Igor pede ajuda para ir à maior simulação de conferência da ONU
Tempo de leitura: 2 minutos

Thiago Dias

Igor sonha em estudar fora do Brasil. Do alto da consciência de quem sonha acordado, aos 11 anos, pediu à mãe que o matriculasse em uma escola particular de inglês, mas o pedido não cabia no orçamento da família. Diante do obstáculo, o menino pensou numa solução. Enviou e-mail ao curso, explicou o desejo de aprender a língua estrangeira e solicitou uma bolsa. Comovida, Lussiede Bastos embarcou no sonho do filho e reforçou o pedido. Corria o ano de 2017, e a ACE Idiomas, em Itabuna, ofereceu desconto generoso na mensalidade do pequeno sonhador, que iniciou as aulas no ano seguinte. No último sábado (10), ele concluiu a primeira e mais longa etapa da formação.

O conhecimento do idioma de Shakespeare é como uma chave mestra para Igor Bastos Silva, que hoje tem 16 anos e estuda no Colégio Adventista de Itabuna, onde também é bolsista. Foi a desenvoltura no inglês que o levou ao Instituto Diplomun. Fundada e presidida pelo soteropolitano Felipe Carvalho, a instituição promove atividades para o desenvolvimento de habilidades diplomáticas, como oratória, resolutividade e capacidade de negociação.

Um dos focos da atuação internacional do instituto é a Havard World Model United Nations (HMUN). A conferência itinerante simula o funcionamento dos comitês e demais espaços decisórios da Organização das Nações Unidas (ONU), que a organiza em parceria com a Universidade Harvard. Centenas de brasileiros se candidataram para integrar a próxima delegação do Instituto Diplomun. Igor foi um dos cinco selecionados para a simulação, que será na última semana de janeiro próximo, em Boston.

– Eles deram 24h pra gente fazer três redações, uma em inglês, duas em português. Eu fui e fiz. Acabei conseguindo ser aprovado em meio a mais de 300 inscritos. Eu nunca tinha feito uma redação em inglês. Mas, como minha mãe sempre diz, eu já tenho meu não, por que não vou atrás do sim? – relembrou Igor, nesta terça-feira (13), em conversa com o PIMENTA.

O resultado da seleção foi anunciado em junho passado. Sem dinheiro para a viagem aos Estados Unidos, Igor tenta arrecadar R$ 15 mil em doações na Vakinha, plataforma de financiamento coletivo. O dinheiro vai custear passagens, hospedagem, visto e alimentação. “Já cheguei até aqui, não vou desistir, né?”, disse.

O estudante se diz decepcionado com a falta de apoio de instituições públicas, que, segundo ele, deveriam estimular a participação de jovens itabunenses em atividades para formação acadêmica e profissional. “O que a maioria da juventude de Itabuna está fazendo agora? Nada. Os jovens da nossa cidade sempre foram deixados de lado”.

Com eloquência rara para um adolescente, Igor disse ao PIMENTA que vislumbra a oportunidade de expandir sua rede contatos, caso consiga ir a Boston. Se tudo der certo, pretende obter ajuda para tirar do papel uma mentoria para estudantes de Itabuna, iniciativa concebida com uma amiga. Uma das frentes de trabalho, explica, será a criação de clubes de inglês nas escolas. Também quer facilitar o acesso a bolsas e a outras oportunidades de formação. Perguntamos se o projeto já tem nome. “Projeto Hope. Significa esperança”, respondeu, soletrando a palavra inglesa com sotaque impecável.

Caso queira ajudá-lo, clique neste link.

3 respostas

  1. Igor vá nessa sua força Deus é contigo meu jovem, mas não esqueça de agradecer o autor de sua vida, Jesus Cristo, estou em salvador moro em itabuna quero conhecer sua história de perto..tô retornando pra itabuna amanhã 17 , um forte abraço,, Deus te abençoe mais cada vez mais.

  2. Estou orgulhosa de você Igor, parabéns. É muito triste ver, que os jovens de Itabuna, sempre foram deixados de lado. E indo para caminhos, tortuosos.

Deixe aqui seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.