Rosemberg Pinto rebate ACM Neto sobre política de segurança pública do estado
Tempo de leitura: 2 minutos

O líder do Governo na Assembleia Legislativa (Alba), deputado Rosemberg Pinto (PT), disse ser vergonhoso o silêncio de ACM Neto e seus aliados, principalmente na Bahia, com a atual situação do Brasil e do povo brasileiro. O parlamentar rebateu declarações do presidente do DEM, ACM Neto, que em visita a Valença, na quinta-feira (31), criticou a política de segurança pública do governo do estado.

De acordo com o deputado estadual, o desastroso projeto de país que esta sendo colocado em prática por Bolsonaro é o mesmo que ACM Neto defende. “Vergonhoso é apoiar um presidente , que jogou o país na crise da fome, desemprego e que já registrou 600 mil mortos por Covid-19”, criticou o líder governista.

Rosemberg Pinto observou que a violência aumentou em todo o país sob o governo de Bolsonaro. “As taxas de mortes violentas intencionais por 100 mil habitantes subiram 4,8% em todo o país em 2020 na comparação com 2019. O Anuário Brasileiro de Segurança Pública mostra que, dos 50 mil assassinatos notificados, quase 80% dos casos foram com emprego de arma de fogo, o que derruba, inclusive, a tese defendida hoje, mais uma vez por Bolsonaro, de que quanto mais armas, menor a violência”.

CRÍTICAS À POLÍTICA DE ARMAMENTO

O deputado lembrou que esta semana o governador Rui Costa destacou que as armas apreendidas pelas forças de segurança do Estado, durante as operações policiais das últimas semanas, estão com os números de séries raspados, ou seja, são armas, como pistolas, metralhadoras e fuzis, de origem legal que estão indo parar na mão de criminosos.

“Como disse Rui, a política do presidente da República de facilitar o acesso a armas aumentou, e vai aumentar ainda mais a violência no país. O governo federal abastece o Brasil com armas e os policiais, nos estados, estão tendo que enxugar esse derrame patrocinado por essas medidas de Bolsonaro. ACM Neto tem que parar de tentar disfarçar para querer enganar o eleitor”, disse Rosemberg.

Deixe aqui seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.