Tempo de leitura: 2 minutos

Da Agência Brasil

A ombusdman da Folha de S.Paulo, Paula Cesarino Costa, escreveu hoje (24) em sua coluna que o jornal “errou e persistiu no erro” ao publicar dados incompletos sobre pesquisa Datafolha de avaliação do governo do presidente interino, Michel Temer.

A pesquisa, divulgada no último sábado (16), foi alvo de críticas e acusada pelo site de notícias independente The Intercept, de cometer “fraude jornalística” em relação à preferência do brasileiro sobre a permanência de Michel Temer, a volta da presidenta afastada Dilma Rousseff ou a realização de novas eleições.

Na publicação original, a Folha informou que 50% dos entrevistados preferiam a permanência de Temer à volta de Dilma, e que, diante dessa questão, 3% disseram defender novas eleições. No entanto, quando a possibilidade de novas eleições aparece entre as respostas estimuladas, o percentual de entrevistados que optam por essa alternativa chega a 62%, o que não foi dito pelo jornal.

A Folha só publicou a versão com esse percentual após as críticas e disse que não errou, mas que optou por não destacar cenário considerado “pouco relevante” pela direção do jornal. A ombudsman diz que sugeriu à redação “que reconhecesse seu erro editorial e destacasse os números ausentes da pesquisa em nova reportagem”.

“A meu ver, o jornal cometeu grave erro de avaliação. Não se preocupou em explorar os diversos pontos de vista que o material permitia, de modo a manter postura jornalística equidistante das paixões políticas. Tendo a chance de reparar o erro, encastelou-se na lógica da praxe e da suposta falta de apelo noticioso. A reação pouco transparente, lenta e de quase desprezo às falhas e omissões apontadas maculou a imagem da Folha e de seu instituto de pesquisas. A Folha errou e persistiu no erro”, escreveu a Paula Cesarino Costa na edição deste domingo.

Além da polêmica sobre o trecho da pesquisa que tratava de novas eleições, a ombudsman também critica a escolha do jornal de destacar na manchete sobre a pesquisa o otimismo com a economia, “subaproveitando temas políticos”.

Uma resposta

  1. Se brasileiro soubesse votar não reelegeria Lula ladrão, com agravante elegera e reelegera a Ladra,Dilma.

    Como ver,no Brasil só têm ladrão ou 62% são de bandidos,que querem nova eleição pra eleger bandidos,é melhor o Brasil esperar a eleição de 2O18 pra escolher o substituto de Michel Temer.

    Se brasileiro não for ladrão,não vota no PT,a não ser os próprios ladrões do PT,o que representa os 18 senadores da república bandidos que vota contra Impeachment e os 137 bandidos e que votaram não ao Impeachment e inserido um deputado de Ilhéus.

    Dilma coagiu o próprio Marcelo Odebrecht,roubando 12 milhões,a bandida disse que
    nunca conversou com Marcelo. Assaltou 2 bilhões do Brasil,compra refinaria podre
    pasadena. Ela sabia de tudo,Cerveró e Delcídio Amaral.

    Brasil pare com a celeuma,um cão sentado na cadeira de presidente da Republica é trilhões de vezes melhor do que PT. O Brasil tem um ser humano sentado no maior cargo da nação ainda alavanca celeuma.

    Michel Temer, o Brasil tá com você,bem como têm Eduardo Cunha,como herói do povo brasileiro. Obrigado Deus,por salvar o Brasil do PT. Para completar a felicidade geral do povo brasileiro,Lula e Dilma,na cadeia.

Deixe aqui seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.