Rússia já ocupa boa parte do território da Ucrânia
Tempo de leitura: 1 minuto

Os ministros das Relações Exteriores do G7 (grupo composto por Alemanha, Canadá, Estados Unidos, França, Itália, Japão e Reino Unido) disseram, nesta sexta-feira (4), que estão “profundamente preocupados” com o impacto humanitário dos “ataques contínuos da Rússia” contra a população civil da Ucrânia e acrescentaram que vão responsabilizar os culpados ​​​​por crimes de guerra.

“Reafirmamos que ataques indiscriminados são proibidos pelo direito internacional humanitário. Vamos responsabilizar os culpados ​​por crimes de guerra, incluindo o uso indiscriminado de armas contra civis”, disseram ministros das Relações Exteriores do G7 em comunicado conjunto divulgado pelo Departamento de Estado dos EUA.

Os ministros das Relações Exteriores de Canadá, França, Alemanha, Itália, Japão, Reino Unido e EUA também pediram à Rússia que pare os ataques nas “vizinhanças das usinas nucleares da Ucrânia”.

Forças russas na Ucrânia tomaram a maior usina nuclear da Europa nesta sexta-feira em um ataque que causou alarme em todo o mundo e que Washington disse ter arriscado uma catástrofe, embora autoridades tenham dito mais tarde que a instalação agora estava segura.

MAIS SANÇÕES

Os ministros do G7 acrescentaram que seus países continuarão a impor mais sanções em resposta à agressão russa, que eles disseram ter sido permitida por Belarus.

“O presidente Putin, seu governo e apoiadores, e o regime de [Aleksandr] Lukashenka [presidente da Belarus] , têm total responsabilidade pelas consequências econômicas e sociais dessas sanções”, disse o comunicado conjunto dos ministros das Relações Exteriores do G7.

Os países do G7 também se comprometeram a aumentar o apoio humanitário à Ucrânia. O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, encontrou-se com o secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, e o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, em Bruxelas, pedindo aos aliados e parceiros da Otan que forneçam à Ucrânia equipamentos e suprimentos para lidar com a invasão da Rússia. Da Agência Brasil.

Mega-Sena sorteia R$ 90 milhões neste sábado
Tempo de leitura: < 1 minuto

Acumulado há várias vezes, a Mega-Sena sorteia, neste sábado (5), no Espaço da Sorte, em São Paulo, R$ 90 milhões. Caso apenas um apostador leve o prêmio principal e aplique todo o valor na poupança, receberá R$ 450 mil de rendimento no primeiro mês.

Se preferir investir em imóveis, o valor seria suficiente para comprar 106 casas de quatro quartos de R$ 849 mil cada, conforme informa a Caixa Econômica Federal. A aposta simples da Mega-Sena custa R$ 4,50 e pode ser feita em qualquer casa lotérica.

DUPLA CENA

A Dupla Sena também está acumulada e tem prêmio estimado em R$ 10,3 milhões na faixa principal pelo concurso 2.342 deste sábado. São dois sorteios por concurso e ganha quem acertar 3, 4, 5 ou 6 números no primeiro e/ou segundo sorteios. O apostador precisa escolher de 6 a 15 números dentre os 50 disponíveis.

Suspeito foge da PM, mas deixa carro para trás
Tempo de leitura: < 1 minuto

Policiais militares faziam ronda na BR-251 (Rodovia Pontal-Buerarema), na manhã desta sexta-feira (4), para averiguar informação de que um carro roubado em Ilhéus estaria naquela estrada.

Ao chegar no local indicado, a guarnição da 69ª Companhia Independente da Polícia Militar (CIPM) encontrou um homem abastecendo um Ford KA branco, que havia sido roubado na última terça-feira (1º), nas proximidades da Cabana Soro Caseiro, litoral sul da cidade.

Quando percebeu a aproximação dos policiais, segundo a PM, o homem fez disparos de arma de fogo contra a guarnição e fugiu em direção à mata. Nenhum policial foi atingido. O suspeito não foi localizado até o momento.

O carro recuperado foi levado para a 7ª Coordenadoria de Polícia do Interior (Coorpin), no centro de Ilhéus.

Cantora e compositora Eloah Monteiro será a artista da semana na programação da Educadora FM e TVE
Tempo de leitura: < 1 minuto

A cantora e compositora ilheese Eloah Monteiro terá suas novas músicas promovidas pelo Selo Educadora FM Independente. A iniciativa divulga lançamentos independentes de álbuns ou EPs, numa articulação entre a Rádio Educadora FM, a TVE e as redes sociais das emissoras públicas baianas.

O álbum ‘Em Primeiro Lugar’ tem 12 faixas e aborda, de forma leve – e muitas vezes descontraída -, os dilemas amorosos, posições políticas e experiências que contribuem na construção da visão de mundo da artista.

Dona de uma voz marcante, Eloah Monteiro é mulher preta, mãe, bissexual e sul-baiana. Cantora, compositora e atriz há mais de 20 anos, foi finalista do Festival de Música da Rádio Educadora FM, em 2019.

Sua performance com músicas autorais e versões de grandes artistas da música popular brasileira já abrilhantaram os palcos de diversos concertos, eventos literários e apresentações na Bahia, Minas Gerais, Rio de Janeiro e Buenos Aires.

ESSA É PRA TOCAR NO RÁDIO, NA TV E NAS REDES

A promoção do trabalho de Eloah será na próxima semana, durante toda a programação da rádio, na TVE e nas redes sociais. No dia 11 de março, às 12h, a artista será entrevistada no programa Multicultura.

O nome do disco carrega o sentido de autoconhecimento, amor próprio e autoconfiança. No álbum ‘Em primeiro lugar’, a artista dá a volta por cima dos sentimentos de inferioridade e impotência provocados pelos preconceitos, e exalta a música da mulher negra sul-baiana.

O trabalho tem direção musical da percussionista Ticiana Belmonte, baixo de Vanessa Chalup e participações de Laís Marques, entre outros músicos de peso. A captação foi realizada nos estúdios Canoa Sonora, Lukas Horus e Mr. Lagos, este último sendo responsável também pelos beats e processos de mixagem e masterização do álbum.

Tempo de leitura: < 1 minuto

ACM Neto, pré-candidato a governador da Bahia pelo União Brasil, espera fechar os nomes a vice-governador e a senador até o final de março. Hoje, o ex-prefeito de Salvador faz pré-camoanha em Jussiape. Ele afirmou que espera contar com 8 a 10 partidos para as eleições de 2022 e vai usar o prazo-limite para definir a chapa:

– A definição deve acontecer até o final desse mês de março. Como vocês sabem, até o dia 2 de abril é o prazo para definição das filiações partidárias pra quem quer disputar as eleições deste ano de 2022. Então, a gente deve acompanhar esse prazo também para o fechamento da nossa chapa, anunciando portanto os candidatos a vice e ao Senado – afirmou.

Dentre os nomes citados para a majoritária estão os deputados federais Marcelo Nilo, que deixou o PSB e a base aliada de Rui Costa, e Félix Júnior (PDT). Pela articulação, Nilo disputaria vaga ao Senado e Félix seria o vice. Neto quer aguardar, pois há pressões e namoros com importante legenda da base governista, o PP.

Cadeirante recebe ajuda para atravessar rua alagada no centro de Ilhéus
Tempo de leitura: < 1 minuto

Vídeo que circula nas redes sociais mostra a dificuldade de um cadeirante para acessar o Calçadão da Marquês de Paranaguá, no Centro Histórico de Ilhéus, na manhã desta quinta-feira (3). A rua estava alagada devido à chuva intensa que caiu na cidade. Para seguir caminho, o homem recebeu ajuda de um operário e de uma mulher que estavam no local. Assista.

Ontem, a chuva provocou alagamentos em diversos pontos de Ilhéus, a exemplo da Avenida Itabuna e dos bairros Malhado e Cidade Nova (veja vídeo aqui), além de deslizamentos de terra, como numa encosta próxima à Avenida Princesa Isabel (confira aqui).

A Defesa Civil local emitiu alerta à população que vive em áreas de risco, como morros e locais abaixo de encostas. Casos de emergências devem ser comunicados ao órgão por meio dos telefones (73) 98836-2753 e 99907-2418.

Ícaro Mota desmistifica letrinhas e números que vêm em pneus; saiba porque é importante decifrá-los
Tempo de leitura: 3 minutos

Sem dúvida, os pneus representam um dos itens mais importantes quando falamos de sistema de segurança de um veículo a respeito de dirigibilidade. São exigidos a todo o momento, seja na arrancada, conversões, curvas e, principalmente, na frenagem. A eles estão atribuídos manter a estabilidade e têm influência direta no consumo de combustível.

Por esses motivos, é importante mantê-los com a correta calibragem e, também, ter certo conhecimento para saber a hora de trocá-los.

Você já percebeu que existe uma diversidade de marcas de pneus e possuem alguns números gravados e mais algumas informações ocultas? Mas essas informações serão desmistificadas no decorrer do nosso texto.

Etiqueta revela resistência ao rolamento e performance de pneu

A etiqueta acima mostra uma graduação de resistência ao rolamento de carroceria, que vai de “A” até “G”. O “A” é o mais eficiente e o “G” é o menos eficiente. Na classe de consumo de combustível, a seta mais escura indica o nível de performance do pneu. Na parte inferior da figura, o nível de ruídos em decibéis.

Logo abaixo, podemos ver o que representa cada número e letra grafada nos pneus.

Como fazer a leitura de letras e números na lateral do pneu

Importante, também, observar o Índice de Carga (IC) e o Índice de Velocidade (IV) do pneu para evitar dor de cabeça ou, até, algo mais grave.

O DOT é uma série de letras e números que fica na lateral do pneu, como na imagem abaixo. Para saber a data de fabricação do produto, fique atento aos números. Os dois primeiros indicam a semana de fabricação. Os dois últimos, o ano. O pneu em questão foi fabricado na 7ª semana de 2020. Ou seja, caso não acabe por desgaste natural, ele deverá ser trocado na 7ª semana de 2025.

Observe a sequência: 0720. Traduzindo, significa dizer que foi fabricado na 7ª semana de 2020

Um indicador de desgaste da banda de rodagem é uma elevação estreita ao longo das ranhaduras longitudinais do padrão de banda de rodagem do pneu. Na lateral do pneu estão as letras TWI (Tread Wear Indicator).

TWI indica quando é hora de trocar o pneu do carango

Você perceberá que nos sulcos dos pneus há uma espécie de “quebra-molas”. Quando esses se igualam à altura da banda de rodagem, é o momento exato de efetuar a troca do pneu.

Ícaro Mota é consultor automotivo e diretor da I´CAR. A coluna é publicada às sextas-feiras.

Bandidos furtam cabos da subestação elétrica da unidade de radioterapia do Manoel Novaes
Tempo de leitura: 2 minutos

Na madrugada desta sexta-feira (4), bandidos furtaram cabos subestação elétrica da unidade de radioterapia anexa ao Hospital Manoel Novaes, em Itabuna, sul da Bahia. O furto obrigou a interrupção parcial do atendimento.

Segundo a Santa Casa de Itabuna, a fiação cortada conecta a rede de energia a um aparelho usado por dezenas de pessoas em tratamento contra o câncer. Parte do serviço continua comprometido.

De acordo com o diretor administrativo da Santa Casa, Wagner Alves, o prejuízo só não foi maior porque a segurança privada percebeu movimento estranho, dirigiu-se ao local e impediu a invasão da subestação, evitando que todo o fornecimento de energia fosse interrompido.

LADRÕES CORRERAM RISCO DE MORTE

Segundo diretor, ladrões poderiam ter recebido descarga de 13 mil volts

Wagner Alves alerta que, caso tivessem conseguido acessar a subestação da unidade, os criminosos, possivelmente, levariam descarga de mais de 13 mil volts e, dificilmente, resistiriam. Por causa do alto risco, o local só deve ser acessado por pessoas autorizadas.

A ação rápida da segurança não conseguiu impedir o furto dos fios da rede que abastece a sala do aparelho acelerador Elekta. As equipes de manutenção da Santa Casa de Itabuna trabalham na reposição da fiação e configuração do equipamento. O restabelecimento pleno do serviço só deve ocorrer na próxima semana.

A Polícia Militar foi acionada, fez buscas em regiões próximas, mas não conseguiu encontrar os criminosos. Um boletim de ocorrência será registrado e o furto investigado pela Polícia Civil.

Ida ao SAC só é necessária para a retirada do novo documento
Tempo de leitura: < 1 minuto

Os cidadãos baianos podem solicitar nova impressão da carteira de identidade pela internet. O RG Expresso registra mais de 46 mil reimpressões desde outubro de 2019 e já pode ser solicitado em todos os 36 postos da Rede SAC pela capital, Região Metropolitana de Salvador (RMS) e interior do estado.

O cidadão solicita o serviço através do SAC Digital e escolhe o posto SAC em que irá apenas uma vez, somente para receber o documento pronto, sem necessidade de agendamento prévio.

REQUISITOS

A solicitação do RG Expresso atende a alguns pré-requisitos. É necessário que a carteira de identidade atual tenha sido emitida no prazo máximo de seis anos. O cidadão também precisa ter a biometria cadastrada no sistema, além de fotografia e assinatura.

A entrega do documento só poderá ser feita ao titular, que precisa autenticar a biometria no ato. O prazo de recebimento é de até sete dias úteis após o pagamento da taxa de R$ 43,62.

Para solicitar o RG Expresso, é só baixar o aplicativo ou acessar www.sacdigital.ba.gov.br. Para entrar nos postos da Rede SAC, é necessário apresentar comprovante de vacinação completa contra a covid-19 (incluindo a dose de reforço), e estar sem sintomas gripais.

Para outras informações, a Secretaria da Administração (Saeb) disponibiliza o site institucional do SAC (www.sac.ba.gov.br) e o call center: (71) 4020-5353 (ligação de celular) ou 0800 071 5353 (ligação de fixo).

Genilton Inácio olha o barranco atrás da casa da família, onde sua esposa foi soterrada || Fotos Jaque Cerqueira
Tempo de leitura: 8 minutos

Dois meses após tragédia no sul da Bahia, várias famílias ainda vivem em áreas condenadas e sem apoio do poder público

Jaque Cerqueira

É com profunda tristeza que o senhor Genilton Inácio de Souza lembra o dia em que um barranco desmoronou e invadiu a casa onde ele mora com a esposa, a filha e uma neta. O barro invadiu a cozinha, o banheiro e um quarto.

Sua mulher, Solange, que no momento da chuva estava nos fundos do terreno, fazendo uma valeta para que a água escoasse, ficou soterrada pelo barro. Milagrosamente, foi resgatada por vizinhos e hospitalizada com vários ferimentos graves. Hoje, está recuperada dos traumas físicos, mas permanecem as sequelas emocionais.

A história do senhor Genilton, que mora no Basílio, em Ilhéus, é apenas uma dentre várias de sofrimento e abandono. As chuvas de dezembro só colocaram em evidência o antigo problema das encostas na cidade, que é um dos principais destinos turísticos da Bahia e do Brasil, consagrada pelas obras do escritor Jorge Amado.

A Defesa Civil chegou a mapear 48 áreas de risco, onde vivem cerca de 5 mil famílias. Em dezembro, a Prefeitura de Ilhéus decretou estado de calamidade pública por causa dos temporais.

Alto do Basílio em Ilhéus: moradores vivem com medo constante

Na Avenida Palmares, localizada no Alto do Basílio, aproximadamente sessenta famílias foram atingidas direta ou indiretamente pelo deslizamento de encostas. Bairros como Teotônio Vilela, Banco da Vitória, Alto da Soledade, Alto da Tapera e outros tantos ainda sofrem com as consequências da chuva e também com o descaso do poder público.

Dona Maria Lúcia diante da casa que foi obrigada a deixar após queda de barranco

Na Avenida Palmares, também entrevistamos dona Maria Lúcia, que teve a casa invadida pelo barranco e perdeu quase todos os móveis. Com voz embargada e olhos marejados, lamenta a situação em que vive.

Ela saiu da casa onde morava com a família e hoje precisa pagar aluguel para viver em um local seguro. Contudo, diz não receber nenhum tipo de auxílio do poder municipal. “Além de pagar aluguel, água e luz da casa onde estou morando, tenho que pagar água e luz da minha casa, que está fechada, para não cortarem o funcionamento e acumular as dívidas”, conta Maria Lúcia.

Com o marido desempregado, ela se desdobra para arcar com as despesas e ainda enfrenta a dificuldade de ter perdido vários móveis e eletrodomésticos.

Funcionários da Defesa Civil fizeram cadastros e preencheram formulários, mas, até o momento, nenhuma política pública foi efetivada no local, como o auxílio-aluguel. Também não foi feita qualquer avaliação técnica do terreno para obras de contenção da perigosíssima encosta ao fundo de 60 residências.

Cozinha de Maria Lúcia destruída por queda de barranco

O prefeito de Ilhéus, Mário Alexandre (PSD), anunciou, em fevereiro, o pagamento de aluguel social para famílias que vivem em áreas condenadas. Entretanto, moradores do Basílio questionam a informação e relatam não ter recebido tal auxílio.

“Não tivemos apoio em nada. Não recebemos nem cesta básica. Agora, fomos informados que se tirarmos o barro de dentro de casa e colocarmos na rua, seremos multados pela Prefeitura”, lamenta Genilton Souza, em tom desolado, diante do dilema.

Se deixar o barro dentro da casa, não poderá viver ali, pois a situação é insalubre e caótica; se retirar o barro, será multado. A pobreza é duplamente penalizada.

Mais de 60 dias após a enchente, vemos nas ruas de Ilhéus amontoados de lama, como na Avenida Princesa Isabel, importante ligação do centro com a rodoviária. Moradores retiraram o barro das residências com as próprias mãos. Passados dois meses, a Prefeitura não fez nenhuma limpeza. Além da sujeira, o barro causa transtornos ao trânsito de pedestres e veículos.

A FORÇA DO VOLUNTARIADO

Assim como no Alto do Basílio, moradores do Teotônio Vilela tiveram suas casas afetadas pelas chuvas desde 10 de dezembro. Foi uma recorrência de sofrimentos e alagamentos até 1º de janeiro.

Sem atuação do poder público municipal, contam com a mobilização de instituições que fazem trabalho voluntário. Constatamos que as ruas pavimentadas não receberam qualquer obra de melhoria. Quanto às de barro, não existe previsão orçamentária de pavimentação.

Vanessa Cardoso mora com duas filhas na rua Amanda das Neves, no bairro Teotônio Vilela. Um córrego passa na frente da casa e, com as chuvas, a água invadiu a residência, chegando a atingir um metro de altura.

A família passou semanas numa escola pública que acolheu desabrigados. Além de perder o pouco que tinha, Vanessa precisa de um local seguro para viver com as filhas. Toda a assistência que recebeu, até o momento, veio de doações da comunidade, a exemplo de alimentação, roupas, medicamentos e móveis.

Rua Amanda Neves, no Teotônio Vilela, bairro que acabar de completar 40 anos

AÇÕES DO GRUPO AMIGOS DA PRAIA

O Grupo Amigos da Praia (GAP) se uniu para apoiar as famílias afetadas. O trabalho da ONG, ainda em andamento, é feito em três etapas. A primeira foi a arrecadação de alimentos e outros donativos na ajuda humanitária emergencial; a segunda foi a realização de resgates e transporte de pessoas em áreas alagadas.

Percebeu-se a necessidade de levar atendimento médico às famílias atingidas pelas chuvas, principalmente em áreas de difícil acesso, como Banco do Pedro, Sambaituba, Castelo Novo, Lagoa Encantada e outras áreas rurais.

A terceira fase é a distribuição digna de roupas, calçados e utensílios doados por milhares de pessoas. No Bazar Solidário, cada ente da família tem liberdade e autonomia para escolher os itens necessários ao recomeço de seus lares.

Em outra frente, o GAP mobilizou-se com pescadores locais para limpar trechos do Rio Almada, onde plantas aquáticas formaram ilhas que impediam a navegação e o transporte dos donativos. A limpeza facilitou o acesso de barcos a várias comunidades que precisavam de atenção, como Lagoa Encantada, Urucutuca, Campinhos, Vila Juerana, Aritaguá e Sambaituba.

“Não podíamos transportar todos os alimentos doados por terra. A situação piorava, porque as pequenas canoas, aquelas que passavam nos caminhos estreitos, têm limite de carga pequeno. Imagina transportar uma ou duas cestas básicas por viagem, sendo que a quantidade de ribeirinhos é gigantesca na zona norte de Ilhéus”, relembra Gabriel Macedo, presidente do GAP e técnico da Confederação Brasileira de Surf (CBSurf).

Na última fase da operação humanitária, o GAP avalia, de forma pontual, casas que precisam de pequenos reparos ou mesmo ser reconstruídas, principalmente nos bairros Teotônio Vilela e Salobrinho.

São várias famílias que necessitam de intervenção urgente em suas residências e, hoje, só podem contar com o voluntariado e o engajamento comunitário. O número de desalojados é grande. Diversas pessoas ainda estão em casas de parentes e vizinhos. Dessa forma, sequer entram na estatística oficial.

Segundo contato com a Secretaria de Promoção Social e Combate à Pobreza (SPS), apenas 26 pessoas receberam aluguel social, o que não corresponde à necessidade real da população afetada.

Limpeza do Rio Almada contou apenas com trabalho voluntário

Diante do cenário devastador na região, apenas uma junção de iniciativas poderá amenizar os transtornos causados, sendo a efetivação da política pública de moradia a mais relevante.

Além de medidas emergenciais, como auxílio-aluguel, para retirar as pessoas que ainda se encontram em áreas de extremo risco, é necessária a implantação de políticas voltadas ao planejamento do uso e gerenciamento do solo, como zoneamento geoambiental, planos preventivos de defesa civil e educação ambiental.

Em Ilhéus, negligenciar a necessidade de contenção de encostas, implantação de sistemas de drenagem e reurbanização de áreas degradadas é ocultar uma tragédia anunciada.

Ao todo, 25 pessoas morreram em decorrência dos temporais que atingiram toda a Bahia e 661.508 foram afetadas. Vidas perdidas, famílias inteiras sem moradia e outras tantas ainda vivendo em áreas de risco.

Mesmo esse cenário trágico e catastrófico parece não comover quem, por lei, tem a responsabilidade de intervir na resolução de problemas e, no mínimo, amenizar o sofrimento humano.

FRUSTRAÇÃO ILHEENSE

No final de janeiro, o Governo do Estado, por meio da Companhia de Desenvolvimento Urbano (Conder), autorizou obras de requalificação urbanística em 37 municípios afetados pelas chuvas na Bahia. Para isso, foram disponibilizados cerca de R$ 57 milhões de recursos estaduais.

Serão feitas 43 intervenções, por meio de convênios com o órgão ligado à Secretaria de Desenvolvimento Urbano da Bahia. O que espanta e frustra os moradores que sofrem as consequências das chuvas em Ilhéus é que a cidade não foi incluída em nenhum dos projetos de pavimentação e implantação ou requalificação de equipamentos urbanos.

Ainda em janeiro, o governador da Bahia, Rui Costa (PT), anunciou o início do Programa Bahia Minha Casa, que deverá construir residências para as famílias que viviam em áreas afetadas pelas enchentes. O trabalho será uma parceria entre as secretarias estaduais de Desenvolvimento Urbano (Sedur), via Conder, e de Relações Institucionais (Serin).

Segundo o secretário de Relações Institucionais Luiz Caetano, os prefeitos e as prefeitas precisam fazer o cadastramento das famílias que tiveram 100% de perda das casas.

Ainda segundo o secretário, muitos municípios têm atrasado esse cadastramento, o que impossibilita o acesso dessas famílias ao benefício. Atrasar este tipo de cadastro é condenar estas famílias ao relento.

TRAGÉDIAS E MORTES VIRAM ROTINA

Nos últimos meses, o Brasil inteiro vê perplexo a quantidade de famílias desabrigadas e inúmeras vidas perdidas após uma sequência de desastres ambientais, principalmente nos estados da Bahia, São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro.

As tragédias são reflexos, principalmente, da falta de planejamento urbano e de suas áreas de risco. À essa situação, juntam-se as mudanças climáticas intensificadas pela ação humana, conforme pesquisas científicas amplamente divulgadas.

Área de deslizamento de terra em Petrópolis || Foto Florian Plaucher/AFP

Em Petrópolis, região serrana do Rio de Janeiro, 232 pessoas morreram após as fortes chuvas que atingiram a região. A Defesa Civil registrou 2.199 ocorrências desde o dia 15 de fevereiro, sendo 1.764 por deslizamentos.

Ainda segundo a Defesa Civil, com base nos dados disponíveis até 24 de fevereiro, dos 208 mortos identificados até aquela data, 124 são mulheres e 84 homens.

O que mais espanta é que, após as tragédias, não existe nenhuma ação que resulte na identificação de responsabilidades pelo ocorrido, seja por omissão ou pela falta de medidas administrativas e ações capazes de prevenir ou amenizar novas ocorrências.

Já é de conhecimento público que a ocupação desordenada do solo, como construções em montanhas, fundos de vale e margens de cursos d’água, é prenúncio de tragédia. Porém, essa realidade se repete em praticamente todo o país.

Assim como Petrópolis, o relevo de Ilhéus, o tipo de solo e as condições pluviométricas associadas à ocupação irregular resultam em uma série de ocorrências nos períodos de chuva forte e levam, rotineira e exaustivamente, à perda de vidas, além dos danos materiais.

O que se espera do poder constituído são políticas públicas que orientem o crescimento urbano para áreas que não ofereçam risco à população; que realize planos de contingência e tenha programa de mitigação dos impactos da crise climática global.

No entanto, após tantas tragédias, o que de fato foi feito? Em Ilhéus, as ocupações ao longo das margens dos rios, mangues e encostas não param de se expandir. A única certeza é a de que, mesmo com tanta tecnologia e recursos, não há planejamento urbano e infraestrutura eficazes para o crescimento sustentável das cidades.

Time ilheense vai eleger nova diretoria
Tempo de leitura: < 1 minuto

O Colo-Colo de Futebol e Regatas convocou os conselheiros do clube para a reunião extraordinária do Conselho Deliberativo, na próxima quinta-feira (10), às 15h, na sede do Sinditaxi, localizada na Rua Ciridião Durval, nº 53, na Tapera, em Ilhéus.

Os conselheiros aptos a votar vão eleger os novos presidente e vice-presidente do clube, além de discutir temas eventualmente suscitados pelos presentes durante a reunião.

O Tigre precisa correr contra o tempo para chegar em boas condições na Série B do Campeonato Baiano de Futebol 2022, cujo início está previsto para maio.

Executivos da Indigo e Shopping Jequitibá, de Itabuna
Tempo de leitura: < 1 minuto

Responsável pela gestão do estacionamento do Shopping Jequitibá, em Itabuna, a Indigo é líder mundial no setor, com atuação em mobilidade individual e serviços relacionados, com 7 mil colaboradores em mais de 350 cidades de 11 países.

A Indigo opera 2.270 estacionamentos em todo o mundo, totalizando 1,3 milhões de vagas, e administra mais de 2.100 quilômetros de estacionamentos de rua. A empresa é a única operadora do setor que está presente em três continentes, tanto em instituições públicas quanto privadas, a exemplo de hospitais, centros comerciais, estações ferroviárias, aeroportos e universidades, entre outras.

Os negócios da Indigo abrangem toda a cadeia de valor da mobilidade e da gestão de estacionamentos de rua e serviços associados, uma oferta digital abrangente (OPnGO), fiscalização dos espaços públicos e privados (Streeteo), modais de mobilidade (Indigo Weel e Smovengo) e logística (Last-Mile), otimizando o uso do espaço disponível para atender a população.

SERVIÇOS DE EXCELÊNCIA

A Indigo diz estar comprometida com uma abordagem global de responsabilidade social, posicionada em 66º no ranking mundial da agência de classificação Vigeo Eiris, em um painel de 4.960 empresas avaliadas de acordo com seu desempenho extra-financeiro.

A gestora do estacionamento do Shopping Jequitibá é player global com raízes nacionais. No Brasil, a empresa opera há cinco anos e já é responsável pela gestão de mais de 200 estacionamentos, espalhados por 50 cidades, em 17 estados e no Distrito Federal.

No Shopping Jequitibá, a empresa administra 632 vagas de estacionamento. “Trata-se de uma parceria que garante um serviço de excelência, refletida na satisfação dos cientes pela segurança e agilidade no atendimento aos clientes, através da utilização de modernas tecnologias”, afirma a superintendente do Jequitibá, Vera Guimarães.

Brasil supera perdas do primeiro ano da pandemia, segundo IBGE || Foto José Paulo Lacerda
Tempo de leitura: 2 minutos

O Produto Interno Bruto (PIB) do país avançou 0,5% no quarto trimestre de 2021 e encerrou o ano com crescimento de 4,6%, totalizando R$ 8,7 trilhões. Esse avanço recuperou as perdas de 2020, quando a economia brasileira encolheu 3,9% devido à pandemia. O PIB per capita alcançou R$ 40.688 no ano passado, um avanço de 3,9% em relação ao ano anterior (-4,6%).

O PIB, soma dos bens e serviços finais produzidos no país, está 0,5% acima do quarto trimestre de 2019, período pré-pandemia de covid-19, mas continua 2,8% abaixo do ponto mais alto da atividade econômica na série histórica, alcançado no primeiro trimestre de 2014.

Os dados são do Sistema de Contas Nacionais Trimestrais, divulgado hoje (4) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Segundo o levantamento, o crescimento da economia foi puxado pelas altas nos serviços (4,7%) e na indústria (4,5%), que juntos representam 90% do PIB do país. Por outro lado, a agropecuária recuou 0,2% no ano passado.

De acordo com a coordenadora de Contas Nacionais do IBGE, Rebeca Palis, todas as atividades que compõem os serviços cresceram em 2021, com destaque para transporte, armazenagem e correio (11,4%). Segundo ela, o transporte de passageiros também subiu bastante, principalmente no fim do ano, com o retorno das pessoas às viagens.

“A atividade de informação e comunicação (12,3%) também avançou, puxada por internet e desenvolvimento de sistemas. Essa atividade já vinha crescendo antes, mas com o isolamento social e todas as mudanças provocadas pela pandemia, esse processo se intensificou, fazendo a atividade crescer ainda mais”, disse, em nota, Rebeca Palis.

Outras atividades de serviços (7,6%) também tiveram alta no período. “São atividades relacionadas aos serviços presenciais, parte da economia que foi a mais afetada pela pandemia, mas que voltou a se recuperar, impulsionada pela própria demanda das famílias por esse tipo de serviço”, acrescentou a pesquisadora.

Cresceram ainda comércio (5,5%), atividades imobiliárias (2,2%), administração, defesa, saúde e educação públicas e seguridade sociais (1,5%) e atividades financeiras, de seguros e serviços relacionados (0,7%).

CONSTRUÇÃO

Segundo o IBGE, na indústria, o destaque positivo foi o desempenho da construção que, após cair 6,3% em 2020, subiu 9,7% em 2021.

“As indústrias de transformação (4,5%), com maior peso no setor, também cresceram, influenciadas principalmente pela alta nas atividades de fabricação de máquinas e equipamentos; metalurgia; fabricação de outros equipamentos de transporte; fabricação de produtos minerais não metálicos; e indústria automotiva. As indústrias extrativas avançaram 3% devido à alta na extração de minério de ferro”, informou o IBGE.

A única atividade que não cresceu foi a de eletricidade, gás, água, esgoto, gestão de resíduos, que teve variação negativa de 0,1%, que indica estabilidade. “A crise hídrica afetou negativamente o desempenho da atividade em 2021”, explicou Rebeca Palis.