Tempo de leitura: 2 minutos

Com a infestação 16 vezes maior que o normal, Jesuíno dizia que a situação estava sob controle
Com a infestação 16 vezes maior que o normal, Jesuíno dizia que a situação estava "sob controle"

Com o índice de infestação por focos do mosquito da dengue em Itabuna batendo na inédita casa dos 16%, já em agosto a 7ª Dires disparou o sinal de alerta. Caso não fossem tomadas medidas sérias, enérgicas e urgentes, a cidade enfrentaria uma gravíssima epidemia.
O secretário de Saúde à época era o contabilista Jesuíno Oliveira, que fez pouco caso do aviso. De acordo com a 7ª Dires, no ano passado, os técnicos da Secretaria de Saúde do Estado produziram um relatório, que apontava necessidade de aumento do trabalho de campo dos agentes no combate às larvas do mosquito Aedes aegypti. A resposta do secretário municipal foi negar a gravidade do problema e dizer que a situação estava “sob controle”.
“Fizemos várias reuniões, alertamos para o risco da epidemia, mas não houve abertura para um trabalho conjunto na gestão passada”, afirma o diretor da 7ª Dires, João Marcos de Lima.  Segundo ele, a Dires não pode intervir diretamente no problema, sem a atuação do município.
Até algumas semanas atrás, a atual gestão da Secretaria Municipal de Saúde também relutava em reconhecer a epidemia, mas acabou por admitir a situação de emergência. Segundo João Marcos, o governo Azevedo  buscou o apoio institucional do Estado no combate à dengue, enquanto “o ex-secretário Jesuíno Oliveira procurou esconder o problema, dificultando uma ação mais direta das instituições relacionadas com o setor”.
Hoje, cinco carros-fumacê são utilizados no combate ao mosquito transmissor. A Sesab também forneceu veículos para o transporte de agentes e instalou um laboratório no Hospital de Base para o diagnóstico de casos de dengue. Anteriormente, a confirmação laboratorial era feita apenas em Salvador.

2 respostas

  1. Algumas coisas a serem ditas:
    Será que na contabilidade ele é tão “habilidoso” quanto “demonstrou ser” na área de saúde? Quem entrega escrita a ele deve ficar com as barbas de molho, …!!!
    Por outro lado, precisou a coisa ficar “literalmente preta” para a SESAB tomar algumas providências, se movimentar, sair da inércia. Eu sempre escrevi aqui criticando, por exemplo, o fato de só se diagnosticar a doença em Salvador, o que demora, encarece, centraliza e dificulta, pois as cidades pólo (que não são muitas em todo o estado) já deveriam dispor de tal serviço, por meio do estado. Mas que “competência”, …!!!
    Será que alguém envolvido no processo saberia descrever o que significa “intervenção”, e em que situações se aplica tal procedimento, …?!?!?!
    Resumindo: Todos erraram, inclusive a própria população, ao não tomar os cuidados básicos necessários e esperar que tudo seja feito pelo governo, quer Federal, Estadual ou Municipal, pois não precisa esperar o boi arrombar a cerca para repará-la. Existe uma coisa chamada profilaxia, prevenção, …!!!
    Claro que todos erraram, principalmente o município, mas um povo consciente ajuda muito a melhorar a vida de nós mesmos. Muitas vezes nos falta consciência, atitude, …!!!
    Se as pessoas cuidassem das suas próprias coisas, garanto que a incidência de doenças e outros males seriam bem menores, pois geralmente depende de atitudes simples, de hábitos corriqueiros, …!!!
    Certa feira, ao andar num ônibus, nos deparamos com uma pessoa que exalava um mau cheiro característico (e insuportável), vindo das axilas. Ao comentar com algumas pessoas, umas alegaram que a causa seria pelo fato de ser uma pessoa sem recursos, que não poderia comprar produtos de limpesa e higiene pessoal, até que uma senhora – que se disse pobre também – falou que pobreza não é sinal de sujeira, que a pessoa era porca mesmo. Mais um exemplo de que hábitos simples e corriqueiros melhoram a vida de todos. Imagina se todos cuidassem dos quintais das casas, dos terrenos, evitassem deixar vasílhas que acumulam água, pneus velhos, tampassem seus tanques, e por aí vai. Certamente isso forçaria até mesmo os governantes a mudarem suas políticas, …!!!
    Outro exemplo: Já imaginou se os donos de bares, por exemplo, não servissem bebidas, comida, ou coisa que o valha, para os idiotas que abrem o fundo do carro e colocam o som nas alturas, eles ficariam sem ter onde, e para quem, se exibir e diexariam de ser bestas por motivo de isolamento. Todos sairiam ganhando, inclusive o próprio Zé Mané, que não iria ficar surdo no futuro, se é que têm algum futuro, …!!!
    A verdade é que o povo não sabe a força que tem, muito menos o quanto a conscientização melhora as coisas, a vida em sociedade, em comunidade, independentemente de esperar por políticos que, no fundo, são todos iguais, …!!!
    Acorda, meu povo, …!!!

  2. João Marcos está errado.
    A Dires chamou Jesuíno às falas em abril do ano passado. Aliás, Marcão so assim o fez devido à pressão de técnicos da Sesab em Itabuna. Do contrário, tudo estaria como antes.
    Outra coisa: o governo de Azevedo só sentou à mesa depois que viu cenário de caos que se avizinhava. E chegou.

Deixe aqui seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.