Tempo de leitura: < 1 minuto

Mais um capítulo triste na história da cultura de Itabuna. Depois de ter as contas de 2011 rejeitadas pelo TCM, a Fundação Itabunense de Cultura e Cidadania (Ficc) sofreu corte no fornecimento de energia elétrica por falta de pagamento. A sede da entidade, na Praça Laura Conceição, está sem luz desde o início da semana.

É um fim de gestão realmente melancólico. Não dá nem para pedir ao último que sair para apagar a luz…

13 respostas

  1. SETRAN – A situação no Setran de de abandono do secretário, a dias ele não aparece na secretaria, taxistas que precisam resolver assuntos fazem plantão e ele não aparece para trabalhar. Um simples documento para instalação de taximetro não é emitido pois somente ele assina, não dá para entender uma organização que não exista o seu substituto eventual.

  2. Esse apagão aconteceu desde o começo do ano quando divulgaram mais de 30 cursos de artes, e deixou meu filho na saudade e na expectativa de fazer um curso de violão…mas só sobrou o “aõ” de Ladr…, e a cultura no chão e tudo acaba em cervejão, no clima do apagão, ão, ão, ão, ão.

  3. Realmente é um absurdo a “gestão” de Azevedo`.O prefeito atual(Azevedo) é o PIOR da história de Itabuna e ainda teve gente que votou no mesmo,mas graças ele não se reelegeu,para o bem da cidade.Fora Azevedo.

  4. Oi seu Pimenta,
    é lamentável pq o que se espera de uma classe que ao longo de tanto tempo foi um braço importante na luta pela justiça, direitos, compromisso do poder público com os interesses do povo, quando lhe é dada a chance de mostrar seu valor, alguns péssimos representantes da classe age de forma a envergonhá-la. Mas, ainda bem, sabemos quanto isso é subjetivo, vamos torcer para que o próximo gestor da pasta revitalize a nossa fé.

  5. Amigo Davidson e demais “Pimenteiros”,

    A Nova Regra Ortográfica que rege o léxico brasileiro põe a seguinte regra para o acento diferencial:

    “Acentuação – some o acento diferencial.

    Antes:
    Pára, péla, pêlo, pólo, pêra, côa, dá.

    Depois:
    Para, pela, pelo, polo, pera, coa, da.

    Permanece apenas em pôr (verbo) e pôde (pretérito). Dêmos (P. P. do subjuntivo) e fôrma (substantivo) pode receber acento circunflexo (facultativo)”

    Como todos podem ver,obrigatório mesmo só no “pôr” e “pôde”, de forma que “dá”, como escrito nesta nota acima, está com a grafia antiga.

    Só chamo a atenção porque tenho visto reiteradas vezes e, pelo carinho e cuidado com o Pimenta, quero que ele não “infrinja” as Leis…rsrs

    Abraço forte,

    Da Redação: Gustavo, dê uma olhadinha neste link com a conjugação do verbo, já conforme o novo Acordo Ortográfico: http://www.conjuga-me.net/verbo-dar

  6. O pior é poder afirmar: Nunca na história se gastou tanto dinheiro na cultura de Itabuna. Lembro do tempo em que não haviam recursos para se comprar papel higiênico. Para não dizerem que estou mentindo foram tempos de Selem Rachid na função de diretor de cultura.
    Infelizmente, hoje e sempre, a FICC não passa de um cabide de empregos e moeda de negociatas políticas.
    E, por conversas que chegam aos nossos ouvidos, nada mudará. Teremos alí acabidados algumas personas dessa história ficcdiadiana.

  7. A cultura em Itabuna está na UTI há décadas.Só não morreu ainda pela bravura de alguns artistas de fibra.Espero que Vane corrija esse erro histórico,já que Itabuna é um celeiro de grandes artistas.

  8. realmente a Ficc nunca recebeu tanto recursos como nesta gestão, mais nem todo dinheiro foi devidamente aplicada onde deveria ser, voltando no tempo temos: Paixão de Cristo , ator Global contratado para sair do Rio para Itabuna , Diretor do Espetáculo contratado para vim de Salvador para Itabuna, não que eles não mereçam serem contratados pois são ótimos profissionais, cenário riquissimo, figurino não pode se dizer que foi alugado com um grupo de jovens da igreja Maria Goretti, so ai ja se gatou uma fortuna, após isso teve um espetáculo de um grupo que iria a santa catarina apresentar uma peça, o diretor do epsetáculo segundo informações foi a cidade com dinheiro da FICC, o cenário usado para esta peça ficou jogado as traças no centro de cultura adonias filho até que a direção do lovcal usasse esta madeira como bem queria , dinehro de patrocinio da FICC no valor de R$ 700,00 jogado fora
    e por ai vai os desmandos da FICC

  9. E os vinte violões que compraram a mais de um ano, ninguém sabe pra onde foi e nunca foram utilizados, onde estão?. Sou professor e até hoje esperei por esses violões e os cursos que não aconteceram…aí sofre o artista e a população. Espero q Vane mude essa história.

Deixe aqui seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.