Tempo de leitura: < 1 minuto

Em pronunciamento feito nesta terça-feira (5), na tribuna da Câmara, o deputado federal Bebeto Galvão (PSB) classificou o rebaixamento da Ceplac como uma “atrocidade política” cometida pela ministra Kátia Abreu, da Agricultura.

O parlamentar afirmou que a ministra havia se comprometido a não fazer qualquer mudança na estrutura da Ceplac, sem antes estabelecer um amplo diálogo sobre a matéria. Por isso, Bebeto diz que a bancada baiana no Congresso foi surpreendida com o rebaixamento da instituição.

O deputado disse que a cacauicultura “vive um filme de terror e a vilã é a ministra Kátia Abreu”.

Confira o pronunciamento:

3 respostas

  1. Caro Bebeto,pra que público alvo é dirigida suas palavras? Penso que são para os
    analfabetos de pai e mãe,ou os semianalfabetos.

    O que atingem aproximadamente 7O milhões de brasileiros,embora,uma minoria leia sua palavras,porem,na voz do Brasil ou rádio e televisão,eles ouvem.

    Mais de 3O milhões de brasileiras e brasileiros que são extremamente bem informados e sabem que sua fala é enviesadas e portanto, suas ideias não tem nenhum valor e só faz perder admiração.

    Ex; poderia ir direto no alvo,a presidente Dilma,cometeu atrocidade na CEPLAC, rebaixando a mesma. Nenhum ministro agem sem consonância com a presidente Dilma.

  2. Essa noticia sobre o rebaixamento da CEPLAC de há muito já era do conhecimento do mundo político. Houve tempo demais para que os políticos que defendem esse desgoverno tomassem providências cabíveis, sobre o assunto. Ficar a reclamar apenas da Ministra Kátia Abreu é muito cômodo, pois, nada foi feito sem uma determinação e aprovação da Presidente da República. Fui defensor da CEPLAC de ontem, mas no tempo atual, não via motivo para que ela continuasse a funcionar devido os seus desvios de função que, em nada estava ajudando a cacauicultura, outras agriculturas e a nossa região como um todo. A nossa CEPLAC através da sua direção escolhida por políticos sem compromissos com a região, estava agindo muito mais como partido político. No nosso entendimento, a região deveria se unir e exigir a vinda da EMBRAPA, antes que inventem algo fora dos propósitos que possam interessar a região. No fundo entendo muito bem essa reação à tal situação, pois CEPLAC, era algo nosso, que foi criada e por muito tempo mantida pelo suor dos produtores, prestando relevantes serviços a região, a Bahia e ao Brasil.

Deixe aqui seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.