Tempo de leitura: 2 minutos

Jequié registra alto índice de infestação do mosquito transmissor de chikungunya|| Foto Zenilton Meira

O Levantamento Rápido de Índices de Infestação pelo Aedes aegypti (LIRAa) indica que as duas maiores cidades do sudoeste da Bahia estão com uma quantidade de criadouros do mosquito transmissor da dengue, zika e chikungunya muito acima do considerado aceitável pelo Ministério da Saúde. A pesquisa de campo em Jequié mostrou que, de cada 100 imóveis na cidade, 7,5% estão com infestação de larvas do Aedes aegypti.
Em Vitória da Conquista, segundo o Ministério da Saúde, a situação também é preocupante. Em cada 100 imóveis visitados, foram encontradas larvas do mosquito transmissor da dengue, zika e chikungunya em 7,1%. O número satisfatório é abaixo de 1,0 para cada 100 imóveis pesquisados.
IPIAÚ E BRUMADO
De acordo com o Ministério da Saúde, Jequié e Conquista estão no grupo de 1.153 municípios brasileiros (22%) que apresentaram um alto índice de infestação e correm sério risco de enfrentar uma epidemia de dengue, zika e chikungunya. Estão nesse grupo também localidades como Ipiaú (4,8%), Itororó (4,9%) e Brumado (5,2%).
Além dos municípios em situação de risco, o levantamento identificou 2.069 localidades em alerta, com o índice de infestação predial (IIP) entre 1% a 3,9% e 1.711 com índices satisfatórios, inferiores a 1%.  Os dados mostram também que Salvador está em situação de alerta, com índice de infestação predial de 1,8%. Somente cerca de 30 municípios baianos têm índices satisfatórios.

Deixe aqui seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.