Tempo de leitura: < 1 minuto

José Alencar pediu o boné
José Alencar pediu o boné

É evidente que os eleitores do atual prefeito de Itabuna, Claudevane Leite (PRB), não engolem nomeações de ex-colaboradores diretos do governo Azevedo, e uma das escolhas equivocadas mais simbólicas foi a do ex-secretário do Desenvolvimento Urbano, José Alencar.
A nomeação de Alencar para uma diretoria da Secretaria de Planejamento e Tecnologia causou estranheza e ajudou a dissolver rapidamente a marca da mudança, a qual Vane usou e abusou em campanha, conseguindo convencer a população de que ela passaria a respirar novos ares.
Diante da reação negativa, Alencar pediu o boné. Segundo o blog Políticos do Sul da Bahia, a carta de exoneração foi entregue ao prefeito neste fim de semana. Vane, sem titubear, aceitou.

0 resposta

  1. Boi de Piranha. Sacrifica-se uma rês de menor valor para poupar as mais preciosas do rebanho.
    Interessante que nesse caso anômalo nós é que iremos alimentar essa boiada carnívora.

  2. Zelão, diz: – Coerência: – O que sobrou em Alencar, faltou ao governo de Vane.
    “Não importa se foi por “livre e expontanea pressão” que Alencar pediu demissão, o fato por ele gerado, significa que a sua nomeação foi um erro político do governo Vane.”
    O pedido de exogenração de Alencar não apaga todos os erros cometidos até agora pelo governo – que não diria ser exclusivamente do prefeito Vane. Não acredito que outros tomem a mesma decisão tomada por Alencar, nem que o governo tenha a coragem de “gerar a sua primeira crise política,” pela quebra de “compromissos assumidos,” ainda na campanha.
    Como ficará, por exemplo, a situação dos cargos dados ao vereador Ruy Porquinho, um dos “homi de Azevedo,” que ganhou de porteira fechada a secretária de Agricultura?
    Por incompetencia ou submissão aos compromissos (mesmo expúrios) assumidos durante a campanha, o governo do prefeito Vane, dirigido na prática pelo vice Wenceslau – começou muito mal: – Manteve os compromisos com os “new aliados” e rompendo os compromissos de mudança, assumidos com o povo.

  3. O que José Alencar fez foi mais do que um favor a sociedade Itabunense pois a incompetência dele faria mais alto agora só falta vane com um pouco de coerência botar pra fora o resto da corja de qual foram indicado por alguém que esta tentando passar a perna no atual prefeito com essas nomeações errôneas agora já esta mais do que na hora do amigo vane rever as nomeações que se fale meu amigo mariano tirar esta quadrilha da prefeitura logo todos sabem que rui porquinho é mau caraté e vane sabe que quem se mistura com porcos farelos come, ou até mesmo lavagem que me desculpe meu amigo vane de que eu tanto gosto e admiro por ter uma postura exemplar espero que ele reveja estas nomeações pra lá de perigosa no seu governo….

  4. Esta ação que o Sr.José Alencar fez demonstra que o mesmo é um Ótimo caráter. O que a turma do PT,não as têm. UM EXEMPLO CLÁSSICO DESTES BANDIDOS E CHEFE DE BANDOLEIROS DE ESTRADAS É O SENHOR JOSÉ GENUINO,CONDENADO E CARA DE PAU ASSUME COMO DEPUTADO
    FEDERAL.JOGA A SOCIEDADE BRASILEIRA NA VALA DO LIXO ATÔMICO,BEM
    COMO AS INSTITUIÇÕES REPUBLICANAS.

  5. To curioso em saber quem eh mais AZUL, se eh o VERDE de VANE ou o VERMELHO de WENCESLAu. Curioso eh que os azevedistas contratados são totalmente tecnicos, mas eu nao revelarei de que tecnica estamos tratando, por questão de educação.

  6. E ALFREDO MELO,COMO VAI FICAR A SITUAÇÃO DELE,SÓ PRA LEMBRAR VEJAM ABAIXO O SEU VASTO CURRICULO.
    TCM aponta todos pecados de Alfredo Melo
    quando foi presidente da Empresa Municipal de Água e Saneamento. O relatório do Tribunal de Contas dos Municípios (TCM) derruba, com facilidade, o discurso do governo de que a nomeação do ex-presidente da Emasa, Alfredo Melo, para a diretoria de projetos da Secretaria de Desenvolvimento Urbano tem relação com o zelo pelo bem público.
    Alfredo foi presidente por dois anos e teve duas contas rejeitadas, uma delas reconsiderada pelos conselheiros do TCM. A outra, de 2009, estava cheia de irregularidades insanáveis, como o descumprimento da lei 8.666/93, fragmentação de despesas, gastos injustificáveis e diárias excessivas.
    De acordo com o TCM, Alfredo Melo fragmentou despesas que somaram R$ 120.834,15 e deixou de fazer licitação para gastar R$ 2.162.077,51 com a aquisição de produtos e contratação de serviços, além de gastos excessivos com diárias que ultrapassaram de R$ 10 mil em apenas dois meses.
    Lista grande
    Em setembro e outubro de 2009 foi liberado para pagamento de diárias R$ 4.777,22 e R$ 5.315,52. O então presidente da Emasa, segundo o Tribunal de Contas, gastou ainda, sem licitação, R$ 433.652,39 com locação de carros e R$ 195.510,43 com combustíveis.
    Da mesma maneira Alfredo usou R$ 475.632,04 com material de construção, R$ 62.963,36 com aluguel de computadores e impressoras, e R$ 10.647,04 com alimentos. Houve despesas suspeitas também com produtos de limpeza (R$ 34.748,06) e serviços de engenharia (R$ 129.451,58).
    Por causa da ilegalidade, o TCM determinou o envio de representação ao Ministério Público Estadual (MPE) contra o então presidente da Emasa e mandou sua Coordenadoria de Controle Externo investigar o pagamento das diárias.

Deixe aqui seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.