Em artigo, Rodrigo Cardoso analisa 1º turno das eleições nacional e estadual
Tempo de leitura: 2 minutos

“É hora de seguir em frente na luta para manter a Bahia no rumo do desenvolvimento e para o Brasil ser feliz de novo”.

Rodrigo Cardoso

A eleição está duríssima, e o Brasil dividido. Lula venceu em todo o Nordeste com ampla maioria. Também levou os principais estados do Norte, Amazonas e Pará, além de Amapá e Tocantins. Ainda ganhou em Minas, estado tido como síntese do Brasil. Sul, Centro-Oeste, São Paulo, Rio e Espírito Santo deram a vitória a Bolsonaro.

O resultado geral é que vencemos com a maior votação que Lula já teve em primeiro turno. Bolsonaro também teve votação superior à de 2018, mas, ainda assim, ficou mais de 5 milhões de votos atrás. Portanto, é momento de comemorar a vitória parcial de Lula e nos preparar para o segundo turno.

Simone Tebet dá sinais de que pode apoiar Lula. Aguardamos o posicionamento de Ciro e do PDT.
Claro que o apoio da liderança não significa que os eleitores a seguirão. Porém, imagino que quem votou em Ciro por seu Programa Nacional de Desenvolvimento, e em Tebet, por sua ótima postura nos debates, defesa da democracia, das mulheres, do meio ambiente, dificilmente votará em Bolsonaro.

Nosso desafio é conversar com as pessoas, com os amigos e familiares, para virar esses votos, principalmente de quem escolheu esses dois candidatos ou se absteve no primeiro turno. Certamente, o bolsonarismo terá muito mais dificuldade para conseguir esse objetivo.

Na Bahia, mais uma vez, viramos na reta final, repetindo a história de 2006, com Wagner, e de 2014, com Rui. Faltou muito pouco para encerrar logo no primeiro turno. Bastariam os votos dados aos candidatos do PSOL, PSTU e PCB, pequeninos partidos de esquerda, para a vitória de Jerônimo já na primeira rodada.

ACM ficou numa sinuca. Precisará buscar os votos do bolsonarismo dados ao compadre Roma, mas, ao fazer isso, se afastará da parcela do eleitorado lulista que votou nele (teve até santinho ilegal juntando Lula e ACM).

Por outro lado, já se diz que vários prefeitos que abandonaram a base do governador Rui Costa para apoiar a oposição começam a fazer o caminho de volta.

Por último, o Congresso eleito é majoritariamente conservador e trará muitas dificuldades para um eventual governo de Lula. Contudo, tenho convicção de que, com toda sua experiência, ele terá condições de trabalhar muito pela retomada da credibilidade do Brasil e do desenvolvimento, com geração de emprego e renda, controlando a inflação e melhorando da vida do povo, mesmo nesse cenário adverso.

Portanto, é hora de seguir em frente na luta para manter a Bahia no rumo do desenvolvimento e para o Brasil ser feliz de novo. Agora é JeroLula!

Rodrigo Cardoso é presidente do Sindicato dos Bancários de Ilhéus e membro da direção estadual do PCdoB.

Uma resposta

  1. Simples, claro e preciso. Sem dúvidas nenhuma, pra classe trabalhadora, para os baianos e o Brasil, Jerônimo Rodrigues e Lula3, significa o retorno da democracia, da política do diálogo, normalidade institucional e política do Estado, e retomada de política econômica garantidora de bem estar social. Conquistar o governo da Bahia e SP é importantíssimo, pelo volume de voto que agregam, e tira voto aqui se Neto, mas fundamental pra vitória expressiva é ampliar nas regiões e segmentos que não conquistamos maiorias… Ilheus e os baianos já mostraram que estão firmes na campanha do #JeroLula.

Deixe aqui seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.