Shopping itabunense apresenta crescimento de mais de 55% na comparação com início da pandemia e fechamento do comércio
Tempo de leitura: 2 minutos
Neto diz que cenário é otimista para segundo semestre deste ano

As vendas do Shopping Jequitibá, em Itabuna, cresceram 55,3% no acumulado de janeiro a julho de 2021 no comparativo com igual período de 2020, afirma o diretor Manoel Chaves Neto. Os dados de 2020 foram fortemente impactados pela pandemia da covid-19.

Na avaliação do diretor do centro de compras, os números obtidos nos sete primeiros meses deste ano apontam para crescimento do potencial de compras da população sul-baiana e eleva otimismo quanto ao resultado do segundo semestre, principalmente com as datas como Dia das Crianças, Black Friday e Natal.

Na campanha da Semana do Brasil, que começa no próximo dia 2 e vai até 12 de setembro em todo o país, a expectativa é de manutenção do consumo. A campanha é uma iniciativa do Instituto para o Desenvolvimento do Varejo e lojistas de diferentes setores em todo o país.

O diretor do Jequitibá, Manoel Chaves Neto, afirma que a confiança dos lojistas na retomada da economia é muito grande e aponta que novas lojas estão sendo implantadas. “Acreditamos que, com a Semana do Brasil e em seguida as datas comemorativas do terceiro e quarto trimestre 2021, vamos atrair muito mais clientes e consequentemente mais vendas”, destaca

O shopping está com 99,7% da área bruta locável ocupada, com várias lojas sendo reformadas e novas lojas com previsão de inauguração prevista para este segundo semestre de 2021. O mais novo empreendimento confirmado é a loja da Track & Field, que oferece artigos esportivos, lifestyle, moda praia, calçados e acessórios. A empresa possui mais de 233 lojas, entre lojas próprias e franquias, espalhadas por 24 estados.

CENÁRIO NO PAÍS

A Associação Brasileira de Shopping Centers (Abrasce) prevê que as vendas do setor totalizarão R$ 204 bilhões em 2021. Se confirmada a projeção, representará um crescimento de 58,3% em relação a 2020. A comparação com 2019 é a mais indicada, pois se trata do último ano antes da chegada da pandemia. Já em 2020 a maioria dos estabelecimentos estavam fechados ou com capacidade de funcionamento muito reduzida.

“Nós percebemos que está melhorando o ambiente. Diminuíram os solavancos, há mais estabilidade. Isso ajuda as vendas do varejo como um todo”, disse o presidente da Abrasce, Glauco Humai. “O cenário ainda é volátil devido ao fantasma da pandemia, mas confiamos no avanço da vacinação”, afirma.”

Uma resposta

Deixe aqui seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.