Jogadores do Bahia comemoram gol no empate contra o CSA|| Foto Francisco Cedrim-Agif
Tempo de leitura: < 1 minuto

O Bahia segue líder na Série B do Campeonato Brasileiro. Jogando na noite desta sexta-feira (22), no Estádio Rei Pelé, em Maceió, pela terceira rodada da competição nacional, o Tricolor de Aço saiu na frente contra o CSA, mas não conseguiu segurar o adversário e cedeu empate. O gol do time baiano foi marcado pelo zagueiro Luiz Otávio. O jogador Dalberto deixou tudo igual.

Com o resultado, o Bahia segue invicto na Série B do Campeonato Brasileiro, com 7 pontos em três jogos. Na próxima rodada, na terça-feira (26), na Arena Fonte Nova, em Salvador, o Tricolor recebe o Sampaio Corrêa. A partida está marcada para as 21h30min. O adversário do Bahia tem apenas um ponto, mas ainda entra em campo nesta rodada. Ás 18h30min deste sábado (23) a equipe maranhense recebe o Brusque.

Dispara em sexta-feira tensa no mercado interno e externo
Tempo de leitura: 2 minutos

O mercado financeiro teve um dia de pânico após a volta do feriado. O dólar subiu 4% e teve a maior alta para um único dia desde o início da pandemia de Covid-19, em março de 2020. A bolsa de valores teve a maior queda diária desde novembro e registrou a pior semana em seis meses.

O dólar comercial encerrou esta sexta-feira (22) vendido a R$ 4,805, com alta de R$ 0,185 (+4%). A alta só não foi maior porque o Banco Central (BC) interveio no câmbio, vendendo US$ 571 milhões das reservas internacionais no fim da tarde. Na máxima do dia, por volta das 16h, a cotação chegou a R$ 4,83. Essa foi a maior alta diária desde 16 de março de 2020.

O real liderou a desvalorização entre as principais moedas globais nesta sexta-feira. A divisa, que acumulava queda em abril, passou a registrar alta de 0,92% no mês. Em 2022, a moeda norte-americana acumula recuo de 13,82%.

O mercado de ações teve um dia de perda. O índice Ibovespa, da B3, fechou aos 111.078 pontos, com queda de 2,86%. Em queda por cinco sessões seguidas, o indicador está no nível mais baixo desde 15 de março. Na semana, a bolsa brasileira caiu 4,67% e teve a maior perda semanal desde a terceira semana de outubro.

TENSÕES NO CENÁRIO INTERNO E EXTERNO

O dia foi marcado por tensões tanto no cenário externo como interno. No mercado internacional, as indicações de que o Federal Reserve (Fed) será mais agressivo no aumento dos juros nos Estados Unidos aumentou a demanda por dólares em todo o planeta. Hoje, o presidente do Fed, Jerome Powell, confirmou que o órgão elevará os juros básicos da maior economia do planeta em 0,5 ponto na próxima reunião, no início de maio.

Juros mais altos em economias avançadas estimulam a fuga de capitais de países emergentes, como o Brasil. Durante a semana, um dos dirigentes regionais do Fed disse apoiar um aumento de 0,75 ponto na próxima reunião do órgão.

No mercado interno, as incertezas políticas após a concessão de indulto para o deputado federal Daniel Silveira e o pedido de vistas coletivo do Tribunal de Contas da União (TCU) em relação à privatização da Eletrobras impactaram as negociações. As ações da companhia de eletricidade caíram mais de 4% nesta sexta-feira. Da Agência Brasil.

Homem foi preso com pistola e munições || Foto 68ª CIPM
Tempo de leitura: < 1 minuto

Policiais militares prenderam um homem com uma arma de fogo na Rua da Saboaria, próximo à Avenida Princesa Isabel, em Ilhéus, nesta sexta-feira (22). Ele foi localizado após denúncia.

Ao verificar a informação de que o suspeito estava no local, os policiais o surpreenderam. Ele chegou a se esconder em uma casa, mas foi cercado e preso.

Com o homem, a equipe da 68ª Companhia Independente de Polícia Militar (CIPM) apreendeu carregadores de arma, rádio comunicador, munições, celular e dinheiro, além de uma pistola. O suspeito e o material apreendido foram levados para a 7ª Coordenadoria Regional de Polícia do Interior (Coorpin).

Edital destina R$ 3 milhões para projetos de inovação no campo
Tempo de leitura: < 1 minuto

A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia (Fapesb) abriu inscrições para o Edital de Inovação para a Agricultura Familiar, voltado para a seleção e o apoio de projetos inovadores que desenvolvam novas tecnologias ou aprimorem as já existentes.

Serão R$ 3 milhões para linhas temáticas de pesquisa como o desenvolvimento de novos produtos alimentícios, sistemas de produção de base agroecológica e projetos de apoio direto às demandas das agroindústrias familiares ou equipamentos similares, entre outros.

Os projetos de pesquisa apresentados deverão ser realizados em parceria com associações e cooperativas da agricultura familiar da Bahia. Também serão selecionados projetos em parceria com instituições da Rede de Educação Profissional da Bahia e com as Escolas Família Agrícola (EFA).

A Fapesb é ligada à Secretaria de Ciência e Tecnologia do Estado. O novo edital foi lançado em parceria com a Secretaria de Desenvolvimento Rural (SDR), via Coordenação de Pesquisa, Inovação e Extensão Tecnológica (Cepex). As inscrições devem ser feitas neste link.

Presidente também foi recebido por manifestação de apoio de seguidores
Tempo de leitura: < 1 minuto

Indígenas pataxós fizeram manifestação contra o presidente Jair Bolsonaro (PL), nesta sexta-feira (22), em Porto Seguro, que recebe a visita do mandatário para as comemorações do “Descobrimento do Brasil”. Assista.

A jornalista Alice Pataxó, em publicação numa rede social, informou que os manifestantes pintaram de vermelho, com tinta de urucum, a estátua de Pedro Alvares Cabral, localizada no Centro da cidade baiana.

Estátua de Cabral pintada de urucum || Foto Suhyasun Pataxó

“Indígenas se manifestaram hoje na cidade de Porto Seguro contra as comemorações do falso Descobrimento e a visita de Jair Bolsonaro, pedindo justiça, demarcação de terras e #ForaBolsonaro”, escreveu a jornalista.

O presidente também foi recebido por manifestação de apoio de seus seguidores.

Efson Lima, novo membro da ALI, e Wenceslau Júnior
Tempo de leitura: < 1 minuto

Presidente do PCdoB de Itabuna, o ex-vereador Wenceslau Júnior parabenizou o professor, advogado e escritor Efson Lima, que será empossado como novo membro da Academia de Letras de Ilhéus (ALI), em solenidade na sede da instituição, nesta sexta-feira (22), às 19h.

– Ele dará uma importante contribuição para que a Academia cresça ainda mais, pois se trata de um jovem doutor com inteligência imensurável. Tenho certeza que seus conterrâneos, assim como eu, que o admiram e acompanham sua trajetória acadêmica estão orgulhosos. Parabéns!

Efson Lima ocupará a cadeira 40 da ALI. Jovem doutor, Efson é um dos articulistas do centenário jornal A Tarde e do Diário de Ilhéus. O mais novo imortal também é um dos responsáveis por articular a realização do Festival Literário Sul-Bahia (Flisba).

Correia de distribuição do Ford Ka requer atenção redobrada || Foto AE
Tempo de leitura: 2 minutos

O Ford Ka fabricado a partir de 2014, equipado com o propulsor 1.0 de 3 cilindros, possui duplo comando de válvulas variável Ti-VCT, que conta com 4 válvulas por cilindro (total de 12). A sua correia de distribuição, também conhecida popularmente por correia dentada, tem um regime de trabalho “especial”. Diferentemente dos demais carros, essa correia “trabalha” em lubrificação permanente. Ou seja, ela fica submersa no óleo lubrificante durante toda a sua vida útil.

Segundo recomendações do fabricante, a sua troca deverá ser efetuada a cada 240 mil km ou 10 anos. Porém, encontra-se aí o “x” da questão! Pelo fato da correia ficar submersa no óleo, já temos que “ligar a chave” e saber que o material que a compõe é diferente das demais, pois as outras correias não podem nem sonhar em tocar qualquer tipo de óleo, pois este seria o seu fim. É o que ocorre quando um retentor de comando de válvulas perde a eficácia, e deixa que o lubrificante transpasse, e derrame sobre a correia dentada de um Uno, Palio ou Gol e etc.

Faz-se necessário saber que o óleo lubrificante que deverá ser usado nesse motor também é especial, assim como a correia. E por falta de atenção – e perícia – muitos mecânicos têm ceifado não só a vida útil da correia, mas também a do motor do Ka 1.0 3 cilindros.

Por que?

Porque essa correia que vive submersa deve estar lubrificada pelo óleo 5w20 com especificações iguais ou excedentes ao ILSAC GF-6A, Ford WSS-M2C960-A1, API SP/RC, 100% sintético

O não uso do lubrificante com essas especificações faz com que a correia de distribuição solte fiapos – e esses fiapos desçam para o carter. Por sua vez, o pescador (tubo de sucção) puxa esses fiapos, e entopem parcialmente ou totalmente a passagem de óleo para os comandos de válvulas, ocasionando falta de lubrificação – e acarretando em desgaste prematuro nos eixos, bronzinas e anéis de segmento, essas são as peças principais que trabalham em atrito dentro do propulsor. E, por esse motivo, ele pode “trancar” (bater o motor), sendo necessário a retífica ou até mesmo a substituição do propulsor parcial (bastante comercializado).

A minha dica é: Se for comprar um Ford Ka 3 cilindros, certifique-se de que todas as revisões tenham sido realizadas na rede autorizada (comprovada pelo manual do proprietário ou em contato direto com a concessionária), caso não tenha sido feito e/ou haja dúvidas, procure por uma oficina mecânica para que faça a vistoria dos componentes internos do motor, troque o óleo e o kit de correias e rolamentos tensores imediatamente.

Estenda a revisão para a limpeza total do carter e também do pescador. Assim, você terá a certeza de que a manutenção estará correta, e evitará um gasto que poderá chegar facilmente aos R$ 7.000,00. E tudo isso por imperícia ou até mesmo para tentar economizar alguns trocados na hora de substituir o óleo lubrificante do motor.

Ícaro Mota é consultor automotivo e diretor da I´CAR. A coluna é publicada às sextas-feiras.

Clique e confira o Instagram da I´Car.

Confira relação de vagas no edital
Tempo de leitura: < 1 minuto

A Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc) publicou, nesta sexta-feira (22), o Edital nº 44/2022, que regulamenta o concurso de provas e títulos para o provimento de cargos permanentes de professor auxiliar e professor assistente. O certame oferece 49 vagas em diferentes áreas de conhecimento e, além de graduação específica, exige mestrado ou doutorado.

As vagas são para os seguintes departamentos: Ciências Agrárias e Ambientais, Ciências Administrativas e Contábeis, Ciências Biológicas, Ciências Jurídicas, Ciências Econômicas, Ciências Exatas e Tecnológicas, Ciências da Educação, Filosofia e Ciências Humanas, Letras e Artes, e Ciências da Saúde. A relação de vagas está disponível no anexo do edital.

Das vagas oferecidas por áreas de conhecimento/matérias, 30% deverão ser reservadas aos candidatos que se autodeclararem pretos ou pardos, desde que a fração obtida deste cálculo seja igual ou superior a um.

INSCRIÇÕES

As inscrições deverão ser feitas de 02 de maio de 2022 até as 15h30min do dia 02 de junho de 2022, exclusivamente pela internet. O candidato deve preencher o formulário do requerimento de inscrição que ficará disponível no site da Uesc.

A taxa de inscrição é de R$ 195,00. Têm direito à isenção os candidatos inscritos no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico) ou doadores de medula óssea inscritos em entidades reconhecidas pelo Ministério da Saúde.

O concurso terá as etapas de prova escrita, prova didática (aula pública), plano de trabalho e prova de títulos.

Programa assegura alimentação a famílias carentes
Tempo de leitura: < 1 minuto

O Programa Alimenta Brasil, do Governo Federal, atende sete mil famílias ilheenses que vivem em situação de insegurança alimentar e nutricional, segundo a Prefeitura de Ilhéus, responsável pela coordenação local do projeto.

O Alimenta Brasil incentiva a agricultura tradicional, comprando produtos de assentados da reforma agrária, de indígenas e de agricultores familiares. Os alimentos são fornecidos a entidade filantrópicas, escolas públicas, creches e cozinhas comunitárias. Segundo a Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Inovação (SDE), de 2017 a 2021, o programa destinou R$ 2.949.057,41 para fortalecer a produção agrícola em Ilhéus.

O prefeito Mário Alexandre, Marão (PSD), afirma que, além de incentivar a produção rural, o programa fornece alimentos saudáveis e de qualidade à população. “Mesmo em um período de dificuldades, continuamos dando o apoio necessário aos pequenos produtores do nosso município, gerando emprego e renda para as pessoas que sobrevivem da agricultura familiar”, acrescenta.

Segundo Ayres Britto, inconstitucionalidade de indulto é autoevidente
Tempo de leitura: < 1 minuto

O professor de direito constitucional da PUC-SP, Pedro Serrano, afirmou que o indulto concedido pelo presidente Jair Bolsonaro (PL) ao ex-deputado federal Daniel Silveira (PTB-RJ), condenado a 8 anos e 9 meses de prisão pelo Supremo Tribunal Federal (STF), atenta contra a democracia.

Para o jurista, a medida do presidente é inconstitucional porque usurpa do STF a prerrogativa de último intérprete da Constituição Federal. Ele afirmou que Adolf Hitler (1889-1945) foi o único chefe de estado a quem coube a última palavra sobre o texto constitucional.

“Com sua concessão de graça ou indulto individual, Bolsonaro se põe como guardião da Constituição, seu intérprete final, papel que cabe ao STF. Só no nazismo o Chefe do Executivo era o guardião da Constituição. Gravíssimo atentado a democracia constitucional”, escreveu Pedro Serrano em seu perfil no Twitter.

“Um ato de indulto ou qualquer ato político soberano não pode ser usado para o Executivo substituir o STF na interpretação final da CF. Atos políticos são discricionários, não arbitrários”, complementou.

O ex-ministro do STF e do Tribunal Superior Eleitoral, Carlos Ayres Britto, afirmou à Folha de S. Paulo que o decreto de Bolsonaro “padece de inconstitucionalidade autoevidente”.

“O indulto não é para perdoar crimes que a Constituição qualificou como especialmente danosos para a coletividade”, diz ele. “Indulto não é cheque em branco. É preciso compatibilizá-lo, enquanto política pública de governo, com a Constituição, enquanto política pública de Estado”, completa.

O indulto individual concedido a Daniel Silveira não reconstitui seu mandato parlamentar, que foi cassado pelo STF, nem a suspensão dos seus direitos políticos.

Zé Cocá, presidente da UPB, defende redução da alíquota do INSS para municípios
Tempo de leitura: 2 minutos

A União dos Municípios da Bahia (UPB) levantará, na Marcha a Brasília, a bandeira da redução da alíquota da contribuição das prefeituras ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), que hoje é de 22,5%. A vigésima terceira edição do evento municipalista começará na próxima segunda-feira (25) e seguirá até quinta (28).

“Nas últimas décadas, os municípios assumiram a gestão de inúmeros serviços que foram municipalizados e oneraram a folha de pagamento. Mas, não faz sentido uma prefeitura que presta serviço público de interesse social pagar uma alíquota cheia. Vários setores têm recebido incentivos e isenções. Queremos uma alíquota que seja possível pagar e não alimente a dívida seríssima que os municípios enfrentam hoje”, argumenta o presidente da UPB e prefeito de Jequié, Zé Cocá (PP).

Promovida pela Confederação Nacional de Municípios (CNM) e apoiada pela UPB, a 23ª Marcha a Brasília incluiu a redução da alíquota patronal do INSS dos municípios na pauta prioritária que será discutida com os presidentes da Câmara dos Deputados, do Senado e líderes partidários. O evento também receberá na sua programação os pré-candidatos a presidente da República para dialogar sobre temas municipalistas.

“QUEREMOS QUE O CONGRESSO E O GOVERNO FEDERAL SEJAM SENSÍVEIS”, DIZ PREFEITO

Estudo promovido pela UPB mostra que, no Brasil, 3.460 municípios têm regime geral de previdência e, em sua maioria, enfrentam dificuldades para recolher toda a contribuição previdenciária devida. “Queremos que o Congresso e o Governo Federal sejam sensíveis a essa situação. A redução da alíquota vai viabilizar a sustentação financeira dos municípios, que estão quebrados. Essa é uma pauta do interesse de todos, principalmente dos municípios mais pobres”, esclarece o prefeito de Riachão do Jacuípe, Carlos Matos (UB), que preside na UPB comissão dedicada ao tema.

Duas medidas pretendem reduzir a contribuição dos municípios ao INSS. Segundo Proposta de Emenda à Constituição (PEC), a alíquota deve ser reduzida à metade, descendo para 11,25%. Já no Senado, o Projeto de Lei 51/2021, do senador Jaques Wagner (PT), propõe um Regime Especial de Contribuição Patronal, fixando alíquotas progressivas de acordo com o PIB per capita dos municípios.