Tempo de leitura: 3 minutos

A estudante Camila Pereira, 23, procurou o PIMENTA para apresentar as propostas da Chapa Semear (1) para a gestão do Diretório Central dos Estudantes Carlos Marighella (DCE), da Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc). A eleição dos novos membros do órgão estudantil começou hoje (12) e seguirá até amanhã (13).

Estudante de História, Camila é a candidata da Semear para a coordenação-geral do DCE. Segundo ela, o momento é de reorganização do movimento estudantil na Universidade, após três semestres de aulas remotas devido ao período crítico da pandemia de Covid-19.

O principal compromisso da Semear, conforme a estudante, é reconstruir o movimento com postura autônoma e crítica em relação ao Governo do Estado. “Pensando todas as últimas gestões do DCE, de 2019 pra trás, percebemos o quanto é importante agir com mais autonomia e independência, porque a gente precisa fazer críticas, por exemplo, ao Programa Mais Futuro”, declarou.

ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL

Criado em 2015 pelo Governo Rui Costa (PT), Mais Futuro é o programa de assistência estudantil para os universitários em vulnerabilidade socioeconômica. Os beneficiados são divididos em dois perfis. O primeiro é o do discente que estuda a menos de 100 km da sua cidade de origem, que recebe auxílio mensal de R$ 300,00. Já o segundo, voltado para quem estuda a mais de 100 km da terra natal, assegura R$ 600,00.

“Claro que o programa é uma conquista”, admitiu Camila da Silveira Pereira. “Mas, não significa que a gente não tenha críticas a ele desde o princípio”, ressalvou.

A crítica central da Chapa Semear ao Mais Futuro é a falta de reajuste dos valores dos benefícios. “[Hoje], para o estudante, é inviável se manter na Universidade com R$ 300,00”, disse a candidata. Por isso, ela defende que os auxílios sejam reajustados anualmente, com a reposição da perda inflacionária.

A jovem também critica o que chama de caráter meritocrático do programa, que condiciona a manutenção do benefício ao desempenho dos estudantes. A princípio, segundo ela, o beneficiário reprovado em duas matérias no mesmo semestre era desligado do Mais Futuro. Hoje, a tolerância é de até três matérias perdidas.

– Esses estudantes são os filhos e as filhas da classe trabalhadora, que passam por dificuldades no Ensino Médio e entram na Universidade com essas dificuldades também. Um programa que visa assistir a permanência dos estudantes não pode ser meritocrático e excludente.

Segundo ela, outro problema é a demora do início do pagamento das bolsas. “A gente está quase no final do primeiro semestre, que acaba agora, no final de julho, e os estudantes que se inscreveram no começo do semestre só vão começar a receber esse valor no semestre que vem”.

PROGRAMA DA CHAPA SEMEAR

Formada por 41 membros, a Chapa Semear reúne estudantes de 21 graduações. Parte dos integrantes é ligada à União da Juventude Comunista. A própria Camila está em fase de filiação à UJC. No entanto, a proposta do grupo é que a próxima gestão do DCE tenha autonomia também relação às juventudes partidárias, assegura a candidata.

O programa de gestão da Semear tem 8 eixos: assistência e permanência estudantil; ensino, pesquisa e extensão; combate às opressões (racismo, misoginia e LGBTQfobia); reconstrução do movimento estudantil; e orçamento.

Na avaliação de Camila Pereira, o debate orçamentário é pano de fundo de todas as reinvindicações. Segundo Camila, legalmente, as universidades estaduais têm direito a 5% da Receita Corrente Líquida do Estado, mas, devido a contingenciamentos, apenas 4,2% desses recursos têm sido executados. Além da execução plena do orçamento, a chapa Semear reivindicar o aumento do orçamento para 7% da RCL.

“Sem o aumento do orçamento [das universidades estaduais], a gente não consegue debater auxílio transporte, creche, residência estudantil, ampliação do RU. Todas essas questões atravessam o nosso programa”, explicou.

As dificuldades orçamentárias, continua a candidata, também impõem problemas à infraestrutura da Uesc, que precisa de investimentos. ” gente tem falhas na estrutura e precisa de investimentos na Universidade. Nós temos cursos onde laboratórios não funcionam”.

Clique aqui para ver o programa completo da Chapa Semear.

O PIMENTA também conversou com o candidato da chapa adversária (confira aqui).

Deixe aqui seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.