Tempo de leitura: 2 minutos

atestadofalsoA segunda fase da Operação Licença Médica foi deflagrada, nesta terça (26), pela Secretaria Estadual de Administração (Saeb). A operação investiga irregularidades no afastamento de 108 servidores públicos baianos.A maioria das licenças eram obtidas por um período superior a 100 dias, chegando até a 450 dias.

De acordo com a secretaria, foram identificados novos casos de funcionários que, embora estivessem em licença médica no Estado, atuavam em outras atividades remuneradas, o que é expressamente proibido pela legislação vigente.

A ação foi deflagrada em conjunto com a Junta Médica do Estado. Utilizando o Sistema de Perícia da Junta Médica, a Corregedoria identificou 5.764 servidores que obtiveram licenças, por prazos acima de 30 dias, entre janeiro de 2014 e agosto de 2015. Também foi cruzada a relação dos 5.764 servidores com os dados do Cadastro Nacional de Informações do INSS.

Os servidores identificados na Operação vão responder a Processo Administrativo Disciplinar (PAD) e a Processo de Ressarcimento ao erário, no âmbito das Corregedorias de Estado. Após a conclusão dos processos, observando o princípio do contraditório e da ampla defesa, os servidores considerados culpados podem ser demitidos do serviço público e terão que reembolsar o Estado pelos valores recebidos irregularmente.


Nesta segunda fase, os servidores identificados com indícios de irregularidades, conforme relação publicada no Diário Oficial do Estado (DOE), devem se apresentar à Corregedoria Geral do Estado, na sede da Secretaria da Administração (Saeb), no Centro Administrativo da Bahia (CAB), para apresentar justificativas e/ou documentação comprobatória. O atendimento será realizado de 8 a 12 de agosto, das 8h30min às 12 horas e das 13h30 às 17h30min.

Deixe aqui seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.