Tempo de leitura: 2 minutos
Professores se reúnem com representantes do Simpi

O Sindicato do Magistério Municipal de Itabuna (Simpi) denunciou, nesta terça-feira (15), que o início do ano letivo na educação infantil está comprometido porque os monitores estão com três meses de salários atrasos. Por isso, não estão trabalhando, o que deixa o funcionamento das unidades precário.

Os professores se reuniram com o Simpi para relatar a situação, que tem interferido diretamente no trabalho pedagógico. “Sem os monitores, estamos exercendo múltiplas funções e colocando em risco o bem estar e aprendizado do aluno. Às vezes temos que levar um aluno ao banheiro, trocar a fralda e não tem ninguém para ficar na sala tomando conta dos demais”, informou uma das professoras.

A vice-presidente do Simpi, Maria Ionei, disse aos professores que tentou agendar uma reunião com a Secretária de Educação de Itabuna, Nilmecy Gonçalves, para discutir o assunto, mas não obteve resposta. “O sindicato é sensível a esta demanda. Já levamos esta situação ao Conselho Municipal de Educação e esperávamos que a secretária nos recebesse para uma reunião, coisa que infelizmente não aconteceu”, reclamou a sindicalista.

De acordo com o Departamento Jurídico do Simpi, a próxima medida será a elaboração de uma representação ao Ministério Público da Bahia.Além disso, deve ser ajuizada uma ação na Vara da Infância e da Juventude. “As creches não possuem a menor condição de funcionar sem a presença dos monitores”, observou Jessé Melo, advogado do Simp.

Ele acrescentou que “os professores sozinhos não podem receber altos quantitativos de alunos e se responsabilizar sozinho por todos eles. Iremos provocar os órgãos responsáveis e, se possível, solicitar a suspensão das atividades até o governo municipal resolver esta situação”.

Deixe aqui seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.