Tempo de leitura: < 1 minuto

Após dois anos e a conclusão de obras de reforma, as aulas presenciais no Instituto Municipal de Educação Aziz Maron (Imeam) foram inauguradas nesta segunda-feira (18), mudando o ambiente não apenas da escola como dos arredores do estabelecimento na Rua Adelindo Kfoury, no Alto Maron, região central de Itabuna.

“Foi muito emocionante”, traduziu Sara Souza, de 12 anos, aluna do 7º ano do Ensino Fundamental, não escondendo a ansiedade por conhecer colegas e professores.

A diretora do Imeam, Luciene Maria do Nascimento, comemora o retorno lembrando que não haveria momento melhor para trabalhar o tema “A coragem de abraçar o mundo. Se jogue”, escolhido para o ano letivo de 2022.

“Uma escola somente é completa e feliz, quando as salas estão cheias de alunos e esta proposta desafiadora foi planejada junto com a coordenação pedagógica porque estamos retornando num período pós-pandemia”, afirmou.

O Imeam é referência em Itabuna por utilizar o Vetor Disciplinar Militar, que busca principalmente por meio da disciplina, a melhoria na qualidade do ensino e a formação de jovens mais capacitados e preparados para a vida.

A diretora Luciene Nascimento atribui ao modelo de ensino, um dos principais motivos para a grande procura de vagas para o ano letivo de 2022. “Temos 1.396 alunos matriculados e estamos muito felizes porque escola sem aluno é uma escola vazia”.

Professora faleceu na noite deste sábado (15).
Tempo de leitura: < 1 minuto

A professora aposentada Ofélia Gomes Santos, que estava internada em um hospital de Itabuna, faleceu na noite deste sábado (15). Durante muitos anos, a educadora atuou no Instituto Municipal de Educação  Aziz Maron (Imeam) e na rede estadual, no Centro Integrado Oscar Marinho Falcão (Ciomf).

Muito  querida por professores e ex-alunos, Ofélia Gomes ajudou na formação de milhares de estudantes, sempre atuando na área das exatas. Não haverá velório e o corpo será sepultado às 10h, sem aglomerações. Ainda não foram confirmados as causas da morte.

A Secretaria Municipal da Educação (SME) divulgou, há pouco, nota lamentando o falecimento lamentado a morte da professora Ofélia Gomes, que é de uma família de educadores. A irmã dela, a professora Odélia Gomes Campos, é diretora da Escola Municipal Três Irmãos, no bairro Pedro Jerônimo.

Tempo de leitura: 4 minutos
Audiência reuniu vereadores, pais, professores, alunos e PMs na Câmara

Com o plenário da Câmara lotado de professores, diretores e estudantes, audiência pública buscou colher da comunidade o olhar sobre a implantação do Vetor Disciplinar nas escolas municipais. Afinal, deverá ser votado pelos vereadores neste período extraordinário o projeto (nº 055/2019, do Executivo) que estabelece normas para a gestão compartilhada entre o Município e a Polícia Militar como alternativa por mais segurança em escolas da rede em Itabuna.

Além do Instituto Municipal de Educação Aziz Maron (Imeam), adotado em 2019 como projeto-piloto, a proposta contemplará outras quatro unidades: CAIC (Centro de Atenção Integral à Criança) Jorge Amado, do bairro Jardim Primavera; Escola Lourival Vieira, em Ferradas; Escola Margarida Pereira, no Pedro Jerônimo; e Escola Flávio Simões, no Califórnia.

O projeto final a ser votado tem, até então, o acréscimo de 22 emendas, assinadas pelos vereadores relatores da matéria, Babá Cearense (PSL) e Beto Dourado (PSDB), mais Júnior Brandão (PT). Professores por formação, Beto e Júnior ponderaram que não gostariam de ver em tela tal interferência no processo educativo.

Brandão ponderou se, ao invés do Vetor Disciplinar, não seria possível adotar modelos de escolas com resultados reconhecidos na cidade. Babá, por sua vez, disse ter ficado claro nas visitas às citadas escolas – e até no entorno delas – o quanto a chegada do Vetor Disciplinar é esperada.

DIREITO DE ENSINAR

Para a diretora do Imeam, Wildes Alvarenga, mudanças expressivas foram percebidas na comunidade escolar, a partir do momento em que o referido vetor foi implantado. Citou números para traduzir a nova realidade: eram 437 alunos e hoje são 1.225. Grande parte migrou do Ciso, após a Prefeitura romper contrato com o colégio após o fim do ano letivo de 2018. “A inserção do vetor foi o grande motivo para a confiança dos pais, está sendo uma parceria valorosa. O lema era pelo direito de aprender. O Vetor garante ao professor o direito de ensinar”, comparou.

Imeam foi primeiro escola a implantar disciplina militar em Itabuna || Foto Divulgação

Segundo Maria da Conceição Araújo Lagariça, representante do Departamento de Educação Básica, foram selecionadas regiões com mais problemas decorrentes da violência, a fim de definir as escolas com a cooperação entre município e PM. “Foi a solução mais viável no momento e a implantação só vai se viabilizar com a adesão dos pais. Para aqueles que não desejarem, o município garante o acesso até uma escola que não tenha o vetor, inclusive dando vale-transporte”, explicou.

“RECONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE”

O professor Érico José dos Santos, há 18 meses diretor da Escola Margarida Pereira, mencionou a expectativa de mudanças numa unidade em que muitas famílias não podem frequentar por causa da criminalidade. Informou sobre a parceria com grupos de estudo da Uesc (Universidade Estadual de Santa Cruz), a atual retomada da confiança e a consulta que mostra 82,75% dos pais favoráveis ao Vetor Disciplinar naquele colégio.”Os alunos estão vivendo um momento de reconstrução da identidade”, observou.

Jairo Araújo (PCdoB) também lamentou que estejamos num momento de recorrer a tais expedientes, sobretudo por questões de segurança, e chamou a atenção para o impacto financeiro da implantação do Vetor Disciplinar – aproximadamente R$ 300 mil por escola a cada ano. Em contrapartida, o vereador Ronaldão (PMN) lembrou a situação de perigo que tem rondado o dia-a-dia dos professores, o que torna menos importante considerar o impacto financeiro em vista.

“RESPEITO AO PROFESSOR”

A audiência, solicitada pelo já citado Junior Brandão, foi presidida pelo edil Robson Sá (PP), e também teve à mesa a presidente do Conselho Municipal de Educação, Rosemary Santiago, que reconheceu os já corrigidos pontos de ilegalidade no projeto; apontou deficiências como falta de infraestrutura e de equipamentos nas unidades escolares e ressalvou, sobre a complexidade dos fatores causadores da violência: “Estamos levando para a escola uma questão social! E a escola não tem esse poder”.

O capitão Carlos Araújo, representando a Polícia Militar, frisou a importância de o projeto ter tido o envolvimento de quem concorda e de quem discorda. “É importante a participação de todos, durante a aplicação do modelo: professores, pais, alunos. Porque não adianta aplicar um modelo, seja ele qual for, sem a participação de todos os segmentos integrantes desse processo”, sublinhou.Leia Mais

Tempo de leitura: < 1 minuto

O Instituto Municipal de Educação Aziz Maron (Imeam) é uma das escolas itabunenses de tempo integral. Pioneira na rede pública. As aulas da grade curricular ocorrem no turno da manhã e o período da tarde é reservado para oficinas de esportes, música e Língua Portuguesa e Matemática, dentre outras atividades. Pelo projeto, o aluno entraria às 7h e sairia às 16h.

Não está sendo assim.

Desde o início do ano letivo, terminadas as aulas da grade curricular, por volta das 11h30min, os alunos são liberados. Quem mora próximo – ou tem como, retorna para as atividades do turno vespertino. Isso, porque falta a refeição do meio-dia, antes fornecida regularmente.

O governo municipal informou que não estava fornecendo a alimentação aos alunos, pois a verba do Mais Educação ainda não havia sido repassada pelo Ministério da Educação (MEC) neste ano.

Essa pausa dá cores fortes a um quadro triste: talvez vários dos pais de alunos não saibam – e talvez por que não acompanhem a vida escolar dos filhos – que muitos deles ficam em ruas e vielas situadas nas proximidades do Imeam nesse intervalo para o almoço.

Sentados nas calçadas ou até mesmo fechando ruas, entregam-se a toda a sorte. E isso inclui desde abordagens desrespeitosas a cidadãos que passam por perto a prática de atos libidinosos e uso de drogas. O consumo de drogas, aliás, tornou-se comum e chama a atenção de moradores e transeuntes, demandando ação policial de inteligência.

Tempo de leitura: < 1 minuto
Figura das mais queridas do esporte sul-baiano, Pica Pau faleceu neste sábado, em Itabuna.
Figura das mais queridas do esporte sul-baiano, Pica Pau faleceu neste sábado, em Itabuna.

O esporte itabunense perdeu neste sábado (14) o professor Gutemberg Assis (“Pica-Pau”). O educador faleceu vítima de cirrose hepática. O corpo será velado no Santa Fé, ao lado do cemitério Campo Santo, onde será sepultado neste domingo (15), às 8h.

Conhecido como Pica-Pau, Gutemberg Assis foi professor de handebol e futsal de colégios como o Imeam e encantava pelo prazer em ensinar, além de comandar as seleções amadoras de handebol de Itabuna por vários anos. Junto com professores como Júvia Dantas e Paulo Rezende, ajudou o handebol itabunense a figurar como um dos melhores da Bahia.

Atletas novos e veteranos e amigos divulgaram mensagem resgatando o legado de “Pica-Pau”:

– Com suas ações, sempre será lembrado por nós como uma pessoa que fez muita diferença e ajudou decisivamente para que o Handebol de Itabuna transformasse em referencia estadual . A Família Handebol sente a dor da perda, a falta e a saudade da sua presença física.

Tempo de leitura: < 1 minuto

AntonioA missa de Sétimo Dia de falecimento do educador Antônio Soares de Jesus Filho, “Sal”, ex-instrutor das fanfarras do Imeam e Colégio Estadual, será realizada nesta quinta-feira (26), ao meio-dia, na Catedral de São José, em Itabuna.

“Sal”, que também foi percussionista da banda Pagodence, faleceu ao ser submetido a cirurgia de transplante renal na última sexta (20) em Salvador, onde estava residindo.

O órgão foi doado pela irmã Geassy Soares. “Deus tinha outro entendimento e precisava de mais um anjo no céu”, diz, emocionada, Geassy, que agradece as orações pelo músico e família.

Tempo de leitura: < 1 minuto
Antonio Soares, "Sal", entre esposa e filho, faleceu ontem em Salvador.
Antonio Soares, “Sal”, entre esposa e filho, faleceu ontem em Salvador.

Antonio Soares de Jesus Filho, educador e ex-instrutor das fanfarras dos colégios Imeam e Estadual, faleceu ontem (20), em Salvador, após ser submetido a cirurgia de transplante renal. Filho de Wilma Soares, “Sal”, como era conhecido, foi aluno do Imeam e percussionista da banda Pagodence.

O corpo do músico e educador está sendo velado no SAF, em frente ao Grapiúna Tênis Clube, em Itabuna. O velório está marcado para as 14h. “Sal” deixa esposa, Carla Santana, e um filho, Felipe. O clima é de consternação entre amigos e ex-colegas.

Tempo de leitura: < 1 minuto

Professora Socorro Santana.
Professora Socorro Santana.

A educação de Itabuna perdeu uma de suas mais importantes figuras, Maria Socorro Santana. Professora Socorro lecionou as disciplinas de Geografia e História no Instituto Municipal de Educação Aziz Maron (Imeam) por aproximadamente 25 anos.
Socorro completaria 67 anos de idade no próximo dia 24 de janeiro e teve atuação ligada às questões sociais. Há vários anos, integrava grupos da Terceira Idade em Itabuna.
O corpo da professora está sendo velado no SAF, na Avenida Juca Leão, próximo ao Grapiúna Tênis Clube. O enterro está marcado para as 16 horas, no cemitério Campo Santo, em Itabuna.

Tempo de leitura: < 1 minuto

Colégio registra agressões a professor e tráfico de drogas (Foto Divulgação).

A polícia militar apreendeu, ontem, por volta do meio-dia e meia, no colégio Imeam, o menor K. F., residente no Monte Cristo. Ele portava 15 pedras de crack, as quais iria vender a alunos daquela escola municipal.

Segundo contou à polícia, a responsável pela droga seria uma menina, aluna do Imeam, identificada por G. P. de J., moradora do Fátima. Junto com K. F., foi conduzida a diretora Lídia Bonfim, que acompanhou o menor.

A pequena chefe, G. P., de acordo com o menor apreendido, teria lhe passado a droga camuflada no interior de uma embalagem plástica de tintol.

O Imeam é a mesma escola de onde sete menores foram levados ao Complexo Policial de Itabuna, após agressão verbal e ameaças a uma professora de matemática.

Leia notícia completa no Trombone