Tempo de leitura: 2 minutos

A jornada da seleção feminina de futebol na Copa América deste ano, na Colômbia, começa neste sábado (9), às 21h (horário de Brasília), diante da Argentina, no estádio Centenário, em Armenia. As brasileiras estão no Grupo B, ao lado, também, de Uruguai, Venezuela e Peru.

O torneio reúne as dez seleções da Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol), separadas em dois grupos de cinco, onde jogam entre si. As duas melhores de cada chave avançam às semifinais. O Grupo A, da anfitriã Colômbia, ainda reúne Equador, Chile, Paraguai e Bolívia.

O Brasil entra na competição com três objetivos. O primeiro deles é garantir lugar na Copa do Mundo do ano que vem, na Austrália e na Nova Zelândia. Para isso, as comandadas de Pia Sundhage devem encerrar o torneio entre as três primeiras colocadas. Se ficar em quarto ou quinto lugar, a seleção terá que disputar uma seletiva internacional.

Outra meta é assegurar uma das duas vagas sul-americanas à Olimpíada de Paris (França), destinadas ao campeão e ao vice da Copa América. Por fim, as brasileiras miram o oitavo título em nove edições do torneio, sendo o quarto consecutivo. Somente em 2006, na Argentina, quando as anfitriãs levaram o troféu, é que a taça não foi erguida pelo time canarinho.

EXPECATIVA

Na Colômbia, Pia vive a expectativa de conquistar o primeiro título oficial à frente da seleção feminina. A técnica foi campeã do Torneio Internacional de Manaus do ano passado, após vitórias sobre Índia, Venezuela e Chile na Arena da Amazônia, mas a competição era amistosa. A sueca de 62 anos comandou a equipe em 36 ocasiões desde agosto de 2019. Foram 19 vitórias, 11 empates, seis derrotas, 88 gols marcados (2,44 de média) e 30 sofridos (0,83).

O retrospecto da técnica contra rivais sul-americanos é bastante positivo. Em nove confrontos, são oito triunfos e apenas um empate, com 36 gols anotados (média de quatro por partida) e somente quatro sofridos (0,44 de média). A Argentina, adversária deste sábado, foi a rival mais vazada (16 vezes em quatro jogos), mas o Equador foi o time que mais sofreu nas mãos de Pia: em dois encontros foram duas goleadas brasileiras (6 a 0 e 8 a 0).

Para a estreia diante das argentinas, são dois desfalques: Luana e a meia Duda Francelino, ambas infectadas pelo novo coronavírus (covid-19). A expectativa é que Pia escale a seleção com: Lorena; Fê Palermo (Antonia), Tainara, Rafaelle e Tamires; Angelina, Ary Borges, Kerolin e Adriana; Debinha e Geyse (Bia Zaneratto).

“INIMIGAS” ÍNTIMAS

Boa parte das seleções que participam da Copa América reúnem nomes conhecidos de quem acompanha o Campeonato Brasileiro de Futebol Feminino. A Argentina, por exemplo, tem três jogadoras que atuam aqui: a zagueira Agustina Barroso (Palmeiras), a lateral Eliana Stábile (Santos) e a atacante Sole Jaimes (Flamengo). As uruguaias Karol Bermúdez e Luciana Gómez defendem o Atlético-MG (assim como a também meia Dayana Rodriguez, convocada pela Venezuela).

A relação de convocadas da anfitriã Colômbia tem a zagueira Monica Ramos (Grêmio) e a meia Liana Salazar (Corinthians). Já o Paraguai é a equipe estrangeira com mais atletas que jogam no Brasil: a zagueira Verónica Riveros (São José), a lateral Camila Arrieta (Avaí/Kindermann) e as meias Fabíola Sandoval (Avaí/Kindermann), Fany Gauto (Ferroviária) e Graciela Martínez (Vasco). Destaque, ainda, ao Equador, que é dirigido por Emily Lima, ex-técnica de Santos, São José e da própria seleção brasileira. Agência Brasil.

Deixe aqui seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.