR EM QUALQUER OUTRO SEJA DEM, PC DO B, PRB JAMAIS O PT. LUCCA

  10. Muito boa aula do Antonio Filho! 😉

    É preciso mais educação no trânsito pra reduzir as imprudência, creio que desse modo as ocorrências iriam reduzir pela metade.

    Contudo, por essas bandas tem muita gente ignorante. Por aqui o pedestre é atropelado enquanto ali em Petrolina ele põe o pé na faixa e o carro já vai parando com antecedência.

    Creio que poderiam colocar os “pardais”, não quebra molas arcaicos. Quem não reduzisse a velocidade seria multado.

  11. Bastava um viaduto!
    Mas, como estamos falando de Ilheus e Itabuna, um quebra molas antes e depois já melhorava e muito…

Deixe aqui seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.