Pessoas a partir de 50 anos e profissionais de saúde devem tomar a segunda dose de reforço contra a Covid-19
Tempo de leitura: < 1 minuto

Quem tem 50 anos ou mais e trabalhadores da saúde, de todas as idades, podem tomar a segunda dose de reforço contra a Covid-19 a partir deste sábado (4) em todo Brasil. A recomendação do Ministério da Saúde vale para quem já tomou a primeira dose de reforço há mais de quatro meses.

As novas orientações do Ministério da Saúde consideram a necessidade de reforçar a imunização nessa faixa-etária e para os trabalhadores que estão na linha de frente dos serviços de saúde, com maior risco de contaminação. As vacinas da Pfizer, Janssen e Astrazeneca podem ser usadas, independentemente da dose aplicada anteriormente.

Uma pesquisa feita pela Universidade de Oxford, no Reino Unido, encomendada pelo Ministério da Saúde, mostrou que a combinação heteróloga para a dose de reforço, ou seja, de vacinas diferentes, é mais eficaz. Os resultados mostraram ainda que a dose de reforço pode aumentar em até 100 vezes a produção de anticorpos contra a Covid-19. Até agora, mais de 4,5 milhões de brasileiros tomaram a segunda dose de reforço.

O Ministério da Saúde reforça a importância de estados e municípios seguirem as orientações para o andamento da Campanha Nacional de Vacinação contra a Covid-19. A Pasta segue a distribuição equânime e proporcional de vacinas Covid-19 para todo país, conforme a necessidade de cada unidade federativa.

Até agora, o Governo Federal já distribuiu quase 500 milhões de doses para todo Brasil, garantindo a proteção de 77% da população brasileira com as duas doses. Mais de 85,9 milhões já tomaram a primeira dose de reforço.

Trabalhador pode investir a partir de R$ 200
Tempo de leitura: 2 minutos

Cerca de 40 milhões de trabalhadores de todo o país, com saldo disponível na conta do FGTS, podem aplicar recursos na Eletrobras. Para investir, é necessário o valor mínimo de R$ 200, sendo possível utilizar até 50% do saldo disponível das contas de FGTS ativas e inativas. O prazo termina na quarta-feira (8).

O primeiro passo para fazer o investimento é autorizar a administradora de escolha do trabalhador a consultar o saldo do FGTS. Isso já pode ser feito de forma rápida e 100% digital pelo aplicativo do FGTS e Internet Banking Cixa. Nesses canais também é possível simular o valor disponível para aplicação.

O segundo passo é realizar a aplicação do saldo do FGTS em um Fundo Mútuo de Privatização, chamado FMP-ELET. O trabalhador deve procurar a instituição administradora escolhida e solicitar a aplicação, ou seja, a reserva do saldo do FGTS. Todo relacionamento do trabalhador para efetivar a aplicação se dará com a instituição selecionada, que passa a ser responsável pela aplicação do saldo de suas contas do FGTS.

Não estarão disponíveis para aplicação os valores que estiverem bloqueados na conta do FGTS, como garantia de operações de crédito com antecipação do Saque-Aniversário, por exemplo. Veja o passo a passo para investir.

*1 – Abra o App FGTS

*Caso não tenha o aplicativo, o trabalhador pode baixar o App FGTS nas lojas Google Play Store ou Apple Store. Após realizar o login, clique na opção “Autorizar bancos a consultarem seu FGTS”.

*2 – Autorize a consulta

Em seguida, na tela de autorização para consulta às informações do FGTS, clique na opção “Aplicação nos Fundos Mútuos de Privatização FGTS”.

Leia Mais

Bahia segurou a pressão e garantiu três pontos contra o Criciúma|| Foto Foto: Felipe Oliveira / EC Bahia
Tempo de leitura: 2 minutos

O Bahia conseguiu uma vitória heróica na noite deste sábado (4) pela Série B do Campeonato Brasileiro. Jogando na Fonte Nova, em Salvador, o Tricolor de Aço saiu atrás no placar, e teve o zagueiro Ignácio expulso ainda no primeiro tempo. O defensor já tinha cartão amarelo e fez uma falta dura no adversário. Por isso, foi “convidado” a se retirar de campo.

O Criciúma teve um primeiro tempo com muitas chances de gol. O goleiro Danilo Fernandes fez grandes defesas, mas não conseguiu impedir o gol de Marquinhos Gabriel, aos 36 minutos. O jogador acertou belo chute de fora da área para colocar o Tigre na frente do placar. Para complicar a situação do Bahia, o zagueiro Ignácio foi expulso aos 45 minutos do primeiro tempo, ao fazer falta em Caio Dantas.

O Criciúma começou a segunda etapa como na primeira. Atacando o Bahia o tempo inteiro, mas parando no goleiro Danilo Fernandes. O Bahia reagiu em contra a ataque que acabou em cabeçada certeira de Matheus Davó, aos 14 minutos. O Criciúma seguiu atacando o adversário, mas foi o Tricolor de Aço que conseguiu marcar.

O gol da virada saiu de uma linda jogada de Rildo, que saiu driblando pela direita e fez um cruzamento açucarado para Davó fazer o segundo dele e sair para a galera. Os mais de 33 mil torcedores do Bahia tiveram uma noite memorável. O resultado coloca o Bahia na vice-liderança, com 19 pontos, atrás apenas do Cruzeiro, que soma 25.

Na próxima rodada, na quinta-feira (8), o Bahia, mais uma vez, atuará em casa. O Tricolor de Aço receberá o Sport, na Arena Fonte Nova, às 21h30min. O time pernambucano é terceiro colocado na Série B do Brasileiro, com 18 pontos. Nesta rodada, venceu a Ponte Preta por 2 a 1, em Recife.

Diretora do NTE-5 sai em defesa do ensino público baiano
Tempo de leitura: 3 minutos

A professora Leninha Vila Nova, diretora do Núcleo Territorial de Educação Litoral Sul (NTE-5), defende que uma avaliação honesta do ensino nas escolas estaduais da Bahia não pode se resumir ao Índice Nacional de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb).

“Na educação em geral, alguns fatores interferem tanto nas condições de aprendizagem do sujeito quanto nas possibilidades de ensino. Não se pode falar do Ideb sem fazer alguns levantamentos e associações. A gente sabe que esse menino da escola é o mesmo sujeito que está numa casa sem condição de moradia, sem segurança alimentar, sem condição mínima de sobrevivência. Isso interfere nos processos cognitivos e até na permanência dele na escola”, diz a gestora ao PIMENTA.

Considerando todas as séries, Bahia bateu metas do Ideb de 2009 a 2019

Considerando as séries do Fundamental ao Médio, a Bahia bateu todas as metas do Ideb de 2009 a 2019, o mais recente disponível no portal do Ministério da Educação. Considerado de forma isolada, o desempenho das turmas de terceiro ano do Ensino Médio das escolas estaduais não atinge as metas desde 2011 e é o último no ranking dos estados brasileiros. É deste dado que a oposição ao governo Rui Costa se vale para afirmar que a Bahia tem a pior educação do Brasil.

Desempenho do 3º ano do Ensino Médio não bate metas desde 2011

Leninha reage. “Quando eles falam da educação, é porque não conhecem. Quem tem que falar é quem conhece, quem estudou e quem está no chão de uma escola para dizer o que é educação. Nós, professores, não podemos permitir que qualquer pessoa abra a boca para dizer que não sabemos ensinar. Porque, se eles falam que os alunos não aprendem, é porque não tiveram quem ensinasse, e não é esse o elemento”.

Perguntamos à gestora como comparar a rede estadual que a Bahia tem hoje com a do passado, indo além dos números do Ideb. “Primeiro, a gente precisa deixar claro que eu, como professora, pesquisadora, acredito que esse índice deve existir. O exame externo é importante para o financiamento e para uma leitura [da política] de Estado. Precisa existir”, enfatiza Leninha Vila Nova.

“Não estou falando mal do índice”, continua. “Ele não é descartável. O que discuto é que não é o Ideb que autoriza afirmar se a educação da Bahia é ou não a pior. Quando a gente diz que o fim, o resultado, é o que vale, a gente nega o processo”.

ACESSO À ESCOLA

O site perguntou à diretora do NTE-Sul quais são as evidências de que a educação no estado é melhor hoje, na comparação com o período anterior a 2007. Para ela, a resposta está no aumento da acessibilidade à escola, na diminuição da evasão escolar e na menor ocorrência da distorção idade/série.

“No início dos anos 2000, você não via deficientes na escola. Não via uma escola para todos. O filho do trabalhador rural não tinha uma escola no campo. Como vejo que a educação da Bahia melhora? Quando ela alcança uma população que não alcançava. O acesso importa. Hoje, tenho escolas com autistas. Quem está na escola? É o filho do trabalhador, do quilombola. Neste ano, cinco estudantes de presídios entraram na universidade federal. Nunca tinha acontecido isso. São esses recortes sociais e dos fluxos internos de aprendizagem que nos fazem acreditar que a educação da Bahia está melhor”.

A oposição à direta dos governos do PT, segundo Leninha Vila Nova, não consegue analisar a educação de forma abrangente. “Esse é um olhar da qualidade social [do processo ensino-aprendizagem], que é nosso, da esquerda, do campo progressista. Volto a dizer: só sabe falar disso quem é da educação. Quem não é da educação precisa de um número: ‘era cinco, agora é sete, então melhorou'”.

Promessa de novo acesso foi feita durante visita às obras da BA-649 || Foto Roberto Santos
Tempo de leitura: 2 minutos

Durante visita às obras de implantação da BA-649, em Itabuna, o governador Rui Costa (PT) assegurou ao prefeito Augusto Castro (PSD) a construção de uma nova avenida de acesso à cidade, na confluência entre o Bairro da Conceição e a primeira ponte de acesso da nova rodovia à BR-415, na região do Condomínio Cidadelle.

O governador também garantiu ao prefeito itabunense a duplicação e requalificação do trecho da Avenida Juracy Magalhães (Posto Cachoeira) à rodovia BR-415 até as proximidades do Cidadelle. Além de atender antiga reivindicação, a BA-649 representará um dos mais importantes investimentos públicos realizados entre as duas principais cidades do Sul da Bahia.

– Mais que uma rodovia, estamos implantando um novo vetor de desenvolvimento para Itabuna e Ilhéus para os próximos 20 anos. Pois, com esta nova estrada, os dois municípios vão atrair novos empreendimentos e fundos de investimentos nos mais diversos setores da economia – afirmou o governador.

IMPACTO NA MOBILIDADE

O prefeito Augusto Castro enfatizou o quanto será importante para Itabuna as duas novas obras garantidas pelo Governo do Estado. Ele destacou que a nova avenida Beira-Rio passando pelo Vila Zara, que ligará o perímetro urbano à nova rodovia – terá 3 Km de extensão margeando o Rio Cachoeira, com moderno projeto urbanístico, vai impactar positivamente na melhoria da qualidade de vida de milhares de itabunenses e facilitar o acesso ao litoral.

– Estes investimentos do Governo do Estado têm um significado muito expressivo no contexto das obras estruturantes que estamos planejando e executando visando a retomada do desenvolvimento do município. Além de fortalecer a posição de Itabuna como importante polo de desenvolvimento regional, a nova avenida garantirá maior mobilidade urbana para os itabunenses”, enfatizou Augusto.

O prefeito, que estava acompanhado da secretária municipal de Planejamento, Sônia Fontes, também comemorou a decisão do governador Rui Costa em acatar o projeto de duplicação e requalificação do acesso da Avenida Juracy Magalhães à BR- 415 – sentido Ilhéus – que dará um novo conceito urbanístico ao trecho de 1,5 Km até o Condomínio Cidadelle. Redação com informações da Agência de Comunicação de Itabuna.

Davidson Magalhães crava vitória de Jerônimo e de Lula em outubro
Tempo de leitura: 6 minutos

Presidente do PCdoB da Bahia e secretário estadual do Trabalho, Emprego, Renda e Esporte, Davidson Magalhães vê um cenário diferente na sucessão do governador Rui Costa após as movimentações políticas dos dois últimos meses. “Tiramos aquele pessimismo que ocorreu [com a desistência de Jaques Wagner]”, avalia o político e também professor universitário. “A eleição agora dá um grande impulso, com possibilidade real de vitória de Jerônimo [Rodrigues, do PT]”, completa. 

Na entrevista a seguir, Davidson fala da desistência de Wagner, da saída do PP da base governista e da chegada do MDB. Destes três movimentos, ele conclui que não houve a imaginada sangria na base e que a recomposição se deu de forma rápida. 

Ainda opina que o governador Rui Costa demonstrou sua capacidade de aglutinação, fazendo gestão e política – contrariando o que dizia o antes aliado Marcelo Nilo, deputado federal que deixou a base e pode ser candidato a vice-governador na chapa de ACM Neto (União Brasil).

Davidson ainda fala dos próximos passos da pré-campanha e campanha de Jerônimo. E por que ele acredita na vitória do petista na corrida ao Palácio de Ondina? A aposta do presidente estadual do PCdoB, dentre outros fatores, se dá pelos cabos eleitorais fortes do petista, o governador Rui Costa e o ex-presidente Lula. Confira a entrevista concedida ao Pimenta e ao Diário Bahia.

Como o sr. avalia a pré-campanha de Jerônimo Rodrigues?

Tiramos aquele pessimismo que ocorreu [com a desistência de Jaques Wagner] e a impressão de que as eleições eram favas contadas [para ACM Neto]. A eleição agora dá um grande impulso, com possibilidade real de vitória de Jerônimo.

Na sua avaliação, o que mudou para que ocorresse essa mudança de perspectiva eleitoral?

Sempre reclamavam de que o governador [Rui Costa] não fazia política. Temos um governador bem avaliado, um dos principais cabos eleitorais de Jerônimo. Rui foi a campo e demonstrou, dentro deste espaço de prefeituras e de lideranças regionais, a sua capacidade de aglutinação.

E a saída do PP?

Parecia que iríamos ter uma sangria. E isso não ocorreu. Foi importante a atitude do governador de virar essa chave, de casar administração com política. Rui só chegou a 16% em agosto. Jerônimo chegou a isso agora em maio. Então, é um crescimento muito grande. Veja: os governadores anteriores não iam aos municípios. Rui e Jaques Wagner mudaram essa cultura de governador ficar no Palácio [de Ondina]. Rui e Wagner foram aos municípios, visitaram bases, constituíram bases. O segundo elemento dessa estratégia é a discussão do PGP [Programa de Governo Participativo] nas regiões, também pega e aglutina as forças políticas nas regiões, que estavam distanciadas.

 

______________

Sempre reclamavam de que o governador [Rui Costa] não fazia política. Temos um governador bem avaliado, um dos principais cabos eleitorais de Jerônimo. Rui foi a campo e demonstrou, dentro deste espaço de prefeituras e de lideranças regionais, a sua capacidade de aglutinação.

______________

 

O PGP é feito por regiões. Não é limitado quanto a capilaridade eleitoral?

É uma estratégia positiva, porque faz a região, faz centralizado na região, mas há todo um processo de articulação política nas regionais. Isso é a fase da pré-campanha, fundamental para fazer isso.

Com o nome de Jerônimo desconhecido do eleitorado, essa é a melhor estratégia?

Acho que sim. Tem que conjugar com um terceiro momento, que são as ações de massa com pré-candidaturas [a deputado], porque isso vai colocando Jerônimo em contato com as lideranças. Acho que vai ser rediscutida essa agenda de pré-campanha, porque a agenda precisa ir, agora, nos pré-lançamentos de campanhas, que reúne a base eleitoral dos candidatos. Então, não é mais falar só para lideranças. Essa etapa do PGP e das discussões das ações de governo vai continuar, porque é muita ação de governo, é muita coisa.

E quais seriam as outras estratégias para que o pré-candidato ganhe visibilidade?

Temos aí junho e esse período de São João, toda uma agenda que exponha ele, além das inserções de TV, que precisamos aproveitar para projetá-lo ainda mais. Claro, hoje é diferente do passado, hoje você tem as redes sociais, que aceleram processo de conhecimento.

Claro que a população ainda não está pensando em eleição. Então, quando a gente associar as ações e êxitos do governo, passada essa etapa de PGPs e outras ações e massificar as ações políticas, vinculando Jerônimo aos nomes do Lula, do Rui e do Wagner e do reforço com a candidatura do Otto… A saída do Leão foi um grande prejuízo político… Leão tinha estatura de vice-governador.

 

______________

A vinda do MDB causou prejuízo na principal base eleitoral do ACM Neto, que é Salvador. E aquela saída do MDB [do grupo de Neto] foi muito simbólica. Trouxe um partido do centro, mas não só isso.

______________

 

 

Essa recomposição após a saída de Leão, o sr. acha que foi rápida?

Tem um dado importante, que foi a vinda do MDB, o que causou prejuízo na principal base eleitoral do ACM Neto, que é Salvador. E aquela saída do MDB [do grupo de Neto] foi muito simbólica. Trouxe um partido do centro, mas não só isso, pois trouxe o presidente da Câmara de Salvador, [Geraldo Junior, escolhido pré-candidato a vice da chapa], e bagunçou o projeto deles de hegemonia completa em Salvador. Então, isso foi importante do ponto de vista da chapa majoritária, pois trouxe a liderança do presidente da Câmara. Foi um fato político. Somado tudo isso, cria um caldo muito propício à vitória [de Jerônimo].

O que o sr. tem visto que prenunciaria um “repeteco” das 4 últimas eleições, esse caldo a que o sr. se refere?

São os eventos, a reação das lideranças. Você não está vendo grande desagregação da base eleitoral que elegeu Rui, que elegeu Wagner. Do primeiro mandato para o segundo [de Wagner], saiu o MDB, entrou o PP. Agora, saiu o PP, entrou o MDB. Você não teve, do ponto de vista político, uma desagregação dessa base, que se manteve unida.

Quando chegar o final de julho, início de agosto, você acredita que mantém essa base de apoio nos municípios?

Muito se fala ´ah, os prefeitos estão querendo pegar convênio’. Mas aí entra o Fator Lula. Ele não pode entrar agora, com força, porque ainda não estamos na campanha eleitoral. Lula veio aqui uma vez [em março, no lançamento da pré-candidatura de Jerônimo], mas ele não tá visível na pré-campanha, pedindo voto. Quando esses que podem vacilar tiverem a perspectiva de vitória federal e o crescimento estadual… Nós ganhamos a primeira eleição com quantos prefeitos? A base tem em torno de 300 prefeitos. Em 2006, com Wagner, ganhamos com 30 prefeitos. Com essa ação do governo estadual… Me diga, qual a região que o governo não está presente, não está forte? Uma região que tínhamos uma certa fragilidade política era o extremo-sul.

 

 

______________

No extremo-sul, na enchente, Rui, Wagner, Otto Alencar, as nossas lideranças, todo mundo colocando o pé na lama para acudir o povo. Outras lideranças tiveram férias no exterior… Isso chamou muito a atenção do povo. Falta de solidariedade.  

______________

 

 

Por que o sr. considera que o quadro mudou?

No extremo-sul, na enchente, as lideranças políticas de responsabilidade, todas elas, tiveram presença efetiva no extremo-sul. Rui, Wagner, Otto Alencar, as nossas lideranças, todo mundo colocando o pé na lama para acudir o povo. Outras lideranças tiveram férias no exterior… Isso chamou muito a atenção do povo. Falta de solidariedade. O povo passando necessidade, ponte caindo, mortes, e onde estavam algumas lideranças políticas? No exterior, tomando champanhe francês, fora daqui.

A expectativa é de que a transferência de votos de quem vai votar em Lula e de quem votou em Rui nas últimas eleições seja principal trunfo para eleger Jerônimo governador?

Qual é o elemento importante? Quando alguém é candidato, representa um grupo, um conjunto de ações, não é ele sozinho. Representa um campo político. Quando sai um nome novo, como foi Jerônimo – e da forma que saiu e que pegou muita gente de surpresa, inclusive, nós, que estávamos na direção de campanha, quer dizer, até que cole a imagem do grupo ao candidato, leva um tempo, mas, na hora que cola, não tem jeito. É 13, aí você coloca as pesquisas… Isso é um processo de transferência de votos da liderança. É normal isso. Quantos prefeitos pegam aí candidato pouco conhecido e elegem? Ali é a expressão da liderança dele.

A expectativa é de esse louro aí seja colhido em que mês da campanha?

Aí vai depender muito de desempenho. Você vê com Rui, com Wagner. Olhe bem como foi Wagner. Eu estava na coordenação. O último evento da campanha de Wagner foi onde? Em Itabuna, aqui na região inteira, depois caminhada na Cinquentenário. No outro dia, o que as pesquisas diziam, na véspera da eleição? Sábado, a pesquisa dava dúvida se iria ter segundo turno. O cara [Wagner] ganha no primeiro. Então, a gente tem que ter convicção. Essa vitória [de Jerônimo] está bem encaminhada. Na Bahia, estamos no caminho certo da vitória.

 

______________

A terceira via desapareceu… Eu acho que vai acontecer um fenômeno, de acumular ainda mais votos para Lula, o voto útil. É bem provável que essa eleição seja decidida no primeiro turno.

______________

 

E no plano federal?

A rejeição de Bolsonaro é enorme. Ninguém ganha com uma rejeição daquela [refere-se à pesquisa Ipespe, divulgada na semana de 20 de maio]. A terceira via desapareceu… Eu acho que vai acontecer um fenômeno, de acumular ainda mais votos para Lula, o voto útil. É bem provável que essa eleição seja decidida no primeiro turno.