Tempo de leitura: < 1 minuto

Nesta terça-feira (12), a Polícia Civil cumpriu mandados de busca e apreensão em ao menos três endereços ligados a Tharcísio Aguiar, que dirigia o carro que atropelou e matou a cirurgiã-dentista Ranitla Scaramussa Bonella, de 23 anos, no mês passado, em Ilhéus. O passaporte do empresário foi apreendido.

Alvo de mandado de prisão preventiva, ele continua foragido da Justiça. As buscas de hoje foram determinadas pela Vara do Tribunal do Júri de Ilhéus, a pedido da 7ª Coordenadoria Regional de Polícia do Interior (Coorpin), encarregada da investigação do caso.

CIRCUNSTÂNCIAS DA TRAGÉDIA

Ranitla morreu na tarde do dia 11 de junho deste ano, um sábado, após ser atingida pelo Mercedes Benz do empresário. Antiga moradora da zona sul da cidade, pois estudou Odontologia na Faculdade de Ilhéus, a jovem foi atropelada ao atravessar uma faixa de pedestres da BA-001, segundo testemunhas.

A distância da faixa até o local onde Ranitla caiu leva a família da jovem a questionar a informação de que o motorista obedecia, no momento do acidente, o limite de velocidade daquele trecho, de 60 km, conforme alegado por Tharcísio em nota.

A força do impacto pode ser estimada com base na distância da faixa ao ponto onde a jovem caiu, considerando variáveis como o peso dela. Esse pode ser um caminho, por exemplo, para atestar ou descartar informações sobre a velocidade do veículo.

No último dia 23, quando decretou a prisão do empresário por tempo indeterminado, o juiz Gustavo Henrique Almeida Lyra, da Vara do Júri e Execuções Penais de Ilhéus, também suspendeu a Carteira Nacional de Habilitação (CNH) de Tharcísio.

Deixe aqui seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.