Tempo de leitura: < 1 minuto

Um ônibus da Rota Transportes atolou num lamaçal na estrada de Inema, distrito da zona rural de Ilhéus, nesta quarta-feira (6). Os passageiros precisaram saltar do veículo, que ficou com as rodas afundadas na lama.

Uma cinegrafista amadora registrou o momento em que os próprios passageiros tentavam auxiliar o motorista a tirar o veículo do atoleiro. “Vixe! Ficou feia a coisa”, disse a mulher. Assista.

Chuva forte volta a causar estragos em Juazeiro
Tempo de leitura: 3 minutos

Voltou a chover forte no sul da Bahia e em outras regiões do estado nos últimos dois dias. Menos intensas do que em dezembro, quando causaram estragos em quase todas as regiões, as chuvas que atingiram o estado de segunda-feira (24) para hoje (25) provocaram mais transtornos e prejuízos, principalmente em áreas em que o solo já mostrava instabilidade.

Em Senhor do Bonfim, na região norte, a chuva de ontem fez transbordarem os canais de drenagem que cortam a cidade, causando alagamentos. Ao menos cinco residências desabaram e 25 pessoas ficaram desalojadas e tiveram que se abrigar em casas de parentes ou amigos.

Segundo o coordenador da Defesa Civil municipal, Pablo Vinicius Araújo de Oliveira, em alguns pontos da cidade choveu o equivalente a 90 milímetros em pouco mais de 20 minutos. Na região central, em cerca de uma hora de chuva, o acumulado atingiu 50 milímetros – mais que a média semanal habitual.

“Muito raramente, temos chuvas de 50 milímetros aqui na cidade”, disse Oliveira. “Já tínhamos sido atingidos pelas chuvas de dezembro, mas sem registro de graves transtornos. Agora, tivemos alguns prejuízos grandes, principalmente em estradas e no calçamento”, acrescentou o coordenador da Defesa Civil. De acordo com Oliveira, embora algumas vias tenham sido temporariamente interditadas, nenhuma área foi isolada.

ITORORÓ E VITÓRIA DA CONQUISTA

A quase 700 quilômetros de Senhor do Bonfim, o município de Itororó, no centro-sul da Bahia, também enfrentou chuva forte. Imagens gravadas por moradores e compartilhadas nas redes sociais mostram casas invadidas pela água que tomou algumas ruas da cidade, uma das 175 que decretaram situação de emergência em dezembro, por causa dos temporais. Em consequência daquelas chuvas, pelo menos 27 pessoas morreram. Já no sudoeste, Vitória da Conquista registrou forte chuva, com alagamentos e enxurradas, que levaram vans, carros de passeios e motos.

Segundo a meteorologista Maryfrance Diniz, do Inmet, a previsão de mais chuva no extremo-sul da Bahia. E o Instituto Estadual do Meio Ambiente e Recursos Hídricos emitirá alerta laranja (atenção) para todo o litoral sul baiano. Um vórtice ciclônico de altos níveis está favorecendo o aumento da nebulosidade sobre o litoral sul e a região leste da Bahia. Soma-se a isso a ação dos ventos úmidos que sopram do Oceano Atlântico, potencializando a formação de nuvens e, consequentemente, as chuvas.

“As chuvas realmente estão voltando [ao estado] nesta semana. Não com intensidade e volume tão expressivos quanto os de dezembro, mas há riscos. O solo ainda está muito instável e há rios muito cheios, que podem transbordar com qualquer nova chuvinha. A população deve estar atenta”, disse Maryfrance, que avisa sobre a possibilidade de volume considerável de chuva no sul do estado nos próximos dias.

PREVISÃO DE CHUVAS FORTES NO SUL E EXTREMO-SUL

“A previsão é de que, entre hoje e amanhã [26], a precipitação supere 30 milímetros no extremo-sul, atingindo parte de Caravelas, Teixeira de Freitas, Porto Seguro e proximidades. Por isso, a população e as autoridades precisam ficar atentas a qualquer mudança no solo e tomar todos os cuidados necessários”, acrescentou Maryfrance.

A meteorologista adiantou que o Inema emitirá alerta laranja, de atenção, para todo o litoral sul do estado. Em Itabuna, chove na noite desta terça-feira (25). A chuva veio acompanhada de vendaval, trovões e relâmpagos.

O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) divulgou hoje aviso alertando sobre o perigo de chuvas intensas em extensa área que vai do noroeste do Espírito Santo ao nordeste da Bahia, de hoje para amanhã, com potencial de afetar também algumas regiões de Minas Gerais, como o Vale do Jequitinhonha e o norte mineiro. Da Redação do PIMENTA mais informações da Agência Brasil.

Município tem dez bairros e distritos atingidos por enchentes
Tempo de leitura: < 1 minuto

Após a trégua da chuva, nesta terça-feira (28), Ilhéus tem 4.834 pessoas desalojadas e outras 946 abrigadas em escolas públicas, informa a Prefeitura.

Há registro de alagamentos em Aritaguá, Juerana, Sambaituba, Lagoa Encantada, Banco da Vitória, Vila Cachoeira, Salobrinho, Acuípe, Inema e Pimenteira.

SAIBA COMO AJUDAR FAMÍLIAS ATINGIDAS POR ENCHENTES

A Prefeitura de Ilhéus mantém ponto de coleta de donativos na antiga sede da Secretaria de Promoção Social e Combate à Pobreza, na rua Mário Alfredo, próxima à Associação Dezenove de Março, no bairro da Conquista.

Há carência de itens de higiene pessoal, material de limpeza, colchonetes e medicamentos, a exemplo de dipirona, loratadina e paracetamol.

O governo municipal também disponibilizou conta bancária para doações em dinheiro: Banco do Brasil, agência 0019-1, conta corrente 81998-0, CNPJ 13.672.597/0001-62; Pix: sefaz@ilheus.ba.gov.br.

Carqueija denuncia situação grave em Inema, distrito de Ilhéus
Tempo de leitura: < 1 minuto

O vereador Paulo Carqueija (PSD) cobrou hoje (26), das autoridades sanitárias do município, testagem em massa dos moradores de Inema, distrito de Ilhéus, onde, informa, ocorre surto de Covid-19. A cobrança foi feita durante sessão desta quarta.

– A localidade tem no momento pelo menos 20 pessoas suspeitas de terem contraído a doença, 10 positivadas, uma internada em estado grave – relatou o vereador, que pediu campanha de esclarecimento aos moradores sobre distanciamento, higiene das mãos e uso de máscara.

Segundo Carqueija, a situação pode ser definida como grave, considerando que, além das suspeitas, Inema sofre com a falta de um hospital, não tem ambulância e está momentaneamente sem médico. É preciso, também, considerar a localização geográfica da localidade, que fica a 100 quilômetros da sede municipal.

Para mãe de santo, governador não vai permitir que estação elevatória de esgoto seja construída no local da Festa de Iemanjá
Tempo de leitura: 7 minutos

Thiago Dias

A ialorixá Mãe Laura, de 72 anos, mobiliza terreiros para impedir a construção de uma Estação Elevatória de Esgoto (EEE) da Embasa no espaço onde ocorre anualmente a Festa de Iemanjá, sempre no dia 2 de fevereiro. Realizada pela mãe de santo há 44 anos na Nova Brasília, comunidade do bairro Pontal, a celebração é uma das manifestações mais tradicionais da religiosidade e da cultura popular de Ilhéus.

Na década de 1970, lembra Mãe Laura, “a Nova Brasília era praia pura; poucas casinhas”. Desde então, a paisagem mudou muito. “Acho que é progresso. Tudo bem, tá certo, mas não pode também mexer nas coisas da cultura e do sagrado”, alerta a fundadora do terreiro Ilê Guainia de Oiá em conversa com o PIMENTA.

Imagem de Iemanjá, que abre cortejo da festa na Nova Brasília, feita com tronco de árvore encontrado na praia

Mãe Laura pretende recorrer ao Governo do Estado e ao prefeito Mário Alexandre (PSD) para que o equipamento da Embasa não seja construído na Universidade Livre do Mar e da Mata (Maramata), que pertence ao município e é o palco principal da Festa de Iemanjá na Nova Brasília. “Se for preciso, vou até o governador [Rui Costa]”, avisa.

A ESCOLHA DO LOCAL

Fernanda Dantas (de saia florida) participou de reunião sobre a obra com Mãe Laura, o vereador Vinícius Alcântara, o advogado Gabriel Souza e a mestre Janete Lainha, presidente do Conselho Municipal de Cultura

Foi Fernanda Dantas quem avisou à mãe de santo sobre a obra. Professora de História do Colégio da Polícia Militar Rômulo Galvão, ela mora ao lado da Maramata. Fernanda destaca a relevância da ampliação do sistema de saneamento básico para Ilhéus, que trata menos de 40% do seu esgoto. “[A obra] é muitíssimo bem-vinda. O meio ambiente precisa. A gente não pode ficar jogando as águas sujas no mar, sem tratamento, sem nada”. Porém, considera o local escolhido inapropriado para uma estação elevatória de esgoto. De acordo com a Embasa, a escolha da área levou em consideração as características topográficas do terreno.

A praia da Maramata vista da ponte Jorge Amado

A Prefeitura de Ilhéus e a Embasa, na perspectiva da professora, não se comunicaram devidamente com a comunidade para explicar a intervenção. Ouvidor cidadão da Defensoria Pública do Estado (DPE), Crispim Soares tem a mesma opinião. Além disso, ele considera a escolha do local para a estação uma afronta às religiões que cultuam Iemanjá, a exemplo da umbanda e do candomblé. “Nós temos o direito de ter dignidade para fazer nossas celebrações. As forças da natureza, para gente, são elementos sagrados. O mar está ali; as árvores, mesmo que poucas, estão ali; a terra que sustenta o chão, sustenta todos nós, está ali; o ar puro está ali”, elencou, descrevendo as características da área livre da Maramata.

Crispim, que foi iniciado no candomblé no terreiro Abassa Kalundé Kalungerê, do Banco da Vitória, informou ao PIMENTA que os povos de terreiro buscarão a ajuda da DPE e do Ministério Público do Estado da Bahia para embargar a obra.

INTERVENÇÕES URBANAS DEVEM CONSIDERAR CULTURA E HISTÓRIA DOS LOCAIS, AFIRMA PROFESSOR

Segundo Luciano, além da legislação, intervenções urbanas devem considerar a cultura e a história dos locais escolhidos

Nossa reportagem também conversou sobre o assunto com o professor Luciano Pillo, coordenador do curso de Arquitetura e Urbanismo da Unime. Como não conhece o projeto discutido, Luciano preferiu não fazer uma avaliação do caso em particular, mas falou em tese sobre os principais aspectos que devem ser considerados ao se analisar uma intervenção urbana.

Segundo o professor, a primeira coisa a saber é se o projeto está de acordo com a legislação que incide sobre esse tipo de obra. “Se sim, a gente parte para outros aspectos. Mesmo quando um projeto é legal, na nossa ótica – sobretudo na ótica do urbanismo, muito mais do que da arquitetura-, não há a possibilidade de tomar decisões (pelo menos, nós não recomendamos) descartando a relação histórica e cultural. A legislação permite? Muito bom, mas a gente precisa levar em consideração a história do sítio. Infelizmente, isso é muito descartado hoje nas decisões, sobretudo da gestão pública”.

Antes de uma intervenção urbana significativa ser realizada, explica Luciano Pillo, a população local deve ser ouvida e esclarecida sobre o projeto. Quando isso não ocorre, “muitas vezes, os moradores têm a impressão de que o espaço está sendo simplesmente invadindo, pressupondo que aquela ocupação não é regular”.

LICENCIAMENTO AMBIENTAL

O vereador Vinícius Alcântara (PV), presidente da Comissão de Meio Ambiente da Câmara de Ilhéus, por meio de ofício enviado à Embasa, perguntou à empresa pública se os moradores da Nova Brasília foram ouvidos sobre a obra e se a licença ambiental foi respaldada por estudos de impacto de vizinhança e de alternativas locacionais. A Embasa, por sua vez, informou ao site que a estação elevatória foi licenciada pelo Instituto de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Inema).

Praça de alimentação ao lado da Maramata

Recentemente, a Prefeitura de Ilhéus construiu uma praça de alimentação ao lado da Maramata, próxima da cabeceira da ponte Jorge Amado. Nossa reportagem conversou com o dono de um food-truck que trabalha no local. Ele pediu para não ser identificado na matéria.  O empreendedor tem medo que a Estação Elevatória de Esgoto, cujo local escolhido fica a menos de 50 metros da praça, espante os clientes. Teme também que o equipamento emita ruído e mau cheiro.

Procurada pelo PIMENTA, a Embasa enviou nota (íntegra abaixo) ao site, informando que “as estações elevatórias previstas na praça do Pontal, na área verde da Sapetinga e na praça do museu Maramata respeitarão o conjunto urbanístico existente. Os equipamentos, à exceção do conjunto elétrico, são subterrâneos e não provocam prejuízo estético, ambiental ou quaisquer outros transtornos”.

Também procuramos a Prefeitura de Ilhéus, na última quinta-feira (25), para perguntar qual foi o instrumento legal utilizado para autorizar a construção da EEE na Maramata. Não obtivemos resposta até o momento.

Leia a íntegra da nota da Embasa

A Embasa informa que Ilhéus está recebendo investimentos da ordem de R$ 71,6 milhões de reais, com a ampliação do Sistema de Esgotamento Sanitário (SES) Ilhéus-Pontal. O novo SES visa elevar a cobertura de atendimento com o serviço de coleta, tratamento e destinação final de esgotos sanitários para 80%, percentual semelhante às cidades mais saneadas do país. O empreendimento beneficia cerca de 65 mil pessoas, através da implantação de 55 km de redes coletoras, 13 novas estações elevatórias e uma moderna estação de tratamento de esgoto. A primeira etapa do empreendimento já se encontra em operação e a segunda etapa levará o serviço de esgotamento sanitário aos bairros Pontal, Sapetinga, Nova Brasília e parte do Nossa Senhora da Vitória. A previsão é de que a obra seja concluída no primeiro semestre de 2022.

As estações elevatórias previstas na praça do Pontal, na área verde da Sapetinga e na praça do museu Maramata respeitarão o conjunto urbanístico existente. Os equipamentos, à exceção do conjunto elétrico, são subterrâneos e não provocam prejuízo estético, ambiental ou quaisquer outros transtornos. Não é verdadeira a informação de que árvores serão suprimidas ou que haverá prejuízo às atividades já realizadas nos respectivos locais.

É preciso esclarecer a diferença entre as estações elevatórias e a estação de tratamento de esgoto. As estações elevatórias são unidades responsáveis pelo bombeamento dos esgotos coletados até a estação de tratamento, situada no distrito do Couto. Não existe acúmulo nem tratamento de esgotos nas elevatórias. Um diferencial do empreendimento é que todas as estações elevatórias previstas possuem equipamento reserva e grupo gerador, acionados durante um eventual desabastecimento de energia. Como consequência, a continuidade do serviço é garantida. Além disso, os geradores são cabinados, garantindo conforto acústico aos moradores de seu entorno.

A definição da localização das estações elevatórias está vinculada às condições técnicas e topográficas das áreas que serão atendidas, não sendo, portanto, de livre escolha. A disponibilidade e a situação fundiária das áreas, que devem possuir espaço suficiente para implantação das unidades, também são avaliadas. O objetivo é implantar a estação elevatória em um ponto que possa atender ao máximo de pessoas.

Já nova estação de tratamento de esgotos (ETE) está situada em área distante dois quilômetros da sede municipal, cercada por mata atlântica, que funciona como um cinturão verde natural, ajudando na dissipação dos gases oriundos do processo de depuração do esgoto. A concepção da ETE foi baseada na classificação do corpo receptor estabelecida pelo Conselho Nacional de Meio Ambiente (Conama) e é capaz de reduzir 97% da carga orgânica e 99,9% de bactérias do tipo coliformes termotolerantes.

Também é preciso informar que as intervenções se encontram licenciadas por meio da Portaria nº 11.306/2016 do Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos – Inema (Licença de Instalação) com vigência até 18/02/2022. A Embasa também segue cumprindo as condicionantes previstas na licença, destacadamente aquelas relacionadas à implantação das estações elevatórias.

Sem as estações elevatórias, é inviável o atendimento à população, pelos motivos técnicos já informados. Além disso, não seria possível a despoluição da Baía do Pontal, uma vez que, sem esse equipamento, os moradores do eixo de intervenção continuariam afastando esgoto in natura por meio de córregos e galerias pluviais.

O Projeto de Trabalho Social (PTS) da obra atua por meio de diversas atividades de conscientização ambiental e presta informações sobre a adesão ao sistema. A equipe social também está disponível para registrar e atender sugestões e reclamações. O telefone é 73 3632-8713 e o canal funciona de segunda a sexta-feira, das 08 às 12h e das 13h às 17h.

Animais apreendidos em Mascote
Tempo de leitura: 2 minutos

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) resgatou, no distrito de São João do Paraíso, em Mascote,  450  filhotes de papagaio, periquitos e aves de outras espécies que estavam mantidos aprisionados em cativeiro e preparados para serem comercializados nos estados de São Paulo e Rio de Janeiro.

A PRF chegou ao local após ser acionada pelo Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Inema), em Itabuna. Em um imóvel indicado em uma denúncia anônima, os agentes rodoviários e os fiscais do órgão de ficalização, constataram a situação  de maus-tratos a animais silvestres.

Espalhados pela casa, foram encontrados pássaros de diversas espécies conhecidas popularmente como cardeal, pássaro preto, papa capim, coleira, azulão, sofrê, canário da terra, trinca ferro, tico tico e sabiá, além de uma grande quantidade de filhotes de papagaios e periquitos com apenas algumas penugens sobre o corpo.

Os animais estavam amontoados em caixas de papelão, gaiolas e viveiros, e em condições precárias de falta de higiene (cobertas com fezes e urina), sem água, com restrição de movimento, privação de luz e sem circulação de ar. Muitos estavam desidratados e debilitados e alguns já foram encontrados mortos. Também foram apreendidos diversos apetrechos utilizados na captura ilegal desses animais.

GALOS DE RINHA

Galos foram encontrados em rinha

Em outro imóvel,  ainda em São Joõ do Paraíso, os policiais rodoviários encontraram  mais 40 de galos de rinha. Esses animais são utilizados em competições ilegais, para duelarem entre si, muitas vezes até a morte.

Os animais resgatados foram encaminhados para o centro de recuperação de Cruz das Almas. Lá, eles serão triados, alimentados e tratados por equipes de veterinários e biólogos, onde passam por um processo de reabilitação para voltarem à liberdade. Já os 42 galos foram entregues na sede da Cavalaria do 15° do Batalhão da Polícia Militar.

O responsável pelo aprisionamento ilegal dos animais foi identificado e a ocorrência foi apresentada na Delegacia de Polícia Civil, em Mascote, para instauração do inquérito policial e demais procedimentos cabíveis. O nome dele não foi divulgado.

Tempo de leitura: 2 minutos
A coordenadora do Núcleo Regional Sul do Instituto de Meio Ambiente e Recursos Hidrícos (Inema), órgão da Secretaria Estadual de Meio Ambiente da Bahia, Cibele Pinto, visitou as instalações do CVR Costa do Cacau, na Rodovia Ilhéus-Itabuna. Acompanhada do coordenador técnico, José Eduardo Simões, e de técnicos da instituição, Cibele conheceu toda a estrutura do empreendimento de gestão de resíduos sólidos, desde sistema de recepção a áreas de armazenamento.
A CVR é a única no sul da Bahia credenciada para a coleta de resíduos sólidos, com todas as licenças ambientais concedidas pelo Ibama e Inema, e já está em funcionamento, numa área de 75 hectares. As atividades da empresa incluem reciclagem para o beneficiamento de material, com a instalação de Ecoindústrias, e produção de energia a partir do gás metano.
A coordenadora do Inema NR Sul, Cibele Pinto, destacou que o projeto da CVR é muito importante para a região, permitindo que os municípios reduzam o impacto ambiental causado pelos lixões. “A estrutura é adequada para receber os resíduos e as prefeituras terão condições de dar uma destinação correta ao lixo coletado”, afirmou Cibele.
De acordo com José Eduardo Simões, a CVR Costa do Cacau vai propiciar a solução imediata da questão do lixo “a céu a aberto”, que será enviado para um local adequado e licenciado. “Os benefícios são imediatos e com projetos com coleta seletiva e educação ambiental nos municípios esse impacto positivo será ampliado”.
MEIO AMBIENTE
Mauricio Sena, gerente comercial da CVR, ressalta que o processo de preservação ambiental passa pela destinação correta dos resíduos. “Essa é uma opção que a região não tinha e estamos disponibilizando. A Política Nacional de Resíduos e o Marco de Saneamento determinam a destinação de resíduos em locais adequados e a CVR está apta a realizar esse serviço”, diz.

Leia Mais

Aplicativo vai ajudar banhistas na localização da praia ideal|| Foto Alberto Coutinho
Tempo de leitura: 2 minutos

O Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Inema) desenvolveu um aplicativo para que baianos e turistas possam tomar banho de mar sem arriscar a saúde.  O “Vai dar Praia” pode ser acessado em aparelhos com Android e IOS.  O programa também tem conexão com o Google Maps, indicando as melhores rotas de acesso às praias. Basta pesquisar pelo nome, “Vai dar Praia”, no Play Store (Android) ou na App Store (IOS).

A Bahia é o estado brasileiro com a maior extensão litorânea, são 1.100 quilômetros de praias, e o aplicativo traz informações das praias próprias e impróprias para o banho em 29 municípios, além da tábua de maré e as condições climáticas.

O diretor de Recursos Hídricos e Monitoramento Ambiental do Inema, Eduardo Topázio, conta que a ideia do app surgiu há cerca de três anos, quando houve o boato de que o rompimento da barragem de Mariana deixaria as praias do sul da Bahia impróprias para banho.

“Naquele período, a gente achou que era preciso melhorar a comunicação com a sociedade, para que as pessoas pudessem saber, de forma fácil e rápida, a qualidade das praias baianas. Surgiu então a ideia de desenvolver um aplicativo na área de monitoramento ambiental. Agora, qualquer pessoa, de qualquer lugar do mundo, pode verificar como está a balneabilidade das nossas praias”.

Aplicativo facilita a vida de banhistas

Leia Mais

Tempo de leitura: 2 minutos
João Carlos: 20 mil cacauicultores beneficiados com Portaria da Cabruca

Publicada na edição de ontem (17) do Diário Oficial do Estado, a Portaria Conjunta 03/2019 da Secretaria Estadual do Meio Ambiente (Sema) e do Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Inema) beneficiará cerca de 20 mil produtores de cacau, na avaliação do titular da Sema, João Carlos Oliveira.

– Nós vamos sair de uma média atual de 300, para uma expectativa de 700 pés de cacau por hectare, preservando a Mata Atlântica. Isso nos leva ao aumento da produção e da produtividade, viabilizando a cabruca como uma atividade positiva no contexto econômico, social, ambiental e cultural, beneficiando mais de 20 mil produtores de cacau – afirma o secretário de Meio Ambiente da Bahia.

A Portaria da Cabruca atende a uma reivindicação dos produtores e atualiza portaria de 2015 sobre a concessão de Autorização de Manejo da Cabruca (AMC). De acordo com o Estado, o documento “reflete ampla discussão com os atores interessados”.Leia Mais

Tempo de leitura: 2 minutos

Assaí terá primeira filial no sul da Bahia em Ilhéus || Foto Divulgação

O Instituto Estadual do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Inema) liberará, ainda nesta semana, autorização para que o Assaí Atacadista inicie as obras de construção da filial em Ilhéus. A diretora-geral do Inema, Márcia Cristina Lima, confirmou ao deputado estadual Rosemberg Pinto, nesta terça (29), que a Autorização de Supressão de Vegetação (ASV) será publicada ainda nesta semana, no Diário Oficial do Estado.
A informação foi repassada pela diretora-geral durante reunião com o parlamentar, na sede do Inema. O Assaí Atacadista poderá gerar cerca de 300 empregos e anunciou investimentos de R$ 40 milhões na filial ilheense. O Assaí pertence ao Grupo Pão de Açúcar e será construído na Rodovia Ilhéus-Olivença, zona sul do município.
Rosemberg Pinto recebeu a confirmação da licença em reunião com a diretora-geral do Inema

Rosemberg Pinto disse que se empenhou pela liberação do empreendimento. “Dialogamos com as partes responsáveis visando liberar as licenças necessárias para iniciar o mais rápido possível esta obra. Assim, vamos gerar empregos durante a construção do atacadista até a sua operação, além de atrair outras empresas para a região”, afirmou o parlamentar.
O Assaí Atacadista foi confirmada em Ilhéus em junho do ano passado (reveja aqui), durante as comemorações do aniversário da cidade. Desde o segundo semestre do ano passado, o empreendimento, que opera em sistema de vendas no atacado e no varejo (atacarejo), aguardava a autorização. Já a licença ambiental, foi liberada pelo município, após ajustamentos dos quais participou o Ministério Público Estadual. Atualizado às 11h50min.
Área onde será construída a filial do Assaí em Ilhéus, na zona sul

Tempo de leitura: 3 minutos

José Nazal || nazalsoub@gmail.com
 

Em maio, findo o prazo de novas inscrições e transferências, teremos o número real e em 7 de outubro, após divulgação oficial do resultado, poderemos conferir se o índice de abstenção continuará alto. Poderemos realmente ver o interesse do ilheense na escolha dos nossos governantes.

 
Ilhéus está entre os municípios escolhidos pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), obrigados a ter no pleito eleitoral desse ano votação obrigatória com o novo sistema de reconhecimento biométrico. Avanço!
Desde o ano de 2015 teve início o recadastramento, obrigando os eleitores a comparecer perante a Justiça Eleitoral para proceder a troca de título. Fiz o meu recadastramento em 2016, com toda tranquilidade, sem fila e sem estresse. Há cinco dias do prazo final para o comparecimento temos visto, em todos os locais oficiais utilizados pelo Tribunal Regional Eleitoral da Bahia (TRE), imensas filas, que começam a ser formadas na noite anterior de cada dia.
Consultando o sítio do TSE, encontramos os dados com o perfil dos eleitores de Ilhéus, com o número de 137.977 eleitores cadastrados conforme tabela de faixa etária elaborada com base nos dados encontrados:

Nos últimos dias a mídia vem noticiando que apenas 70% dos eleitores atenderam ao apelo legal para recadastramento oficial. Contesto esse número, explicando minhas razões.
A média de abstenção dos últimos dez pleitos eleitorais é de 25%, sendo que nos três últimos aumentou para 26,4%, considerando o número de eleitores novos, cadastrados antes de cada pleito. Nessa conta, em torno de um quarto do número de eleitores, deve ser considerado os falecidos, os que tem mais de setenta anos e estão desobrigados a votar, conta que é fechada com os que realmente se abstiveram, cada um com sua razão. O número de eleitores com mais de 70 anos é conhecido: 13.569; o número de mortos e dos obrigados que se abstiveram é impossível de calcular. O fato é que, normalmente, entre 95 e 100 mil eleitores comparecem para o escrutínio.

Desta, considerando os dados acima apresentados, minha opinião é que o número real de eleitores está em torno de 115 mil cadastrados. Vale ressaltar que é considerável o número de eleitores de Castelo Novo, Rio do Braço, Banco do Pedro, Banco Central, Pimenteiras e Inema, que são eleitores dos municípios de Uruçuca, Itajuípe e Coaraci. Muitos de Salobrinho também votam em Itabuna.
A informação obtida hoje junto ao TRE é que se aproxima de cem mil eleitores cadastrados, igual número do comparecimento do pleito de 2016. Em maio, findo o prazo de novas inscrições e transferências, teremos o número real e em 7 de outubro, após divulgação oficial do resultado, poderemos conferir se o índice de abstenção continuará alto. Poderemos realmente ver o interesse do ilheense na escolha dos nossos governantes.
José Nazal é vice-prefeito de Ilhéus, fotógrafo e memorialista.

Tempo de leitura: < 1 minuto

Ainda sem informar quando começam as obras, o pré-candidato ao governo baiano pelo PT, Rui Costa, ex-secretário da Casa Civil, disse que o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transporte (Dnit) autorizou o Estado a executar as obras de duplicação da Rodovia Ilhéus-Itabuna. A obra já conta, também, com autorização do órgão ambiental estadual, o Inema.
A duplicação ocorrerá com a construção de nova pista à margem direita do Rio Cachoeira. O trecho de 17,98 quilômetros terá três pontes de interligação, na região da Ceplac, Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc) e no Banco da Vitória.
Nesta nova configuração, o Dnit e o Derba desistiram de uma quarta ponte, que interligaria o Semianel Rodoviário, na região da Churrascaria Los Pampas, à nova pista.
De acordo com o pré-candidato petista, a obra já conta com recursos de R$ 68 milhões dos R$ 180 milhões previstos. O início da duplicação ainda será anunciado pelo governador Jaques Wagner, o que poderá ocorrer até o aniversário de Itabuna, em 28 de julho, ou ainda nesta semana, nos festejos do aniversário de Ilhéus (28 de junho).
Abaixo uma projeção feita por Pablo Joaquim e Wallace Silva para o PIMENTA em setembro do ano passado.

Plotagem aponta o traçado da nova pista (Projeção Projeção traz o traçado da nova pista (confira seta) da Rodovia Ilhéus-Itabuna (Projeção Pablo Joaquim e Wallace Silva).
Plotagem aponta o traçado da nova pista (Projeção de Pablo Joaquim e Wallace Silva para o Pimenta).

Tempo de leitura: < 1 minuto

Relatório do Inema (Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos) indica que a maioria das praias ilheenses apresenta condições apropriadas para banho de mar neste fim de semana. Entre os pontos aos quais os banhistas podem ir sem preocupação, estão as praias da Barra de São Miguel, Malhado, Avenida, Praia do Cristo, Opaba, Ceplus, Milionários, Cururupe e Olivença. O Inema faz esse diagnóstico a partir da análise de amostras coletadas nesses locais.

O mesmo relatório, produzido pela Diretoria de Fiscalização e Monitoramento do Inema (Difim), aponta que apenas um trecho da Praia do Marciano, nas proximidades do Bar Litrão, não está apropriado para o banho de mar.

Tempo de leitura: < 1 minuto

Apesar dos apelos do governador Jaques Wagner, a presidenta Dilma Rousseff preferiu passar todo o feriado de Carnaval na tranquila praia de Inema, na Base Naval de Aratu. De lá,  saída apenas para um passeio de lancha pela Baía de Todos os Santos. Folia, nem pensar.
Wagner fez de tudo para Dilma dar ao menos uma passadinha no Campo Grande, como ela fez em 2010, quando em campanha eleitoral. Acabou frustrado, mas nega que a recusa presidencial esteja relacionada a desprestígio dele.

Tempo de leitura: < 1 minuto

Wagner anunciou presença de Dilma no Carnaval. Planalto negou
Wagner anunciou presença de Dilma no Carnaval. Planalto negou

Apaixonada pela praia de Inema, na Base Naval de Aratu, a presidenta Dilma aproveitará o feriadão para mais uma vez curtir as belezas daquele pedacinho do litoral baiano. Ontem, a assessoria do Governo da Bahia informou que a primeira mandatária da nação também daria uma passada pelo Campo Grande, onde visitaria o camarote oficial do governador Jaques Wagner.
Em entrevista, o próprio Wagner falou sobre a presença de Dilma na folia. “Eu estou na expectativa de a presidente chegar no fim da tarde de sexta ou na manhã de sábado”, disse o governador.
Só que as expectativas serão frustradas, segundo matéria assinada pelos repórteres João Valadares e Juliana Braga, no Correio Braziliense. De acordo com a publicação, na noite de ontem o Palácio do Planalto confirmou apenas que Dilma irá para a Base Naval de Aratu, gozar de alguns dias de descanso, mas ficará longe dos trios elétricos.
A presidenta retorna a Brasília na terça-feira, 12.