Tempo de leitura: 2 minutos

A cidade de Ilhéus, cenário da Feira, parecia sair dos livros de Jorge Amado e alcançar o mundo do leitor.

Efson Lima | efsonlima@gmail.com

Há grande quantidade de feiras e festivais literários na Bahia. Muitas dessas ações literárias partem de iniciativas voluntárias. As pessoas se juntam e buscam o apoio privado e/ou recurso público para subsidiar a realização dessas exposições literárias. A pandemia de Covid-19 estabeleceu um período sabático presencial para alguns deles, mas, felizmente, não conseguiu impor sua extinção.

Agora, em 2022, os festivais e feiras reaparecem com o brilho de uma vasta produção literária e com grande número de leitores interessados neles. Esses encontros aglutinam o público e reúnem diferentes linguagens: música, teatro, dança e artes plásticas. Indubitavelmente, organizadores e público estavam esperando o retorno desses eventos para comemorar e se reencontrar com a literatura fora do ambiente caseiro. Por sinal, a Bienal do Livro em São Paulo, ocorrida em julho último, teve volume considerável de vendas e número significativo de visitantes, registrando recordes.

Trago à lume a Feira Literária de Ilhéus (FLI) ocorrida no mês de julho. Nela, pude participar ativamente e apreciar a presença de alguns escritores de impacto nacional, como Viviane Mosé e Jeferson Tenório. A FLI foi organizada pela Academia de Letras de Ilhéus e pela Editora da Universidade Estadual de Santa Cruz (Editus). O evento teve lançamento de livros, concurso de obra literária (Prêmio Sosígenes Costa) e o envolvimento de escritores na maratona literária.

A FLI foi uma junção de linguagens e de propósitos, cujo emaranhado foi conferindo sentido ao evento à medida que as mesas, oficinas, shows, a gritaria da criançada e as perguntas do público se entrelaçavam. A cidade de Ilhéus, cenário da Feira, parecia sair dos livros de Jorge Amado e alcançar o mundo do leitor.

A realização dos festivais literários não se estancou na Bahia e, neste mês de agosto, já ocorreram o Festival de Praia do Forte e o Festival de Canudos (Flican). As articulações para a concretização da tradicional Feira Literária de Cachoeira (Flica), que vai ocorrer em setembro, estão a todo vapor; assim como para a Festa Literária de Uauá, no sertão da Bahia; e o Festival Literário Sul – Bahia (Flisba), em novembro, na cidade de Itajuípe, e, pela primeira vez, será de forma presencial, mas ainda com transmissão via internet.

Ainda teremos a Festa Literária Internacional do Pelourinho (Flipelô), também programada para novembro. E já se divulga a primeira edição da Festa Literária de Serra Grande, que promete se tornar um grande festival literário na biosfera da Mata Atlântica.

Efson Lima é mestre e doutor em Direito pela UFBA e membro da Academia de Letras de Ilhéus (ALI) e da Academia Grapiúna de Letras (Agral).

Deixe aqui seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.