Augustão sugere que festa seja adiada em respeito à memória de Ranitla e ao ato desta quarta (15)
Tempo de leitura: 3 minutos

A notícia de que a Câmara de Vereadores de Ilhéus fará uma festa no Mar Aberto menos de uma semana após a morte da cirurgiã-dentista Ranitla Scaramussa Bonella, atropelada por um dos sócios do estabelecimento, foi recebida por críticas de moradores da cidade, que se manifestaram nas redes sociais.

A escolha do local do Arraiá da Câmara, marcado para esta quinta-feira (16), é inoportuna, segundo as manifestações, mesmo após o anúncio de que o empresário Tharciso Aguiar, envolvido no acidente, deixou a sociedade empresarial que administra o bar. Essa opinião ganhou eco na Casa do Povo

Dirigindo-se ao presidente da Câmara, Jerbson Moraes (PSD), na sessão desta terça-feira (14), o vereador Augusto Cardoso, Augustão (PT), sugeriu o adiamento da festa e ressalvou que expressava sua opinião por ser amigo de Jerbson, que havia acabado de informar a decisão de manter a data e o local do Arraiá. Augustão não criticou o colega, mas o convidou a refletir.

– Gostaria de dar uma sugestão, até para o bem desta Casa, para o bem de vossa excelência, devido ao momento. Não tenho nenhum problema em me colocar nessa posição, porque sou amigo de vossa excelência. Se não fosse, tipo assim, me omitia, ficava calado. Mas, eu ia apenas fazer o pedido de adiar o evento, porque amanhã [15 de junho] vai haver uma manifestação na cidade [motivada pelo acidente]. Talvez a sociedade não entenda muito bem, porque o acontecido foi fatal, uma perda. [Trago] uma reflexão pra vossa excelência.

Jerbson decide manter data e local do Arraiá da Câmara

“Essa reflexão eu já fiz”, respondeu Jerbson. “Já temos toda a estrutura da festa montada. O bufê já está sendo feito, com comidas juninas, as bandas já estão compromissadas para aquela data. Não se transfere uma festa dessa forma. Outra coisa, se fosse no dia da manifestação, não, vai ser no outro dia. A gente não pode dar asas a uma interpretação que não é a verdade”, complementou.

“NÃO VAMOS JOGAR PRA TORCIDA”

Antes do diálogo com Augustão, Jerbson Moraes disse que ficou tocado com a tragédia, pois passou no local do acidente no sábado (11), quando o corpo de Ranitla Bonella ainda estava à beira da pista. Naquele momento, acrescentou, foi tomado pela lembrança de que sua filha costuma atravessar a BA-001 na mesma região da zona sul da cidade.

Para ele, a Câmara deve dar uma resposta à sociedade, mas dentro das suas atribuições. Uma comissão parlamentar vai acompanhar o caso. “Vamos dar uma resposta com amadurecimento e não vamos jogar pra torcida. Não vamos fazer política jogando pra torcida. Quer ver uma coisa? A nossa festa junina está marcada para o Mar Aberto. Eu não tive, em momento nenhum, relação de negócio com quem provocou o acidente. Não conhecia, inclusive. Sabia quem era, conheci pelas fotos, ouvi falar”.

Segundo Jerbson, a Câmara pagará apenas o bufê do Arraiá, sendo as atrações musicais e demais custos do festejo bancados pelo Mar Aberto. “A gente não tá pagando espaço, a gente não tá pagando iluminação, como tem muita gente aí dizendo”, emendou.

Na sequência, defendeu que a empresa e seus funcionários não podem ser punidos em razão do acidente. “São 21 famílias empregadas. Quer dizer que se o dono da Gol [Linhas Aéreas atropelar alguém], ninguém viaja mais de Gol? Isso não é política de amadurecimento. Nosso festejo vai acontecer lá. É decisão minha. Pensei muito nisso. Pensei muito hoje. Vinha mais cedo [para a Câmara], mas disse vou ficar aqui refletindo todo o acontecimento.

Deixe aqui seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.