Jerônimo, ao lado de Rui Costa, defende legado do PT na Bahia e rebate adversários
Tempo de leitura: 2 minutos

Na sua passagem por Itabuna, Jerônimo Rodrigues comparou seu estilo com o de Rui Costa e prometeu “correria dobrada” caso seja eleito governador da Bahia em outubro e tendo Lula presidente da República. O pré-candidato reuniu cerca de 8 mil pessoas, segundo a organização, no Programa de Governo Participativo (PGP), ocorrido neste sábado (4), na Avenida Princesa Isabel, no São Caetano, em Itabuna.

Antes de participar do PGP, um espaço para discursos e apresentação de propostas à pré-candidatura, Jerônimo, acompanhado do pré-candidato a vice-governador Geraldo Júnior (MDB) e do senador Otto Alencar (PSD), concedeu coletiva para falar de campanha, propostas de governo e rebateu críticas feitas, pela oposição, a sua passagem nas secretarias de Educação e de Desenvolvimento Rural.

Segundo ele, a Bahia tornou-se o estado que mais investe em educação e citou obras de reforma, ampliação e construção de escolas, num total de RR$ 3,5 bilhões. “Mas não é só obra”, observou, ao falar de concursos, formação de profissionais e investimentos em melhoria do ensino aprendizagem.

Ainda falou das dificuldades enfrentadas no período da pandemia da covid-19. “Foram dois anos sem o Brasil, sem o mundo entender como faríamos educação remota sem as pessoas terem computador em casa”.

Ele devolveu as críticas dos opositores citando que, segundo ele, ACM Neto (União Brasil) não construiu creches nem assumiu responsabilidade quanto ao Fundamental II quando prefeito de Salvador. Sem a Prefeitura, “o estado teve que assumir 70 mil alunos”, afirmou Jerônimo. “É um debate que queremos fazer”. De João Roma (PL), lembrou que o governo de Jair Bolsonaro está no quinto ministro da Educação e a liberação de recursos ocorria movida a propina em barras de ouro.

Questionado de suas propostas na área da segurança pública, o pré-candidato falou dos investimentos já feitos em contratação de equipamentos, concursos públicos e formação de profissionais, além de construção de delegacias. “Agora, é importante que o governo federal assuma a sua responsabilidade. Não dá para ter um governo federal que não discute um sistema nacional de segurança pública, com as fronteiras com armas e drogas circulando sem controle”, disse.

EDUCAÇÃO INTEGRAL

O pré-candidato destacou algumas das suas propostas para a Educação. “Temos que pesar a mão na educação em tempo integral, forte ação em parceria com os municípios para enfrentar o analfabetismo – porque a idade certa para se alfabetizar é na idade que os municípios são responsáveis pelo infantil. Nós precisamos debater e ampliar com o governo Lula a oferta da educação superior”, observou.

Deixe aqui seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.