Pablo foi executado com 13 tiros, no centro de Itabuna.
Tempo de leitura: < 1 minuto

Um soldado da Polícia Militar (PM-BA) é a segunda pessoa a confessar participação no assassinato de Pablo Barreto, chefe do setor de Habilitação da Ciretran em Itabuna. A Secretaria de Segurança Pública da Bahia (SSP-BA) confirmou a prisão do policial, que não teve o nome divulgado.

O crime foi cometido no início da tarde do último dia 22 de fevereiro, em frente ao Centro de Cultura Adonias Filho, Jardim do Ó, no centro da cidade (relembre aqui).

O policial se apresentou espontaneamente nesta quinta-feira (11), no Batalhão de Choque da PM, em Lauro de Freitas, Região Metropolitana de Salvador.

Com esta prisão, trata-se da segunda pessoa capturada por envolvimento no crime. A primeira a ser presa era a responsável por informar aos autores do delito os passos da vítima no dia do crime. O homem foi preso na semana passada, em Itabuna. O suspeito de ser o executor do homicídio, que é PM, já teve o mandado de prisão expedido.

De acordo com as investigações da 6ª Coordenadoria Regional de Polícia do Interior (Coorpin) e da Delegacia de Homicídios de Itabuna, a motivação do crime foi uma suposta dívida contraída pela vítima com proprietários de máquinas caça-níqueis.

Deixe aqui seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.