Tempo de leitura: 2 minutos

Peemedebistas sonham com Temer na presidência da República  (Foto Arquivo).
Peemedebistas sonham com Temer na presidência da República (Foto Arquivo).
O PMDB vai decidir hoje (29) se rompe com o governo da presidenta Dilma Rousseff. A decisão será tomada em reunião do Diretório Nacional, marcada para começar às 15h, em um plenário da Câmara. Várias negociações vêm sendo feitas entre os defensores da permanência do partido no governo e os contrários à manutenção do apoio da legenda.

Os sinais indicam um rompimento da legenda que tem o vice-presidente da República, Michel Temer. Até o pedido de demissão, ontem (28) à noite, do ministro do Turismo, Henrique Eduardo Alves, o partido comandava sete pastas na Esplanada, além de diversos cargos no governo federal.

A aliança do PMDB com o PT vem desde o primeiro mandato de Dilma, quando Temer foi eleito vice-presidente. Nos últimos meses, cresceu o número de integrantes do partido insatisfeitos com a aliança. No último dia 12, a Convenção Nacional delegou ao Diretório Nacional o poder de, em até 30 dias, deliberar sobre os rumos que o PMDB deve seguir.

A decisão foi antecipada, após a nomeação, no dia 16, do deputado Mauro Lopes (MG), secretário-geral da legenda, para o cargo de ministro da Secretaria de Aviação Civil, contrariando uma resolução do partido, aprovada na convenção, proibindo membros de aceitar cargos no governo federal.

A nomeação irritou os peemedebistas, fazendo com que Temer não comparecesse à posse de Lopes, no dia seguinte. “O vice-presidente não vai participar da cerimônia em Brasília porque o governo resolveu afrontar uma decisão da Convenção Nacional do PMDB, nomeando Mauro Lopes”, disse, em nota, a assessoria de imprensa de Temer.

Diante da ameaça de desembarque político do principal partido da base aliada, Dilma afirmou, em declarações na última semana, que quer “muito que o PMDB permaneça” no governo, mas que vai respeitar a decisão.

Na última quinta-feira (24), Temer, que é presidente nacional do PMDB, cancelou a viagem que faria a Portugal para participar de um seminário luso-brasileiro, promovido pelo Instituto Brasiliense de Direito (IBD) para se reunir com a cúpula partidária e tratar do posicionamento a ser tomado pelo partido.

Ontem, Michel Temer se reuniu com o presidente do Senado, Renan Calheiros (AL), e outros senadores para tratar da permanência no governo. É grande a possibilidade de que a ala peemedebista que apoia o governo, inclusive ministros, não compareça à reunião do diretório nacional. Se isso ocorrer, a decisão poderá ser tomada por aclamação.

Caso se confirme a saída do PMDB da base aliada, o Diretório Nacional poderá dar um tempo para que os ministros e ocupantes de outros cargos deixem o governo. Da Agência Brasil.

0 resposta

  1. Se Dilma for afastada, o STF poderá anular o resultado?

    Vale lembrar que O Supremo Tribunal Federal apenas definiu o rito processual do impeachment: análise e votação numa comissão composta por 65 deputados, depois no plenário da câmara e por último no Senado.

    Se a Presidente Dilma for afastada pelos congressistas, provavelmente o STF será provocado a se pronunciar sobre o mérito. Ou seja, examinará se o pedido contemplou as regras prevista na Constituição.

    Ao se debruçarem sobre o mérito (o conteúdo do processo), os ministros da corte terão que dizer se a Presidente cometeu ou não crime de responsabilidade. Caso a decisão seja contrária à decisão dos congressistas, o resultado final da votação poderá ser anulado e a Presidente Dilma reassumir o cargo.

    Portanto, não podemos descartar que o pedido do impeachment poderá ser judicializado e ter desfecho favorável aos interlocutores pró-Dilma e, dessa forma, confirmar o argumento recorrente de que impeachment sem base legal é um golpe.

  2. O pais precisa de paz, pra conseguir é extremamente simples; prender Dilma e Lula,
    ambos são os representantes do caos.

    O poder do Supremo assuma o cargo de presidente do Brasil e dentro de poucos dias se estabeleça a eleição no Brasil.

    Lula preso e Dilma, Assim,o povo brasileiro voltará os dias de paz.

  3. Na fotografia do adeus do pmdb (reles prostituta da república) nota-se as mesmas caras dos mesmos meliantes de sempre – faltando tão-somente, o resto da corja, ou seja, do dem, pps e psdb.
    O Brasil não merece tantos excrementos juntos… ou somos uma fossa só?!

  4. -OS PICARETAS DO PMDB JÁ TINHA ABANDONADO O GOVERNO, DESDE O MOMENTO EM QUE O MICHEL TEMER FEZ A CARTA PARA PRESIDENTE DILMA, SE SENTINDO DESPREZADO PELO GOVERNO. O INTERESSANTE É QUE ELE SÓ FOI PERCEBER ISSO APÓS CINCO ANOS PARTICIPANDO DO GOVERNO INTENSAMENTE. MUITA CARA DE PAU.

Deixe aqui seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.